! 15 doenças comuns nos três primeiros anos de vida - BOL Notícias

Brasil Online

Busca
Sábado, 25 de OUTUBRO de 2014

21/04/2009 - 17h02

15 doenças comuns nos três primeiros anos de vida

Cida de Oliveira
Do 'Meu Nenê'

Conheça quais são os principais inimigos do seu bebê nesta fase e como protegê-lo

Quem tem filho pequeno sabe que, a cada três meses no máximo, o pequeno aparece com alguma doencinha. Na maioria das vezes, os casos estão ligados às doenças respiratórias causadas por vírus. No entanto, vários outros problemas típicos da infância lotam os consultórios e ambulatórios pediátricos.

Veja fotos com dicas de como cuidar de doenças comuns em bebês

E a melhor arma para lutar contra eles é munir-se de informações e aprender quanto à prevenção, aos sintomas e aos tratamentos. A pediatra e presidente do departamento de cuidados primários e pediatria ambulatorial da Sociedade Paulista de Pediatria e membro da Brasileira, Ana Cristina Ribeiro Zöllner, e o pediatra da Universidade Federal de São Paulo, Renato Lopes de Souza, listam aqui os principais:

1 AMIGDALITE
É a infecção das amígdalas causada por bactérias ou vírus. Formadas por tecido esponjoso, estas estruturas estão localizadas nos dois lados da garganta. Seu papel é produzir anticorpos para impedir que infecções da garganta, boca e seios da face se espalhem para o corpo.

SINTOMAS: Dor, febre, inchaço ao lado do pescoço e da mandíbula, dificuldade para engolir, calafrios, dor de cabeça e muscular, mau hálito.
TRATAMENTO: O problema causado por bactérias é tratado com antibióticos. Se for vírus, os remédios indicados irão apenas controlar os sintomas.
PREVENÇÃO: Evitar aglomerações e contato com pessoas doentes.

2 OTITE
Infecção do ouvido provocada por bactérias ou vírus, geralmente precedida pela gripe. É mais comum entre os 6 e 11 meses.
SINTOMAS: Febre, irritabilidade, choro intenso e contínuo, secreção nasal e falta de apetite. Pode haver diarréia e vômitos.
TRATAMENTO:O médico prescreve analgésicos e antitérmicos. Em alguns casos, antibióticos e até lavagem interna do ouvido também.
PREVENÇÃO: Manter a amamentação exclusiva até os seis meses, pois os casos aumentam em crianças desmamadas precocemente. Evite também alimentar a criança deitada. Em vez de descer pelo esôfago, o leite pode ficar parado na garganta e chegar ao ouvido médio. Como a anatomia do ouvido do bebê ainda é imatura, isso pode levar a crises repetidas.

3 LARINGITE
É a inflamação da laringe, onde ficam as cordas vocais. Mas também sinalizar bronquite, pneumonia e outras infecções respiratórias. Se não for tratada corretamente, pode evoluir para infecções sérias ou causar problemas de voz.
SINTOMAS: Normalmente não causa dor intensa, mas a criança pode ter dificuldade para engolir alimentos, febre, tosse seca e rouquidão, sendo que a voz muitas vezes some completamente.
TRATAMENTO:Geralmente, são prescritos alguns tipos de corticóides.
PREVENÇÃO: Não compartilhar copos e talheres, evitar bebidas muito geladas, não tomar banhos frios, não gritar e usar umidificadores de ar em épocas muito secas.

4 CONJUNTIVITE
Inflamação da membrana fina e transparente que recobre a maior parte da superfície do olho, a conjuntiva. É causada por bactérias, vírus, alergias ou reações químicas. Apesar de simples, a doença pode danificar a córnea se não for tratada.
SINTOMAS: Olhos vermelhos,
lacrimejantes, com muita secreção - que chega a deixar as pálpebras grudadas. As crianças maiores coçam os olhos e reclamam de ter a sensação como se houvesse areia dentro deles.
TRATAMENTO: Os especialistas
prescrevem limpeza com soro fisiológico várias vezes ao dia. A doença costuma desaparecer depois de quatro dias. Colírios só devem ser usados com prescrição médica.
PREVENÇÃO: Como a doença é altamente contagiosa, deve-se evitar contato com pessoas contaminadas.

