Busca BOL

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014

BOL Notícias

Greve do setor aéreo está suspensa, diz presidente do sindicato nacional dos aeronautas

Alan Marques/Folhapress

Movimentação nos aeroportos do país, como no de Brasília em foto desta quarta-feira, está intensa com os feriados de final de ano; veja mais fotos

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

A greve dos trabalhadores do setor aéreo (aeronautas e aeroviários), programada para ter início na madrugada desta quinta-feira (23), foi suspensa temporariamente pelos sindicatos que representam as categorias. A informação foi confirmada pelo comandante Gelson Fochesato, presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas.

Segundo Fochesato, a decisão foi tomada em uma assembleia que aconteceu nesta quinta-feira (23), às 5h, no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com a participação de cerca de cem integrantes dos movimentos grevistas.

"Nós sentimos que a sociedade já vem há alguns dias muito preocupada com a questão [da greve] e, atendendo a este anseio, a categoria decidiu cumprir a decisão judicial e suspender a greve", explicou, referindo-se à decisão do TST (Tribunal Superior do Trabalho), que concedeu ontem uma liminar (decisão provisória) determinando que fossem mantidos em atividade 80% dos funcionários das companhias aéreas entre esta quinta-feira (23) e o dia 2 de janeiro.

"Entretanto, nós voltaremos a discutir a greve no início de janeiro, após esta época de Natal e Ano Novo", completou o comandante.

Fochesato garantiu que, por parte de aeroviários e aeronautas, a população não terá problemas para viajar nesta época de festas de final do ano. "Mas acreditamos que enfrentarão, sim, problemas no geral, já que as companhias aéreas estão negligenciando o desgaste da tripulação, que está trabalhando acima do limite e em condições adversas", explicou o presidente do sindicato.

O Sindicato Nacional dos Aeronautas representa hoje 10 mil profissionais, entre pilotos, comissários e engenheiros de voo. A reportagem está tentando contato com a presidente do Sindicato Nacional dos Aeroviários, Selma Balbino, para comentar a decisão.

"Com essa decisão do TST, que aplicaria uma multa de R$ 100 mil por dia, a greve ficou inviabilizada. Agora iremos aguardar o julgamento do dissídio da categoria", afirmou Uébio José da Silva, vice-presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Aéreos.

Mesmo com a suspensão da greve, os aeroviários realizavam, às 5h30 desta manhã, uma passeata no aeroporto internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos.

Ontem (22), antes da decisão judicial, a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) recomendou aos passageiros que confirmem o voo com a empresa aérea antes de ir ao aeroporto. Já no aeroporto, havendo atraso ou cancelamento do voo, o passageiro deve procurar a empresa aérea e um representante da Agência nacional de Aviação Civil (Anac) ou o Juizado Especial.

Reivindicações

Aeronautas e aeroviários reivindicam, principalmente, reajuste salarial.

As empresas ofereceram inicialmente um reajuste de 6,08%, que representa apenas a inflação do período de acordo com o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).  Após reunião ontem com o Ministério Público do Trabalho em Brasília, revisaram a proposta para 6,5%, mas a categoria não aceitou e manteve a greve.

Os funcionários reivindicam reajuste entre 13% e 30%, dependendo da faixa salarial.

Atrasos

Próximo do Natal, os aeroportos do país apresentam atrasos superiores a 30 minutos nesta quinta-feira (23); 30,1% dos voos domésticos tiveram a partida adiada, segundo a Infraero (estatal que administra os aeroportos brasileiros). Dos 544 voos programados, 164 partiram fora do horário e 30 foram cancelados. 

Em relação aos voos internacionais, um em cada quatro apresentam atrasos. Dos 40 voos programados, 10 estão atrasados (25%).

No Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, das 40 partidas nacionais programadas até as 8h, 12 (30%) atrasaram; das internacionais, das 14 agendadas, duas atrasaram (14,3%).

*Com informações da Agência Estado

Publicidade

Emprego Certo

Procurar por emprego