Busca BOL

Domingo, 21 de dezembro de 2014

BOL Notícias

Governo ameaça cortar ponto, mas professores mantém greve na BA

DANIEL CARVALHO
DE SÃO PAULO

Os professores da rede estadual da Bahia --em greve desde o dia 11-- terão o ponto cortado se não voltarem ao trabalho imediatamente. A medida da Secretaria da Educação revoltou os grevistas que decidiram, na manhã desta quinta-feira, manter a paralisação por tempo indeterminado.

Professores acampam na Assembleia da Bahia
Professores da BA vão recorrer de decisão sobre ilegalidade da greve
Aperto fiscal alimenta impasse entre governo e professores na BA
Após greve da PM, agora professores param na Bahia

Os grevistas também resolveram continuar acampados em barracas no salão da Assembleia Legislativa, onde estão desde ontem.

O APLB (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia) diz que o acampamento deve ser mantido pelo menos até a terça-feira (24), quando está prevista a votação do projeto de lei do governo do Estado que reajusta o salário de 5.200 professores com formação em nível médio.

A Secretaria de Educação, por meio de sua assessoria, informou que o ponto dos grevistas será cortado porque o movimento paredista foi considerado ilegal pela Justiça da Bahia. O sindicato recorreu da decisão na terça-feira (17).

"Essa medida só fez revoltar mais ainda a categoria", disse o diretor de comunicação do APLB, Luciano Cerqueira. Ele afirmou que ainda não sabe como a notícia foi recebida pelos professores no interior do Estado, onde a adesão à greve não chega a 75%, segundo o próprio sindicato.

Na noite desta quinta, os manifestantes devem protestar na entrada do estádio do Pituaçu, em Salvador, onde acontece o jogo Bahia X Remo. Na sexta-feira (20), farão panfletagem no interior.

O governador Jaques Wagner (PT) concedeu um reajuste de 6,5% a todos os servidores em fevereiro. O sindicato cobra do governo o pagamento de 15,72%, que, somado ao percentual concedido, alcança os 22,22% estabelecidos pelo piso nacional.

A categoria também é contra o projeto do governo que está na assembleia para reajustar o salário de professores com formação em nível médio.

De acordo com a Secretaria de Educação, o rendimento deles subiria de R$ 1.187 para R$ 1.451. O sindicato diz que o texto acaba com benefícios desses profissionais.

Publicidade

Emprego Certo

Procurar por emprego