5 INFECÇÃO URINÁRIA
É a presença de bactérias no trato urinário. A doença é duas vezes mais comum nas meninas do que nos meninos. Isso porque sua uretra, apesar de menor, facilita a entrada dos microorganismos. Se a infecção chegar à bexiga, traz a cistite. Caso as bactérias passem pelos ureteres e alcancem os rins, uma pielonefrite (infecção renal grave) pode se instalar.
SINTOMAS: Crianças muito pequenas não apresentam sinais característicos, como a dor lombar. O mais comum é apresentar febre, irritabilidade e falta de apetite. Já as maiores têm irritação na bexiga, dor abdominal e necessidade de urinar a todo instante com ou sem dor e em pequena quantidade. Podem reclamar também de dor nas costas e não conseguir segurar o xixi, muitas vezes escuro e malcheiroso.
TRATAMENTO: Depois de realizar exame de urina ou ultra-sonografia, o médico normalmente prescreve antibiótico.
PREVENÇÃO: É preciso oferecer água para a criança, inclusive às maiores que, envolvidas em brincadeiras, esquecem de bebê-la.

6 IMPETIGO
Infecção da pele causada por germes. Dependendo do microorganismo causador da lesão, há o risco de complicações.
SINTOMAS: Pequenas bolhas com pus,
muitas vezes imperceptíveis, que rapidamente se rompem e deixam a região afetada recobertas por crostas espessas, de aspecto semelhante ao mel ressecado. Algumas vezes aparecem várias lesões pequenas e espalhadas. Outras poucas lesões, que aumentam de tamanho progressivamente podem desaparecer de repente ou se espalhar. É mais comum no verão e atinge principalmente áreas de dobra da pele.
TRATAMENTO: Em casos simples, consiste na remoção das crostas, limpeza das lesões e aplicação de pomadas antibacterianas. Nos mais graves, o dermatologista pode prescrever antibióticos orais.
PREVENÇÃO: Manter as
mãos da criança sempre limpas e com as unhas curtas.

7 VARICELA (CATAPORA)
Doença altamente contagiosa provocada por um vírus do tipo herpes. Em geral é benigna e costuma incomodar pela coceira intensa.
SINTOMAS: Apresenta-se
com pontinhos vermelhos espalhados por todo o corpo ou em regiões específicas, muito parecidos com picadas de inseto. Nessa fase, a doença não costuma ser detectada facilmente. Depois de dois ou três dias, no entanto, as pintinhas crescem e transformam- se em bolhas cheias de um líquido transparente. Além da coceira intensa, é comum a criança também ter febre baixa e se queixar de dor de cabeça.
TRATAMENTO: Uso de antitérmicos, com exceção do ácido acetilsalicílico, que pode causar lesão grave no fígado da criança, e de cremes ou talco mentolado para aliviar a coceira. Quando necessário, o pediatra prescreve antialérgicos de ação sedativa.
PREVENÇÃO: Vacinação quando a criança completar um ano de idade.

8 VULVOVAGINITE
Inflamação da vagina geralmente causada por micróbios presentes nas fezes, ou ainda transpiração excessiva e contato com terra ou areia contaminadas.
SINTOMAS: Corrimento amarelado, às vezes com mau cheiro, sujando a calcinha ou fralda. Manifesta-se apenas com coceira, manipulação freqüente da genitália, vermelhidão ou dor local.
TRATAMENTO: Banhos de assento com
anti-sépticos diluídos na água.
PREVENÇÃO: Limpeza adequada. As meninas maiores devem ser ensinadas a se limpar corretamente após as evacuações, da frente para trás, para não trazer restos de fezes do ânus para a vagina. Depois de urinar, é preciso enxugar-se. Calcinhas de material sintético devem ser evitadas, assim como o contato prolongado com maiôs ou biquínis molhados.

9 BALANOPOSTITE
Inflamação do prepúcio e glande (pele e cabeça do pênis). Acomete os meninos geralmente por origem bacteriana e pode levar a infecção urinária.
SINTOMAS: Vermelhidão, inchaço, coceira, descamação, mal cheiro e, às vezes, com presença de secreção purulenta.
TRATAMENTO: Depende da causa e da severidade da doença. Geralmente são aplicadas pomadas antibióticas no local. Mas pode ser necessária a indicação de medicamentos secativos tópicos. Quando é muito recorrente, o médico sugere a circuncisão para retirada do prepúcio.
PREVENÇÃO: Manter a glande e o prepúcio sempre limpos e secos. Antes de urinar, o prepúcio deve ser retraído e, no final, enxugado com papel higiênico para evitar acúmulo de urina na região.

10 ANEMIA FERROPRIVA
É a deficiência de hemoglobina, proteína do sangue que carrega o oxigênio às células, muito importante para o funcionamento de todas as funções do organismo. Sem ela, o desenvolvimento físico, motor, psicológico, cognitivo e de linguagem são prejudicados. Estima- se que metade das crianças de 0 a 3 anos tenham a doença Existem várias causas, sendo a principal a falta de ferro. Essa carência pode vir já da gestação ou se desenvolver devido à alimentação pobre no nutriente.
SINTOMAS: Palidez nas mucosas, principalmente no interior das pálpebras inferiores, fadiga, fraqueza, falta de apetite, cansaço fácil, desatenção e apatia na escola.
TRATAMENTO:Consiste na reposição dos estoques adequados de ferro por meio de suplementos com sulfato ferroso e alimentação rica no mineral.
PREVENÇÃO: Até os seis meses de vida o aleitamento materno exclusivo supre as necessidades de ferro da criança. Assim, não é necessária nenhuma forma de complementação, tampouco da introdução de alimentos sólidos. Vale lembrar que o leite de vaca tem pouca quantidade de ferro, além desse ser pior absorvido que o do leite materno. Para as crianças maiores, não devem faltar alimentos como carne, frango, peixe, gema do ovo, feijão, soja, lentilha, ervilha, espinafre, brócolis, couve e outras verduras que possuem folhagem mais escura.



11 BROTOEJAS
Erupção cutânea que afeta bebês e crianças pequenas. É causada pelo suor abundante, que inflama as glândulas sudoríparas, causando irritação e coceira. Muito comum em dias quentes e úmidos.
SINTOMAS:Áreas vermelhas, com pequenas bolhas no centro. Aparece no rosto, pescoço, ombro, barriga ou peito. Algumas vezes gera coceira e sensação desconfortável, que irrita a criança.
TRATAMENTO: O médico geralmente prescreve um creme específico para uso tópico. No entanto, o amido de milho tem sido usado como forma alternativa de tratamento para o problema.

PREVENÇÃO: Procure vestir seu filho com roupas frescas, de preferência feitas de algodão. Se seu filho for propenso à brotoeja, experimente mantê-lo o mais fresco possível, principalmente no verão. Evite situações que façam a criança suar.

12 BRONQUIOLITE
Inflamação pulmonar mais comum em crianças menores de 2 anos, principalmente dos 4 aos 6 meses, causada pelo vírus sincicial respiratório. Como deprime o sistema imunológico da criança, facilita o aparecimento da pneumonia. A doença pode camuflar a asma.
SINTOMAS: Secreção e congestão nasal, progredindo posteriormente para tosse, dificuldade respiratória e chiadeira. Geralmente, a maior parte das crianças apresenta sintomas leves.
TRATAMENTO: São indicados antitérmicos para baixar a febre. Mas, nos casos em que há dificuldade respiratória, cianose (extremidades dos dedos arroxeadas), a criança tem entre um e quatro meses ou alguma outra doença grave associada, a internação será necessária.
PREVENÇÃO: Já existe vacina contra o vírus sincicial respiratório, aplicada em prematuros. Para os demais, ela pode ser aplicada em clínicas particulares. Também, devese evitar lugares fechados e o contato com outras crianças doentes.

13 DIARRÉIA E VÔMITO
A primeira é a maneira pela qual o organismo se livra de toxinas e substâncias nocivas causadas por vírus, bactérias, protozoários, alimentos contaminados ou alergia ao leite. Já o vômito, isoladamente, em geral está ligado a infecções no estômago ou intestinos. O perigo é de que esses incômodos avancem para uma desidratação, o que é ainda mais grave se a criança for pequena. Se o vômito for freqüente e a criança não estiver ganhando peso como o esperado, pode ser intolerância alimentar a algum tipo de alimento ou refluxo. Tosse, catarro ou infecção na garganta também podem provocar vômito.
SINTOMAS: A diarréia é caracterizada por evacuações líquidas e freqüentes. Pode ou não haver febre. E os vômitos geralmente são precedidos por náuseas e cólica abdominais. A criança fica pálida.
TRATAMENTO: Oferecer alimentos e líquidos frios ou na temperatura ambiente, em pequenas quantidades, até que o vômito cesse. Refrigerantes de cola e isotônicos não são recomendados. Observe seu filho entre os episódios de diarréia para ter uma idéia do seu estado. Se ele estiver alerta e sem cólica, a situação é normal. Mas se estiver abatido e a cólica não desaparecer, procure o pediatra. Só use medicamentos com recomendação médica.
PREVENÇÃO: Manter boas práticas de higiene (como lavar as mãos antes das refeições) e com os alimentos para evitar a contaminação. Buscar restaurantes de confiança na hora de levar o pequeno para almoçar. Para evitar desidratação, fórmulas orais com o soro caseiro são indicadas para crianças com diarréia.

14 DERMATITE ATÓPICA
Inflamação crônica das camadas superficiais da pele, geralmente associada a outros distúrbios alérgicos, embora ainda não se saiba direito a razão. Por isso, é mais comum em quem tem asma ou quando existem asmáticos na família. Estresse emocional, mudanças de temperatura ou de umidade, infecções cutâneas bacterianas e o contato com tecidos irritantes, em especial a lã, estão entre as causas mais comuns. Em bebês, é ainda causada por alergias alimentares.
SINTOMAS: Os lactentes apresentam erupções cutâneas que formam um tipo de crosta no rosto, no couro cabeludo, na região dos genitais, nas mãos, nos membros superiores, nos pés ou nos membros inferiores. Porém, o problema diminui entre 3 e 4 anos de idade.
TRATAMENTO: Para as crianças maiores os dermatologistas prescrevem cremes ou pomadas de corticosteróides para aliviar a coceira. A água e o sabão e até mesmo a secagem da pele, sobretudo o atrito da toalha, podem ser irritantes. Nesse caso, os banhos devem ser rápidos e menos freqüentes, e a pele deve ser seca suavemente, com uma toalha macia e a aplicação de óleos ou lubrificantes não perfumados. Manter as unhas das mãos curtas evita contaminação. E quando há infecção, são prescritos antibióticos.
PREVENÇÃO: Evitar o contato com substâncias que sabidamente irritam a pele (como perfumes e loções) normalmente impede a ocorrência de uma erupção. Embora seja difícil controlar a doença, alguns cuidados básicos permitem que seu filho tenha uma vida normal. Entre eles, está o uso limitado de produtos químicos (de higiene e de limpeza). A pele da criança tem de ser hidratada freqüentemente e as roupas devem ser, preferencialmente, de algodão. No quarto, nada de bichos de pelúcias, tapetes ou cortinas, porque são depósitos de pó e ácaros. E procure manter a casa sempre limpa.

15 GRIPE
Doença respiratória causada por vírus. Como eles sofrem diversas mutações, até que o organismo da criança crie algumas defesas, os episódios são freqüentes e só começam a diminuir a partir do terceiro ano. No frio, esta doença pode ser contraída mais facilmente porque as pessoas tendem a ficar em ambientes fechados, facilitando a transmissão do vírus. Eles diminuem a resistência da criança, o que permite a invasão de microorganismos que causam inflamações como amigdalite, otite, sinusite, rinite, bronquite e até pneumonia.
SINTOMAS: Febre, dor de cabeça, nariz escorrendo (coriza), tosse, dor no corpo e inflamação na garganta, entre outros.
TRATAMENTO: Crianças doentes que ainda são amamentadas com leite materno não precisam de outros líquidos. As demais devem ser hidratadas com água e sucos naturais a fim de repor as vitaminas e reforçar o sistema imunológico. Caso a criança apresente febre, deve ser banhada em água morna até que a temperatura diminua. Neste caso, o ideal é usar roupas leves para facilitar a troca de calor do corpo com o meio.
PREVENÇÃO: Há vacina contra a gripe. Mesmo assim, não se deve permitir que os pequenos vacinados fiquem em contato com pessoas doentes. Afinal, os vírus sofrem inúmeras mutações e podem infestá-lo.

  • Do site "Meu Nenê".
  • Enquete

    Computando seu voto...
    Carregando resultado

    Total de votos: