Veja sugestões para decorar apartamentos de até 100m²

Informações sobre o álbums
  • editoria:Geral
  • galeria: Enquete
  • link: http://noticias.bol.uol.com.br/fotos/entretenimento/2012/09/03/veja-sugestoes-para-decorar-apartamentos-de-ate-100m.htm
  • totalImagens: 247
  • fotoInicial: 0
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20110610213816
  • link:
  • branco
Fotos
O AP 1.211, assinado por Alan Chu, recebeu placas de limestone (Mont Blanc Mármores e Granitos) no piso, forro de madeira de demolição (O Relicário) e revestimento cerâmico esmaltado e branco - Antigua - nas paredes. Tal elemento reflexivo, tipo tijolinho, é muito usado em restaurantes. Uma escada (à esq.) metálica em espiral (Serralheria Cabral) faz a circulação vertical para o mezanino Djan Chu/ DivulgaçãoMais
O arquiteto e projetista Alan Chu precisava organizar o AP 1.211 com apenas 36 m² e, para isso, pensou em "caixotes" diferentes em altura, profundidade e largura, que parecessem estar sobrepostos ou encaixados em substituição a um armário único e inteiriço. A última hipótese tenderia a diminuir a sensação de profundidade do cômodo inferior do duplex. A solução não cobriu totalmente a parede com a marcenaria executada pela Art Mad e há espaço para outros elementos como a geladeira Smeg Djan Chu/ DivulgaçãoMais
Os caixotes que estruturam o mobiliário planejado são diferentes uns dos outros em altura, profundidade e largura e parecem estar sobrepostos ou encaixados. Alguns são gavetas, outros têm portas que abrem para cima, lateralmente ou são de correr. Por fora, o acabamento do pinus tratado em autoclave remete à linguagem dos "pallets"; por dentro, a pintura dos módulos é laqueada e colorida. A ideia de divisão modular do AP 1.211 facilitou a execução da obra, assinada pelo arquiteto Alan Chu Djan Chu/ DivulgaçãoMais
O sistema de caixotes que organiza espaços e funções na área social do AP 1.211 foi projetado pelo arquiteto Alan Chu. Seus elementos possuem dimensões variadas em altura, largura, tipos de porta e existência ou ausência de prateleiras. Com acabamento externo na cor natural do pinus autoclavado, os interiores dos módulos são acabados em laca colorida Djan Chu/ DivulgaçãoMais
O sistema de caixotes que organiza espaços e funções na área social do AP 1.211 foi projetado pelo arquiteto Alan Chu. Seus elementos possuem dimensões variadas em altura, largura, tipos de porta e existência ou ausência de prateleiras. Com acabamento externo na cor natural do pinus autoclavado, os interiores dos módulos são acabados em laca colorida Djan Chu/ DivulgaçãoMais
A cozinha não é só cozinha: numa única linguagem modular, abriga também a despensa e sala de TV. A bancada para pia, em aço inox (Mekal), foi desenhada pelo arquiteto Alan Chu para ser apoiada sobre uma das caixas de pinus que compõem o móvel. O AP 1.211 fica em São Paulo, capital Djan Chu/ DivulgaçãoMais
A cozinha não é só cozinha: numa única linguagem modular, abriga também a despensa e sala de TV. A bancada para pia, em aço inox (Mekal), foi desenhada pelo arquiteto Alan Chu para ser apoiada sobre uma das caixas de pinus que compõem o móvel. O AP 1.211 fica em São Paulo, capital Djan Chu/ DivulgaçãoMais
A planta do AP 1.211, do arquiteto Alan Chu, revela estrutura de mezanino, sobre a cozinha, e um átrio de pé direito duplo sobre o sofá. Com apenas 36 m², o banheiro do duplex também é ?embutido?, ficando escondido atrás do guarda-roupa, no pavimento superior Djan Chu/ DivulgaçãoMais
A circulação vertical no AP 1.211 se dá por meio de escada espiral de serralheria, preta, que sobe através de uma caixa em pinus autoclavado. A repetição da linguagem modular, existente na área social, integra os dois pavimentos do apartamento duplex com apenas 36 m² e projetado por Alan Chu Djan Chu/ DivulgaçãoMais
Para organizar os espaços e as funções de uso social no duplex com apenas 36 m², o arquiteto Alan Chu imaginou um sistema de caixotes inspirado nos "pallets". São essas caixas que "estocam" os equipamentos da residência e dão forma à despensa, à cozinha e à estante para TV, CDs, e outros elementos típicos de uma sala de estar. A marcenaria para o AP 1.211 é da Art Mad Djan Chu/ DivulgaçãoMais
O tampo em aço inox (à esq.), da Mekal, para cozinha foi feito sob medida e se apoia sobre uma das caixas que organizam espaços e funções da área social do duplex de apenas 36 m², projetado pelo arquiteto Alan Chu. São esses caixotes que "estocam" os equipamentos da despensa e da cozinha, além de abrigar TV, CDs e outros elementos típicos de uma sala de estar. A marcenaria é Art Mad Djan Chu/ DivulgaçãoMais
O sofá de linho Micasa foi feito sob medida para área social do pequeno AP 1.211, um duplex de 36 m² na capital paulista. Abaixo do nível do mezanino, as paredes são revestidas com cerâmica esmaltada branca Antigua, reflexiva, tipo tijolinho, muito usada em restaurantes. A iluminação é indireta e oferecida pela arandela Grass 304, da Dominici, assinada por Bernard-Albin Gras (à esq.), e pela luminária Potence, também da Micasa, com design de Jean Prouvé Djan Chu/ DivulgaçãoMais
O estilo retrô é marcado pelo telefone público antigo e pela luminária neon Três Estações, sobre a parede de cerâmica esmaltada branca Antigua, reflexiva, tipo tijolinho. O projeto para o AP 1.211 é do arquiteto Alan Chu Djan Chu/ DivulgaçãoMais
A escada para circulação vertical no AP 1.211 termina em uma caixa de marcenaria (Art Mad) que repete a linguagem de "pallets" utilizada na área social. No interior deste grande caixote, um cilindro de compensado curvo é revestido de laminado melamínico preto. Do lado de fora, o guarda-corpo leva vidro laminado com espessura de 12 mm. O projeto de reforma é assinado pelo arquiteto Alan Chu Djan Chu/ DivulgaçãoMais
O apartamento duplex projetado pelo arquiteto Alan Chu possui pé direito duplo com amplo fechamento lateral em vidro (fachada) que garante abundante luz natural durante o dia. Para a iluminação noturna, por outro lado, o projeto dispensa focos de luz direta instalados no forro, apostando em luminárias e arandelas de designers conceituados, como é o caso da luminária Potence (Micasa), com assinatura de Jean Prouvé, que se "estica" sobre o amplo estofado Djan Chu/ DivulgaçãoMais
O piso, em madeira canela de demolição (O Relicário), também reveste o forro da área social. As portas pretas do guarda-roupa (à esq.), também dão acesso a um banheiro (ao fundo). Toda a marcenaria do dormitório é em laca preta. O AP 1.211 é duplex, tem 36 m² e arquitetura projetada por Alan Chu Djan Chu/ DivulgaçãoMais
No AP 1.211, a cama também é estruturada em marcenaria (Art Mad) com pintura laqueada preta, desenhada pelo arquiteto Alan Chu, e cabeceira revestida em lona. A cadeira Chair One é uma criação do designer Konstantin Grcic, enquanto a arandela BL6, comprada na Scandinavia Designs, foi desenhada por Robert Dudley Best Djan Chu/ DivulgaçãoMais
Com o objetivo dar unidade ao projeto nos dois níveis do apartamento duplex, foram selecionados paleta de cores e materiais restritos e basicamente sóbrios. O projeto de reforma do duplex na Alameda Campinas, em São Paulo, é assinado por Maurício Arruda Fran Parente/ DivulgaçãoMais
O tapete marroquino Berber e as gravuras e tapeçarias compõem a coleção ?vintage? do morador do duplex na Alameda Campinas, em São Paulo, que teve reforma e decoração assinadas pelo arquiteto Maurício Arruda Fran Parente/ DivulgaçãoMais
O contraponto à paleta branco, preto e "greyge", no piso inferior do duplex na Alameda Campinas reformado pelo arquiteto Maurício Arruda, é o ladrilho hidráulico floral instalado no piso da cozinha Fran Parente/ DivulgaçãoMais
Para dar a sensação que o pé-direito é mais alto, foram retirados os rodapés das paredes. A iluminação do teto limita-se ao lustre sobre a bancada da cozinha e ao plafon próximo aos armários do quarto, peças - respectivamente - datadas dos anos 1960 e 70. Os interiores do duplex na Alameda Campinas são assinados pelo arquiteto Maurício Arruda Fran Parente/ DivulgaçãoMais
No piso inferior do duplex na Alameda Campinas, em São Paulo, a marcenaria tem acabamento em freijó ebanizado, tanto na estante da sala como nos armários da cozinha. A reforma do imóvel foi assinada pelo arquiteto Maurício Arruda Fran Parente/ DivulgaçãoMais
Exceto por luminárias pontuais, como a instalada sobre a bancada da cozinha, o apartamento duplex da Alameda Campinas, em São Paulo, é iluminado por luzes embutidas nas marcenarias e pelos abajures junto aos sofás e cama. O projeto de interiores é assinado pelo arquiteto Maurício Arruda Fran Parente/ DivulgaçãoMais
Um outro armário, com portas revestidas por espelhos, delimita os espaços do quarto e do banheiro no piso superior do duplex na Alameda Campinas, em São Paulo, reformado por Maurício Arruda Fran Parente/ DivulgaçãoMais
No andar superior, o painel de caviúna, original dos anos 60, revestiu a parede da cabeceira e determinou o uso de madeiras e cores mais claras nos ambientes íntimos. O projeto de reforma do duplex na Alameda Campinas, em São Paulo, é assinado por Maurício Arruda Fran Parente/ DivulgaçãoMais
No andar superior, a cor preta da marcenaria é substituída pelo tom natural da caviúna e do freijó e pelo azul cobalto com acabamento brilhante do armário principal da suíte.O projeto de reforma do duplex na Alameda Campinas, em São Paulo, é assinado pelo arquiteto Maurício Arruda Fran Parente/ DivulgaçãoMais
No banheiro, o box tem piso revestido por pastilhas cinza, enquanto a totalidade das paredes é recoberta por cerâmica branca brilhante com aspecto retrô. Sobre a bancada, o espelho generoso. A reforma do imóvel foi assinada pelo arquiteto Maurício Arruda Fran Parente/ DivulgaçãoMais
Projeto de reforma de duplex na Alameda Campinas, em São Paulo, assinado por Maurício Arruda. No desenho é possível observar a planta do piso inferior, onde estão concentrados os ambientes sociais Arte UOLMais
Projeto de reforma de duplex na Alameda Campinas, em São Paulo, assinado por Maurício Arruda. No desenho é possível observar a planta do piso superior, com a suíte e a lavanderia do apartamento Arte UOLMais
Na foto, o arquiteto gaúcho Vitor Hugo Rebello Junior, que projetou a reforma do apartamento em Porto Alegre (RS), com apenas 26 m² MB/ UOLMais
O arquiteto gaúcho Vitor Hugo Rebello Junior removeu o revestimento cerâmico original do banheiro e aplicou tinta acrílica fosca nas paredes externas ao box. Neste, repetem-se os azulejos Cecrisa 15 cm x 15 cm da cozinha. O móvel em marcenaria e vidro, para pia-coluna, e o espelho com armarinho são Tok&Stok; o lavatório é da linha de louças Monte Carlo, da Deca. O apê com 26 m² fica em Porto Alegre (RS) MB/ UOLMais
O arquiteto gaúcho Vitor Hugo Rebello Junior removeu o revestimento cerâmico original do banheiro e aplicou tinta acrílica fosca nas paredes externas ao box. Neste, repetem-se os azulejos Cecrisa 15 cm x 15 cm da cozinha. O móvel em marcenaria e vidro, para pia-coluna, e o espelho com armarinho são Tok&Stok; o lavatório é da linha de louças Monte Carlo, da Deca. O apê com 26 m² fica em Porto Alegre (RS) MB/ UOLMais
Na sala de estar, sofá zig zag de dois lugares - que vira chaise -, em veludo marrom e com 1,9 m de comprimento é combinado ao rack para eletrônicos (2 m), desenhado pelo arquiteto Vitor Hugo Rebello Junior e executado por Gilson Jacques, em marcenaria MDF revestido por laminado melamínico branco. Todo o apartamento recebeu cimento queimado no piso, que foi resinado com hidrofugante extrabrilho. O apartamento Lima e Silva tem projeto assinado pelo arquiteto gaúcho MB/ UOLMais
A volumetria da estante - inspirada em um skyline de Montevidéu, posicionado verticalmente -, onde cubos de diferentes profundidades recriam a linha do horizonte urbana, com prédios em diversas alturas, tinha de ganhar um retoque especial: fotos da capital uruguaia, feitas pelo próprio arquiteto Vitor Hugo Rebello Junior, foram transformadas em adesivos (Bang Impressões) e coladas nas laterais dos nichos MB/ UOLMais
Voltada ao living, a estante também apresenta grandes gavetas inferiores; onde o espaço é pouco, é preciso pensar na eficiência e na máxima funcionalidade do projeto. A marcenaria, em MDF revestido de laminado melamínico branco, é de Chico Bastos e o projeto de interiores é do arquiteto Vitor Hugo Rebello Junior MB/ UOLMais
Da cama é possível entender melhor o projeto da estante, desenvolvido pelo arquiteto Vitor Hugo Rebello Junior: uma sobreposição de cubos de profundidades 25cm, 30cm e 35 cm - que partem de um mesmo plano vertical - e suas diferentes alturas criam um efeito volumétrico inspirado no skyline de Montevidéu. O arquiteto pretende reproduzir, na sala de estar, o horizonte de um centro urbano, com prédios em diferentes alturas, só que transferido da horizontal para a vertical MB/ UOLMais
A cama tem três gavetões (dois que se abrem para a parede; um, para a estante) e um baú, exatamente sob os travesseiros, cujo acesso se dá mediante o deslocamento do colchão. para economizar o precioso espaço, a cama teve de ficar encostada à parede, sob a janela. Na lateral esquerda, a parede que separa o banheiro do quarto é de alvenaria, resquício da planta original do apartamento de apenas 26 m², no centro de Porto Alegre. O projeto de interiores de Vitor Hugo Rebello Junior MB/ UOLMais
Os cubos de 30 cm e 35 cm, salientes em relação ao plano de 25 cm de profundidade, ficam vazios. Como o living não tem janela própria, os nichos permitem a entrada da luz vinda do dormitório, logo atrás, que funcionam como pequenas janelas e integram os espaços do apê de apenas 26 m², em Porto Alegre MB/ UOLMais
Uma estante, desenhada pelo próprio arquiteto Vitor Hugo Rebello Junior, tem plano fixo vertical que separa dormitório do living integrado com cozinha. O efeito com volumes que se sobressaem é produzido a partir de cubos de profundidades que variam (25cm, 30cm e 35cm). A maioria das caixas, com 25 cm de "fundo", serve para acomodar CDs, DVDs e livros MB/ UOLMais
O cubo amarelo no topo da estante é peça única e traz cor quente e harmonia à composição de interiores. Como a reflexão da luz era item prioritário do projeto de reforma do apartamento Lima e Silva - com apenas 26 m² -, o arquiteto Vitor Hugo Rebello Junior optou por manter o predomínio da cor branca MB/ UOLMais
No compacto living, o rack tem praticamente a mesma extensão do sofá (2 m) e abriga televisão, amplificadores, outros eletrônicos e, ainda, tem espaço para instrumentos musicais. A marcenaria é de Gilson Jacques, em MDF e laminado melamínico, e o desenho do móvel é assinado pelo arquiteto Vitor Hugo Rebello Junior, também responsável pela reforma do apê de 26 m² em Porto Alegre (RS) MB/ UOLMais
Com a mudança da posição da pia, toda a tubulação hidráulica tiveram de ser redirecionadas pela parede da cozinha do apê de apenas 26 m². Na composição da área molhada, a pedra é granito preto São Gabriel e a cerâmica é Cecrisa, branca. Geladeira G&E e fogão Brastemp Ative encaixaram "certinho" nos espaços exíguos - junto à marcenaria de MDF revestida com laminado melamínico (Gilson Jacques), também branco. O projeto de reforma e interiores é do arquiteto gaúcho Vitor Hugo Rebello Junior MB/ UOLMais
A janela vertical e uma segunda janela da cozinha, à direita, são originais do apartamento. Entre elas, onde hoje existe uma mesa em MDF revestida de laminado melamínico branco, com marcenaria de Gilson Jacques, ficava a parede que separava cozinha do resto da casa. Nesse ambiente, do apê de 26 m² reformado pelo arquiteto Vitor Hugo Rebello Junior, os bancos são Tok&Stok e o pendente, Mãos do Mundo MB/ UOLMais
O apê Lima e Silva, em "L", possui apenas 26 m² e foi dividido de forma a promover uma circulação inteligente entre os cômodos, garantindo a passagem de luz do dormitório e da cozinha para o living, sem perder a privacidade da área íntima. Da porta principal de entrada, pela sala de estar, chega-se ao banheiro passando pelo lado da estante, através do dormitório. A cama, por questões de circulação e privacidade, fica encostada à parede. O projeto de reforma é do arquiteto Vitor Hugo Rebello Junior MB/ UOLMais
Com apenas 43 m², o Apartamento 43, em São Paulo, perdeu uma de suas paredes - entre a cozinha e a sala - e ganhou em amplitude. São, agora, apenas quatro cômodos bem divididos Arte UOLMais
No banheiro do Apartamento 43, em São Paulo, a bancada de concreto é combinada a um amplo espelho, parede escura e chão revestido por pastilhas foscas. O projeto de interiores do apê é assinado por Marcel Steiner Fernanda Petelinkar/ DivulgaçãoMais
A alvenaria com acabamento preto aliada aos pilares e vigas de concreto aparente "amarram" o projeto de interiores do Apartamento 43, assinado por Marcel Steiner. Os elementos estão presentes no quarto (foto), no banheiro (com a diferença de que ali, a cor escolhida é o cinza chumbo) e no limite entre o living e a cozinha Fernanda Petelinkar/ DivulgaçãoMais
No quarto do Apartamento 43, decorado por Marcel Steiner, uma parede pintada de preto faz as vezes de cabeceira. Junto à janela, uma estante baixa revestida por laminado melamínico na cor branca acomoda livros e objetos, acompanhando toda a extensão da ampla janela Fernanda Petelinkar/ DivulgaçãoMais
No quarto do Apartamento 43, decorado por Marcel Steiner, uma parede pintada de preto faz as vezes de cabeceira. Junto à janela, uma estante baixa revestida por laminado melamínico na cor branca acomoda livros e objetos, acompanhando toda a extensão da ampla janela Fernanda Petelinkar/ DivulgaçãoMais
O chão de tacos de peroba rosa e ipê é a grande vedete do Apartamento 43, datado da década de 1960 e reformado pelo designer de interiores Marcel Steiner. Na decoração, objetos cult e pôsteres de filmes icônicos Fernanda Petelinkar/ DivulgaçãoMais
No living, o aparador/banco de concreto é o destaque da decoração. Sobre ele, uma vitrola com inspiração vintage, além de objetos pop - livros e miniaturas dos Beatles e uma Kombi bicolor - e da máquina de escrever antiga. O Apê 43 fica em São Paulo e tem decoração assinada por Marcel Steiner Fernanda Petelinkar/ DivulgaçãoMais
No living, o aparador/banco de concreto é o destaque da decoração. Sobre ele, uma vitrola com inspiração vintage, além de objetos pop - livros e miniaturas dos Beatles e uma Kombi bicolor - e da máquina de escrever antiga. O Apê 43 fica em São Paulo e tem decoração assinada por Marcel Steiner Fernanda Petelinkar/ DivulgaçãoMais
O esmalte fosco na cor preta recobre parte das paredes da cozinha do Apartamento 43, em São Paulo. A marcenaria do ambiente também recebeu tratamento escuro que, segundo o designer de interiores Marcel Steiner, garante aconchego ao espaço. Pôsteres de filmes, como o hitchcockiano "Um Corpo que Cai" (Vertigo, 1958), fazem parte da decoração Fernanda Petelinkar/ DivulgaçãoMais
Parte das vigas e pilares do Apartamento 43, decorado por Marcel Steiner, foi "descascada" para que o concreto ficasse aparente. Para ampliar o espaço, a parede que dividia os ambientes da cozinha e da sala foi suprimida Fernanda Petelinkar/ DivulgaçãoMais
O apartamento 43 teve reforma e design de interiores assinados por Marcel Steiner. O piso de tacos que combina ipê e peroba rosa - original da residência - foi mantido e extendido até a cozinha que possuia chão revestido por cerâmica vermelha Fernanda Petelinkar/ DivulgaçãoMais
Planta - apartamento em Porto Alegre, reformado pela Urbana Arquitetura Arte UOLMais
No banheiro da suíte do apê em PoA, a bancada foi executada pela Eterna Móveis, de acordo com projeto das arquitetas do Urbana, e recebeu tampo de mármore Rosito Luce, box de vidro da Alumnalves, cuba de louça tipo semi encaixe da Incepa, metais monocomando da Roca. Por sua vez, o box tem revestimento de mosaico travertino da Portobello Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
Na suíte do apartamento em PoA, assinado pelas profissionais do Urbana Arquitetura, parte de uma das paredes e as portas de correr do armário receberam revestimento de tecido estampado da Casa Rima. As almofadas sobre a cama são do mesmo fornecedor. O mobiliário foi projetado pelo escritório Urbana Arquitetura e executado sob medida pela marcenaria Eterna Móveis. No teto, foi usado plafon de acrílico, da KWA Materiais Elétricos. A cortina romana é da Manjabosco Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
Na suíte do apartamento em PoA, assinado pelas profissionais do Urbana Arquitetura, parte de uma das paredes e as portas de correr do armário receberam revestimento de tecido estampado da Casa Rima. As almofadas sobre a cama são do mesmo fornecedor. O mobiliário foi projetado pelo escritório Urbana Arquitetura e executado sob medida pela marcenaria Eterna Móveis. No teto, foi usado plafon de acrílico, da KWA Materiais Elétricos. A cortina romana é da Manjabosco Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
A lavanderia do apartamento em Porto Alegre (RS), com reforma e interiores a cargo da Urbana Arquitetura, teve mobiliário projetado pelo escritório e recebeu revestimento de pastilhas da Vidrotil, tanque da Celite Builders e torneira Riva da Docol Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
A cozinha recebeu revestimento da Vidrotil arroxeado e mobiliário executado sob medida pela marcenaria Eterna Móveis. As peças foram projetadas pelas arquitetas do escritório Urbana, também responsável pela reforma e pelo projeto de interiores do apartamento em Porto Alegre. O tampo da bancada é Rosito Luce da Marmoglass, enquanto a coifa e o cooktop são da Emerbras, as torneiras monocomando, Fabrimar, e a luminária, KWA Materiais Elétricos Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
A bancada do segundo banheiro, também executada pela Eterna Móveis, recebeu tampo de mármore Rosito Luce, box de vidro da Alumnalves, revestimentos da linha Portinari e pastilhas da Vidrotil. A cuba é de louça branca de embutir da Incepa e os metais são da Docol. O projeto que eliminou paredes e ampliou o espaço do apê em PoA é da Urbana Arquitetura Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
Mobiliário executado sob medida pela Marcenaria Eterna Móveis, com cadeira giratória Setu, Herman Miller, da Tradesign.O projeto de interiores do apê em PoA é da Urbana Arquitetura Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
Interligada ao jantar, a sala de estar tem mantido o laminado Durafloor. A marcenaria foi executada pela Eterna Móveis, sob projeto do Urbana Arquitetura - que também é responsável pelos interiores do apê em Porto Alegre (RS). Os pufes usam tecidos Casa Rima e são combinados às clássicas poltronas Charles Eames (também com pufe) e Swan, de Arne Jacobsen, compradas na Inside. No ambiente, ainda sofá da ZIG-ZAG, luminárias KWA Materiais Elétricos e cortinas da Manjabosco Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
Interligada ao jantar, a sala de estar tem mantido o laminado Durafloor. A marcenaria foi executada pela Eterna Móveis, sob projeto do Urbana Arquitetura - que também é responsável pelos interiores do apê em Porto Alegre (RS). Os pufes usam tecidos Casa Rima e são combinados às clássicas poltronas Charles Eames (também com pufe) e Swan, de Arne Jacobsen, compradas na Inside. No ambiente, ainda sofá da ZIG-ZAG, luminárias KWA Materiais Elétricos e cortinas da Manjabosco Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
Interligada ao jantar, a sala de estar tem mantido o laminado Durafloor. A marcenaria foi executada pela Eterna Móveis, sob projeto do Urbana Arquitetura - que também é responsável pelos interiores do apê em Porto Alegre (RS). Os pufes usam tecidos Casa Rima e são combinados às clássicas poltronas Charles Eames (também com pufe) e Swan, de Arne Jacobsen, compradas na Inside. No ambiente, ainda sofá da ZIG-ZAG, luminárias KWA Materiais Elétricos e cortinas da Manjabosco Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
Interligada ao jantar, a sala de estar tem mantido o laminado Durafloor. A marcenaria foi executada pela Eterna Móveis, sob projeto do Urbana Arquitetura - que também é responsável pelos interiores do apê em Porto Alegre (RS). Os pufes usam tecidos Casa Rima e são combinados às clássicas poltronas Charles Eames (também com pufe) e Swan, de Arne Jacobsen, compradas na Inside. No ambiente, ainda sofá da ZIG-ZAG, luminárias KWA Materiais Elétricos e cortinas da Manjabosco Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
A sala de jantar do apê em PoA recebeu piso laminado da Durafloor (linha Nature) e aparador executado pela marcenaria Eterna Móveis. Para completar a decoração: cadeira Seven, de Arne Jacobsen - comprada na Inside - bem como a mesa Tulipa, de Eero Saarinen. A luminária Bossinha é da Formaluz Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
A sala de jantar do apê em PoA recebeu piso laminado da Durafloor (linha Nature) e aparador executado pela marcenaria Eterna Móveis. Para completar a decoração: cadeira Seven, de Arne Jacobsen - comprada na Inside - bem como a mesa Tulipa, de Eero Saarinen. A luminária Bossinha é da Formaluz Marcelo Donadussi/ DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Arte UOLMais
A área molhada do boxe da suíte recebeu porcelanato em relevo da Portobello com iluminação especial que ressalta textura da parede. O projeto de interiores do apartamento Putti, em São Paulo, é assinado pelo arquiteto Flávio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
O banheiro tem mosaico feito a partir de recortes de porcelanato em pequenas peças, dispostas alternadamente na horizontal e na vertical. O projeto de interiores do apartamento Putti, em São Paulo, é assinado pelo arquiteto Flávio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
O banheiro da suíte recebeu porcelanato crema act (30 X 90 cm), da Portinari, assentado na horizontal, em combinação com espelho até o teto que visa aumentar a sensação espacial. O projeto de interiores do apê Putti é do arquiteto Flávio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
A cabeceira branca, em gesso acartonado moldado, consiste em faixas horizontais que ampliam o ambiente . A parede de fundo, pintada na cor fendi, sustenta o quadro de Nelson Gebara. Os criados mudos têm desenho do arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
O tampo no banheiro que se liga ao escritório é feito de mármore travertino polido. O grande espelho instalado na parede sobre a bancada aumenta sensação do espaço. O projeto de interiores do apartamento Putti é assinado pelo arquiteto Flávio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
O mobiliário de cozinha em laminado melamínico com puxadores horizontais de alumínio escovado (Marcenaria Guaíra) foi combinado aos eletrodomésticos em aço inox. O projeto de interiores do apartamento Putti é assinado pelo arquiteto Flávio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
O apelo ao contemporâneo no estilo decorativo é representado por diversas obras adquiridas junto à Galeria Almavera. O projeto de interiores é assinado pelo arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
A varanda do apartamento Putti tem churrasqueira e pia de apoio feita com a mesma marcenaria da cozinha (laminado melamínico); os móveis, rústicos, são de fibra de madeira, comprados na Fibra Móveis. Os interiores são assinados por Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
O paisagismo da varanda, com dracena arbórea em cachepô de vidro, dá um toque de natureza ao apê Putti, com 60m². A decoração do arquiteto Flavio Castro previu as pinturas Macaparana (30x30 cm) instaladas na área externa Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Na parde que limita a varanda e o living está a obra de Cris Rocha (30x80 cm), comprada na Galeria Almavera. O arquiteto Flavio Castro, responsável pelos interiores do apartamento Putti, prestou assessoria na escolha das obras de arte e objetos Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
O apartamento Putti tem 60 m² e projeto de interiores assinado pelo arquiteto Flavio Castro. O imóvel foi entregue pela construtora no contrapiso, com louças e metais simples e, depois, repaginado pela troca de 100% de seus revestimentos Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
A mesa de centro "Barata", em madeira e vidro foi escolhida para a composição do ambiente de estar e é produção da Maria Jovem. O projeto de interiores é assinado pelo arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
O painel de madeira de demolição em tábuas, da Assoalhos Monet, é fixado à alvenaria sobre barrotes verticais e permite que a fiação da TV plasma fique escondida. O projeto de interiores do apartamento Putti, em São Paulo, é assinado pelo arquiteto Flávio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
O painel de madeira de demolição em tábuas, da Assoalhos Monet, é fixado à alvenaria sobre barrotes verticais e permite que a fiação da TV plasma fique escondida. O projeto de interiores do apartamento Putti, em São Paulo, é assinado pelo arquiteto Flávio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Reforma do apartamento de 60m² (Putti) - arquiteto Flavio Castro Alessandro Guimarães / DivulgaçãoMais
Demarcada pelo pórtico de MDF com acabamento em nogueira catedral, a sala de jantar recebeu espelhos na parede lateral e também no tampo da mesa. Tanto o pórtico, quanto a mesa foram desenhados por Camila Klein e executados pela marcenaria Beldan. Cadeiras e pufe da Arredatori. Lustre pendente Light Center Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
A área de serviço ficou clara e arejada com piso, paredes e mobiliário brancos. Apenas o tampo da bancada é de granito preto, que contrasta e dá beleza ao ambiente. Trabalho de interiores de Camila Klein para um apartamento na zona sul de São Paulo Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
Os criado-mudos foram projetados por Camila Klein e executados pela Marcenaria Beldan. As peças receberam acabamento texturizado que confere à peça um toque de tecido (Masisa). Luminária pendente com haste cromada Light Center Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
No apartamento decorado por Camila Klein, living e home theater são separados pela tela double screen (Studio Rivera). O pórtico de madeira sobre a mesa de jantar culmina em uma parede transformada em adega. Complementam o espaço o tapete bloucle (Fio & Arte) e as banquetas Barcelona com revestimento de couro sintético (Arredatori) Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
Tons claros e superfícies polidas fazem o banheiro parecer mais espaçoso e iluminado. Para a bancada, a arquiteta Camila Klein, responsável pelo projeto de interiores, especificou acabamento de mármore Espírito Santo Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
A preocupação da arquiteta Camila Klein ao idealizar o projeto de interiores do apartamento foi dar leveza ao nicho para notebook localizado no canto do quarto. Daí as prateleiras de vidro e o espelho na porta do armário. O espaço é complementado pelo pufe de sarja branco (Arredatori). Lustre Light Center Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
No apartamento de 75 m² as áreas sociais foram privilegiadas. As salas de jantar, estar e cozinha foram integradas. Na parte íntima encontra-se uma suíte que, além do banheiro, conta com um pequeno home office implantado em um nicho ao lado do guarda-roupas Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
Na suíte do casal, o piso é de madeira na cor amendoim (Scandian, fornecido pelo Grupo Forte). A cabeceira de 2,5 m por 2,30 m foi revestida com couro pespontado (Mônica Begatelli). A cortina de voil off-white foi instalada em trilho suíço, também da Mônica Begatelli. Tapete Boucle Macadania (Fio & Arte). Rack e criados-mudos projetados por Camila Klein e executados pela Marcenaria Beldan com acabamento texturizado (Masisa) Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
No home theater, a arquiteta Camila Klein, responsável pelo projeto de interiores do apartamento de 75 m² na zona sul de São Paulo, tirou partido de diferentes texturas para transmitir a sensação de aconchego. O sofá em chenille velutê (Arredatori) se destaca pela lateral transformada em uma mesa com tampo espelhado. Rack e nichos de MDF com acabamento em nogueira catedral (Marcenaria Beldan). Cortina de voil, tapete bouclé cotton e xale (Fio & Arte) Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
Na sala de jantar, destacam-se a mesa para seis pessoas, a adega e o pórtico de MDF com acabamento em nogueira catedral (projeto de Camila Klein e execução da Marcenaria Beldan). Transparentes e sem braços, as cadeiras são de polipropileno. Já o pufe para duas pessoas tem base cromada e revestimento de kourissimo branco, ambos da Arredatori Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
Na cozinha, a bancada é de granito preto são gabriel. No piso, o porcelanato polido Diamante (da Portinari) confere maior amplitude ao ambiente. Trabalho de interiores da arquiteta Camila Klein para um apartamento de 75 m² Bruno Barriguelli/DivulgaçãoMais
O mesmo tom petróleo aparece nas paredes do banheiro da suíte, em contraste com as louças brancas Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
O espaço do estar em estilo contemporâneo tem apenas o necessário: sofá de camurça roxa, tapete neutro da Leroy Merlin, mesinha lateral Saarinen e cadeira desenhada por Juliana Llussa. Destaque para a cortina branca em gaze de linho que separa o ambiente do home-office. A luminária é da Reka Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
Encostada no pilar central, a mesa de jantar fica junto à cozinha, facilitando a rotina. Mesa e cadeiras de Fernando Jaeger Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
Com armários em freijó, a cozinha possui grande bancada que embute os eletrodomésticos Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
A iluminação embutida na parte superior dos armários em freijó destaca a pintura da parede em tom de cinza chumbo Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
De grande efeito cenográfico, as cortinas se destacam nesse espaço. Em veludo cotelê marrom, fazem o fechamento do closet e, em gaze de linho branca, pendem sobre a janela do ambiente, também utilizado como home-office. Iluminação pontual da Reka Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
Detalhe do jogo de cortinas de efeito dramático junto à viga de concreto aparente. Piso em placas cimentícias da Solarium Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
Contíguo à área de serviço e à cozinha, o lavabo recebeu pintura em tom mostarda Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
Livros e objetos decorativos variados, incluindo a coleção de toy art, estão expostos na estante aramada do living Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
A parede pintada na cor petróleo, da Suvinil, concede suavidade ao dormitório do advogado, que tem criado-mudo antigo e luminária da Reka Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
Ao ser recolhida, a cortina permite a integração do home-office ao estar e compõe elegante efeito junto ao sofá. Mesa de trabalho da Tok&Stok Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
As cortinas brancas e a luz indireta da luminária Reka criam uma atmosfera suave para o estar, que possui bancada horizontal para guardar CDs e DVDs Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
Planta original do apartamento. As paredes que compartimentavam os ambientes foram derrubadas para ampliar e integrar os espaços Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
Planta da reforma: foram mantidas apenas a parede que isola a suíte e uma parte da parede que separava a cozinha, hoje integrada ao estar Fernanda Petelinkar / DivulgaçãoMais
Loft de 100 m² no Morumbi, em São Paulo, reformado e decorado pelo arquiteto Diego Revollo Alain Brugier/DivulgaçãoMais
Loft projetado por Ana Bartira Brancante em Pinheiros, São Paulo Adriana Barbosa/DivulgaçãoMais
Estúdio do edifício Option, em São Paulo. O projeto de interiores foi desenvolvido pelo escritório FGMF Fran Parente/DivulgaçãoMais
No banheiro do casal, paredes revestidas com mosaico de vidro da Vidrotil, tampo da bancada e piso em mármore branco Thassus e louças da Deca. Bastante práticos, os gabinetes sob a bancada, desenhados por Oscar Mikail, podem ser facilmente deslocados graças à utilização de rodízios João Ribeiro / DivulgaçãoMais
O formato irregular do quarto não permitia o uso de criados-mudos convencionais, assim, mesas laterais foram desenhadas por Oscar Mikail, e executadas em madeira laqueada de branco João Ribeiro / DivulgaçãoMais
Para ter o sofá em L, Oscar Mikail fechou parcialmente um dos acessos à varanda, deixando uma janela que recebeu moldura de madeira com acabamento de laca branca na qual foi embutida a cortina Silhouette, da Luxaflex João Ribeiro / DivulgaçãoMais
Vista a partir do ambiente de jantar mostra o estar e a cozinha americana e, ao fundo, a porta de acesso à suíte principal. A combinação de tonalidades neutras confere sofisticação ao conjunto João Ribeiro / DivulgaçãoMais
Detalhe do pufe de couro branco usado como mesa de centro. Os objetos são da Cecília Dale João Ribeiro / DivulgaçãoMais
Vista geral do living, com piso revestido de porcelanato da Portobello e iluminação da La Lampe João Ribeiro / DivulgaçãoMais
Vista do jantar a partir da porta de entrada. O projeto de interiores proporcionou ao apartamento compacto espaço para uma mesa (da Artefacto) com seis lugares. As cadeiras de madeira e fibra natural são da Breton. Ao fundo, o móvel do home theater, desenhado por Oscar Mikail João Ribeiro / DivulgaçãoMais
Na suíte principal repetem-se os tons neutros usados nas outras áreas do apartamento. As mesas laterais de madeira com acabamento de laca branca foram desenhadas pelo arquiteto. Na parede lateral, uma bancada de trabalho João Ribeiro / DivulgaçãoMais
A TV fica embutida em painel de aço inox desenhado pelo decorador. O rack que acomoda os equipamentos de áudio e vídeo também foi desenhado por Mikail e executado em marcenaria com acabamento de laca branca. Cortinas da Luxaflex e objetos de Cecília Dale João Ribeiro / DivulgaçãoMais
A pequena cozinha americana é completa com fogão cooktop, coifa, geladeira e armários João Ribeiro / DivulgaçãoMais
No banheiro do casal, paredes revestidas com mosaico de vidro da Vidrotil, tampo da bancada e piso em mármore branco Thassus e louças da Deca. Bastante práticos, os gabinetes sob a bancada, desenhados por Oscar Mikail, podem ser facilmente deslocados graças à utilização de rodízios João Ribeiro / DivulgaçãoMais
Na segunda suíte, closet com portas de vidro (à esquerda) e a mesma combinação harmônica de cores neutras que confere elegância ao espaço João Ribeiro / DivulgaçãoMais
A cozinha do tipo americana tem bancada de Corian (da Dupont) e armários com gavetas providas de organizadores. Os eletrodomésticos são da Bosch, a coifa é da Falmec, e as cubas e torneiras são da Deca João Ribeiro / DivulgaçãoMais
Vista do jantar a partir da cozinha americana. O projeto de interiores proporcionou ao apartamento compacto espaço para uma mesa (da Artefacto) com seis lugares. As cadeiras de madeira e fibra natural são da Breton João Ribeiro / DivulgaçãoMais
Na suíte principal repetem-se os tons neutros usados nas outras áreas do apartamento. As mesas laterais de madeira com acabamento de laca branca foram desenhadas pelo arquiteto João Ribeiro / DivulgaçãoMais
A foto mostra o estar, a cozinha americana e, ao fundo, a porta de acesso à suíte principal. A combinação de tonalidades neutras confere sofisticação ao conjunto João Ribeiro / DivulgaçãoMais
No quarto de casal, o espelho na porta do armário Florense amplia o espaço e multiplica a luz natural Tony Cunha / DivulgaçãoMais
Na cozinha, a bancada que sai do armário pode ser usada para pequenas refeições e também como área de trabalho Tony Cunha / DivulgaçãoMais
Na sala de jantar, dois truques que ajudam a driblar a falta de espaço: o espelho na parede do fundo, que aumenta a sala e multiplica a luz, e a marcenaria, que criou armário e prateleiras discretos. O pendente da Trust traz um toque de cor. Os móveis são da Grado Tony Cunha / DivulgaçãoMais
Ligado com a varanda e com a sala de jantar, o living ficou mais espaçoso e confortável Tony Cunha / DivulgaçãoMais
Os adesivos da Coisas da Dóris aplicados na parede dão o tom infanto-juvenil ao quarto, que recebeu papel de parede lavável Tony Cunha / DivulgaçãoMais
Detalhe do adesivo aplicado na cozinha Tony Cunha / DivulgaçãoMais
O sofá de dois lugares e outra poltrona Swan, com forração estampada, compõem o estar. Como apoio, mesas laterais recolhíveis (da Grado) e de centro espelhada. Na parede do hall, adesivo da Coisas da Dóris revela a porta de entrada Tony Cunha / DivulgaçãoMais
O segundo quarto foi idealizado para pré-adolescentes. Aqui, o cortineiro de gesso libera nas laterais um vão para as prateleiras da Florense. A iluminação estratégica no nicho contribui para a luz difusa Tony Cunha / DivulgaçãoMais
No banheiro, os destaques ficam por conta da cuba embutida na bancada e na iluminação atrás do espelho, embutida em uma caixa de gesso. O toalheiro também foi disposto de forma a ganhar espaço Tony Cunha / DivulgaçãoMais
Na sala de TV, a cortina romana impede totalmente a entrada de claridade quando preciso, e o trabalho em marcenaria trouxe funcionalidade ao espaço Tony Cunha / DivulgaçãoMais
A sala de TV tem poltronas giratórias Swan (design de Arne Jacobsen) e pode ser isolada dos outros ambientes pelos painéis de vidro. Móvel e bancada da Florense abrigam a TV e a área de trabalho. Para quebrar a neutralidade, a parede recebeu adesivos com letras de vários tamanhos. A luz focada, embutida no forro, clareia os equipamentos Tony Cunha / DivulgaçãoMais
No banheiro, os destaques ficam por conta da cuba embutida na bancada e na iluminação atrás do espelho, embutida na caixa de gesso. O toalheiro também foi disposto de forma a ganhar espaço Tony Cunha / DivulgaçãoMais
O quarto do casal foi o único local que recebeu quadros na parede. No reflexo do espelho é possível ver um adesivo Tony Cunha / DivulgaçãoMais
A cozinha planejada Florense, disposta em linha, embute fogão, pia e abriga a geladeira. Um painel de vidro fosco separa-a do serviço Tony Cunha / DivulgaçãoMais
Os adesivos da Coisas da Dóris aplicados na parede dão o tom infanto-juvenil ao quarto, que recebeu papel de parede lavável Tony Cunha / DivulgaçãoMais
No quarto de casal, o espelho na parede e na porta do armário amplia e multiplica a luz natural. Sobre a cama da Tok&Stok, o painel em MDF faz o papel de cabeceira Tony Cunha / DivulgaçãoMais
Ao lado da cama, o projeto inclui uma bancada de trabalho com prateleiras, beneficiando-se da luz natural proveniente do pequeno terraço Tony Cunha / DivulgaçãoMais
A varanda dotada de pia e churrasqueira comporta mesa para refeições Tony Cunha / DivulgaçãoMais
Com os painéis de vidro abertos, a sala de TV fica integrada ao estar, ampliando a área do living Tony Cunha / DivulgaçãoMais
Quando abertas, as portas de correr do escritório ampliam os espaços de convivência. As portas de vidro do escritório, do closet e da lavanderia foram fornecidas por Grando & Oliveira Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
O escritório pode servir de quarto de hóspedes e, com mudanças mínimas, poderá ser transformado em quarto do bebê. As várias coleções dos proprietários, de revistas, brinquedos antigos, bolsas e bijuterias foram usadas como decoração pelas arquitetas Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
A planta convencional, compartimentada, proposta no projeto da construtora não atendia ao estilo de vida do casal, que deu total liberdade às arquitetas para explorar materiais e soluções técnicas. As luminárias são do Laboratório da Luz, e as pendentes pretas da KWA Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
O projeto luminotécnico criou ambientes cenográficos e reforçou pontos conceituais do projeto Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
Revistas de arte da coleção do casal de proprietários foram usadas como pé da mesa de trabalho. Para dar firmeza à pilha, as revistas precisaram ser perfuradas (pela PontGraf) para a passagem de elemento estrutural (da ClipMetal) que efetivamente suporta o tampo da mesa Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
A planta convencional, compartimentada, proposta no projeto da construtora não atendia ao estilo de vida do casal, que deu total liberdade às arquitetas para explorar materiais e soluções técnicas. As luminárias são do Laboratório da Luz, e as pendentes pretas da KWA Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
A estante G, projetada pela equipe da Urbana Arquitetura, foi executada pelo marceneiro Rudi Schwingel, da Espaço MD, e foi feita de maneira a prescindir de apoio. É constituída de esqueleto metálico, revestido de MDF nas partes retas, e compensado nas curvas. Recebeu pintura microtexturizada laranja. Os pufes da estante são da G.O. Decorações Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
Na entrada, onde a planta original previa a colocação de um armário, as arquitetas projetaram as prateleiras da biblioteca (executadas pela Evviva), presas diretamente na parede de alvenaria Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
Para a cozinha, foi desenhada uma bancada especial amarela que reúne mesa (em posição enviesada, para facilitar a circulação), e o balcão, onde foi embutido o fogão do tipo cooktop. Na parte de baixo do balcão foi instalado um armário com a frente de vidro voltada para sala. Uma película que não retém gordura dá o efeito jateado ao material. A churrasqueira foi mantida no local. O piso ganhou revestimento cerâmico preto e branco da Terra de Fogo, fornecido pela Villa da Cor Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
Os ambientes da sala, escritório e dormitório receberam piso laminado padrão Amêndola Curaçao, da linha Home da Durafloor. Destaque para a estante G, projetada pela equipe da Urbana Arquitetura e executada por Rudi Schwingel, da Espaço MD Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
O banheiro da suíte tem cuba Deca Trio na cor preta, torneira Deca Axis e ducha da Elevato. O vidro do box é da Vidroarte e os puxadores pertencem à linha Quadra, da Altero. No piso foi aplicada cerâmica da série Ônix Polido, da Portinari, o box recebeu revestimento da linha White Plain Matte, da mesma marca Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
No banheiro social, a iluminação interna da pia de acrílico desafia as limitações do material. O desenho das arquitetas foi executada pela Resultado Final. Espelho da Sigallis Vidraçaria, puxadores das linhas Piana e Quadra da Altero; piso e azulejos da linha Metrópole Petra Damasco, da Portinari Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
No primeiro plano, a mesa de jantar cujo tampo lembra um disco de vinil. Ao fundo, separando a lavanderia do espaço de jantar, a caixa de gesso pintada de esmalte sintético fosco preto da Suvinil, usada como lousa para brincadeiras e recados Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
A suíte do casal com closet. O espaço foi milimetricamente aproveitado Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
Apartamento em Porto Alegre reformado por Urbana Arquitetura Eduardo Aigner / DivulgaçãoMais
Sala de Estar do apartamento do designer Marcel Steiner Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
A mesa de centro modernista pode ser encontrada em muitas lojas que comercializam esse estilo de mobília. Do lado direito do sofá, a mesinha é um tripé dos anos 1940 com tampo de vidro, da Patrimônio Antiguidades Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
Ao lado do sofá e próxima à janela, cômoda do Etna. A almofadinha azul sobre o sofá foi feita com um pano de prato assinado pelo designer Jonathan Adler. Comprado em uma viagem, custou US$ 10. "Como não secava bem os pratos, mandei fazer a almofada. Se eu comprasse uma pronta assinada por ele, custaria US$ 250", conta o designer Marcel Steiner Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
Na cozinha, parede e gabinete pretos. Sobre a janela, prateleiras industriais da Metal Stock para organizar louças, panelas e talheres. A bancada de concreto tem 2 m (largura) por 70 cm (profundidade). O tampo é mais fundo para que a pia sirva para apoiar eletrodomésticos e ainda sobrar espaço para preparar alimentos Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
O sofá da sala é um modelo clássico, de linhas retas, trazido da casa dos pais do designer Marcel Steiner e forrado com sarja peletizada cinza. O tapete de nós sintéticos é um modelo Shaggy da By Kamy Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
O canto reservado para a sala de jantar tem estantes comumente usadas em escritórios e até depósitos. Na parede, uma cabeça de veado feita de papelão, comprada nos Estados Unidos. No Brasil, é possível encontrar a peça na Artefacto Beach & Country. Sobre o aparador, uma bandeja com garrafas e uma luminária acrílica da Vírgula Ovo. A mesa Nogushi, da Tok & Stok, é complementada por cadeiras Bertoia Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
Na cozinha, parede e gabinete pretos. Sobre a janela, prateleiras industriais da Metal Stock para organizar louças, panelas e talheres. A bancada de concreto tem 2 m (largura) por 70 cm (profundidade). O tampo é mais fundo para que a pia sirva para apoiar eletrodomésticos e ainda sobrar espaço para preparar alimentos. Um abajur branco do Etna decora o móvel metálico que funciona como despensa Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
No piso superior, onde fica a suíte de 23 m², o piso também é de cimento queimado. O designer Marcel Steiner optou por não usar guarda-corpo (uma grade de proteção para o mezanino). "A a mim não incomoda, mas as visitas ficam aflitas, por isso vou instalar em breve", diz Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
As paredes da suíte são pintadas de branco, exceto a que fica atrás da cama, que é preta. Marcel explica que escolheu essa cor para trazer aconchego ao ambiente e dar um acabamento à cama, que não possui cabeceira Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
As paredes da suíte são pintadas de branco, exceto a que fica atrás da cama, que é preta. Marcel explica que escolheu essa cor para trazer aconchego ao ambiente e dar um acabamento à cama, que não possui cabeceira Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
Na cozinha, parede e gabinete pretos. Sobre a janela, prateleiras industriais da Metal Stock para organizar louças, panelas e talheres. A bancada de concreto tem 2 m (largura) por 70 cm (profundidade). O tampo é mais fundo para que a pia sirva para apoiar eletrodomésticos e ainda sobrar espaço para preparar alimentos Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
Para combinar com o piso de cimento queimado de todo o apartamento, a escada e o teto foram restaurados. Feitos em concreto, ambos estavam pintados e precisaram de um especialista para voltar ao estado original, sem acabamento Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
O canto reservado para a sala de jantar tem estantes comumente usadas em escritórios e até depósitos. Na parede, uma cabeça de veado feita de papelão, comprada nos Estados Unidos. No Brasil, é possível encontrar a peça na Artefacto Beach & Country. Sobre o aparador, uma bandeja com garrafas e uma luminária acrílica da Vírgula Ovo. A mesa Nogushi, da Tok & Stok, é complementada por cadeiras Bertoia Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
O canto reservado para a sala de jantar tem estantes comumente usadas em escritórios e até depósitos. Na parede, uma cabeça de veado feita de papelão, comprada nos Estados Unidos. No Brasil, é possível encontrar a peça na Artefacto Beach & Country. Sobre o aparador, uma bandeja com garrafas e uma luminária acrílica da Ovo. A mesa Nogushi, da Tok & Stok, é complementada por cadeiras Bertoia Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
O sofá da sala do designer Marcel Steiner é um modelo clássico, de linhas retas, trazido da casa dos pais dele. O móvel foi forrado com sarja peletizada cinza. O tapete de nós sintéticos é um modelo Shaggy da By Kamy. À esquerda na foto, cadeira preta Charles Eames original, comprada em um bazar promovido por uma família que estava de mudança Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
No banheiro de 4 m², pastilhas Jatobá brancas de 2 cm por 2 cm revestem o piso e as paredes do box. Nas demais paredes, pintura acrílica branca fosca. A bancada é de concreto, com cuba redonda de semi-encaixe. Usando uma dessas, é possível fazer a bancada mais estreita e economizar espaço em cômodos pequenos Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
O luminoso feito pelo artista plástico francês Stéfhane Malysse fica sobre a grande janela que ilumina os dois andares do apartamento. No centro da foto, poltrona preta do designer Fernando Jaeger Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
Da cama, é possível ver um luminoso feito pelo artista plástico francês Stéfhane Malysse. A peça é feita de lâmpada fluorescente convencional e pintada com tinta de vitral vermelha Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
Na suíte, guarda-roupas da Tribes preto. A cadeira foi trazida da varanda da casa dos pais de Marcel Steiner, designer que mora no apartamento de 55 m² Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
Para fazer o criado-mudo (à dir.), duas pequenas caixas d'água dos anos 70 foram pintadas com esmalte sintético branco brilhante e sobrepostas Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
Para acessar o closet instalado na suíte, uma porta preta de chapa metálica pintada. Do lado esquerdo, a porta que dá acesso ao banheiro Fernanda Petelinkar/DivulgaçãoMais
A arquiteta Cristina Bezamat criou um cômodo espaço para leitura e estudo Reprodução/Casa e CiaMais
O módulo revestido de madeira é a solução mais ousada aplicada no apartamento. As escada que levam à cama são, na verdade, gavetas. Sob o quarto há um closet. Nas parede lateral aos degraus e sobre a cama, mais armários Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
O espaço da cama é confortável, conta com armários, criado mudo e luz natural Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Vista do ambiente de estar e escritório do apartamento de 46 m² no East Village, em Nova York. A bancada com gabinetes oferece um confortável espaço de trabalho; o sofá contorna a porção oposta da sala e completa o retângulo formado em parte pela bancada e móvel da TV e som, estratégia que confere equilíbrio à ambientação Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Vista do estar e área de trabalho a partir do dormitório. A disposição do mobiliário define o espaço do living, diferenciando-o do restante do apartamento Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Detalhe do ambiente de trabalho. A bancada desenhada especialmente tem ênfase na ergonomia Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Detalhe do ambiente de trabalho. A bancada desenhada especialmente tem ênfase na ergonomia Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Vista do dormitório, com armários, aparador, TV e luz natural Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Embora pequena, a cozinha ficou bastante confortável e funcional, com lugar para todos equipamentos Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
O corredor de entrada passa pelo módulo e chega à sala de estar e trabalho no fundo. A primeira porta à esquerda é do banheiro Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Os armários da cozinha fazem parte do módulo que ainda abriga o closet, o quarto e o banheiro Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Detalhe do gaveteiro que compõe o lance de degraus. A pisada é robusta e firme; a gaveta forma o espelho do degrau e se encaixa na estrutura da escada Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
A foto mostra o acesso ao dormitório, instalado no módulo que ainda acomoda o closet, a cozinha e o banheiro, além de armários Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Vista do estar e área de trabalho. A disposição do mobiliário define o espaço do living, diferenciando-o do restante do apartamento Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
No banheiro foram empregados as mesmas diretrizes de projeto: revestimentos de cores neutras, madeira clara e um eficiente sistema de iluminação para compensar a falta de luz natural Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Detalhe do box. Os arquitetos especificaram revestimento cerâmico de dimensões pequenas para ampliar o ambiente Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Uma paleta de cores mais sóbria e muitos armários tornaram o apartamento de 46 m² de Michael Pozner, executivo que trabalha em casa, um lugar organizado. A parede atrás da escrivaninha tem peças altas de acabamento brilhante que contribuem para ampliar o espaço Frank Oudeman e Sean Karns / DivulgaçãoMais
Planta do apartamento do internauta Ivan Dobau Costa Arquivo pessoalMais
Aqui a arquiteta brincou com as transparências permitindo que o boxe fique visível a partir do estar/dormitório. Quando a cortina da janela ao fundo está aberta, também é um meio de levar luz natural para o interior do apartamento Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
Escondidos pela cortina, o nicho em MDF com acabamento de pintura Gofrato preto, da Celmar, e a cadeira Series 7, do designer Arne Jacobsen, comercializada pela Artesian, formam um pequeno home office. O armário que complementa é usado pelas filhas do proprietário. Desse lado fica o lavatório apoiado na bancada em Limestone, encostada no vidro do boxe, onde está fixado o espelho Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
Do boxe com chuveiro da Deca, o proprietário tem visão do home office e do estar Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
A pequena cozinha foi disposta em uma parede e se separa do serviço pela porta de correr ao fundo. Os armários em laminado melamínico, da Celmar, embutem poucos e primordiais eletrodomésticos, visto que o proprietário pouco para em casa. A bancada em Limestone da Montblanc dá praticidade ao ambiente. Ao lado da pia, Adorno incluiu uma mesa para refeições rápidas Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
Econômica e criativa, a cortina de sarja comprada na 25 de Março, rua paulistana famosa por suas ofertas, foi a solução para proporcionar maior privacidade ao banheiro e vedar a janela. Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
Paredes abaixo, o apartamento virou um grande salão, dividido apenas pelo móvel giratório. A área de estar é demarcada pelo tapete aconchegante que recobre o piso de pedras cimentícias da Castelatto, material aplicado no apartamento inteiro. O forro de gesso também foi previsto para dar unidade ao ambiente, além de facilitar a iluminação Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
O tom amadeirado da folha de nogueira linheiro aplicada ao móvel de MDF (onde a TV e o home theater estão embutidos) confere o ar masculino ao ambiente, reforçado pelos tons de cinza do revestimento do sofá e das listras pintadas na parede Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
Para transformar a sala em quarto, basta abaixar a cama e puxar as duas portas que viram mesa de apoio Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
O projeto aproveitou o vão atrás do móvel da cama para colocar os armários do closet, bem iluminado pela luz do sol que entra pelas janelas. Madeira (cumaru) foi aplicada no piso do corredor para aquecer o espaço Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
A pequena cozinha foi disposta em uma parede e se separa do serviço pela porta de correr ao fundo. Os armários em laminado BP da Celmar embutem poucos e primordiais eletrodomésticos, uma vez que o proprietário para pouco em casa. A bancada em Limestone da Montblanc dá praticidade ao ambiente. Ao lado da pia, Adorno incluiu uma mesa para pequenas refeições. Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
Quando a cama está recolhida, a poltrona fica disposta no centro, formando um ambiente de estar em conjunto com o sofá Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
Nos momentos de diversão a poltrona e o sofá são usados para ver TV. Repare que, por ser giratório, o móvel pode ser direcionado para qualquer lado Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
O branco que predomina nas paredes, piso e móveis faz sobressair o amadeirado do móvel da TV Romulo Fialdini / DivulgaçãoMais
Planta de apartamento de 50 m² com design de interiores de Regina Adorno Arte UOLMais
No segundo pavimento, os dois quartos dividem um banheiro ReproduçãoMais
A garagem fica meio nível abaixo do perfil do terreno para evitar que a construção ultrapassasse os 6 m de altura impostos pela legislação ReproduçãoMais
A planta do primeiro pavimento evidencia, do lado direito, a escada externa que dá acesso à casa. Logo no piso de chegada, há um lavabo. No centro, a sala de estar integrada à de jantar; na cozinha, uma porta dá acesso à área de serviço ReproduçãoMais
A garagem com vaga para um carro e ainda um depósito elevam o pavimento do ambiente de estar do nível da rua. O quarto da frente, no piso superior, possui varanda com guarda-corpo de vidro Bebete Viegas/UOLMais
As casas do conjunto são geminadas e os primeiros estudos para essa construção foram iniciados em fevereiro de 2007. Três meses depois, o projeto executivo estava pronto e, assim, em poucos dias, a obra foi inciada Bebete Viegas/UOLMais
Feita a partir da porta de entrada, a foto mostra o ambiente de estar, nesse caso integrado à cozinha, de onde parte da escada que conduz ao piso superior DivulgaçãoMais
Em um terreno de 1011m² no bairro de Brasilândia, na zona norte de São Paulo, Yuri Vital construiu casas de 47 m² com garagem privativa e arquitetura de qualidade Bebete Viegas/UOLMais
Os ambientes de cada casa foram pensados para dar conforto e mobilidade aos moradores; embora a construção seja de baixo custo, a ergonomia não foi abandonada Bebete Viegas/UOLMais
Para não ultrapassar o limite de 6 m de altura estabelecido pela prefeitura, o arquiteto idealizou um meio nível abaixo do perfil do terreno para comportar garagem e depósito; o primeiro pavimento, com sala, lavabo, cozinha e área de serviço, encontra-se a apenas meio nível acima. No pavimento superior, estão os dois quartos, um deles com varanda, e um banheiro Bebete Viegas/UOLMais
O partido adotado por Vital para esse projeto foi a simplicidade. O arquiteto fez uso da tecnologia do bloco estrutural, o que gerou, segundo ele, uma economia de aproximadamente 30% em relação à alvenaria convencional, sistema que exigiria a execução da estrutura de pilares e vigas Bebete Viegas/DivulgaçãoMais
O conjunto residencial Box House, do arquiteto Yuri Vital, chama a atenção de quem passa pelo bairro de Brasilândia, na zona norte de São Paulo. As 17 casas do empreendimento de baixo custo parecem caixas bem estruturadas, com 47 m² cada uma Bebete Viegas/UOLMais
No piso térreo de cada casa localiza-se um depósito e a garagem, construídos um meio nível abaixo do perfil do terreno para manter o gabarito de 6 m de altura imposto pela prefeitura DivulgaçãoMais
Vista do quarto principal, situado na parte frontal do pavimento superior das casas. As esquadrias de alumínio são da Ebel DivulgaçãoMais
Vista da janela de uma das casas do conjunto residencial, localizado no bairro de Brasilândia, em São Paulo. Com esse projeto, Vital foi um vencedores na categoria "Habitação de Interesse Social" do Prêmio IAB 2008, conferido pelo Instituto de Arquitetos do Brasil Bebete Viegas/UOLMais
O projeto contempla uma rua interna que liga as unidades habitacionais do condomínio, proporcionando um eixo de grande visibilidade para o exterior Bebete Viegas/UOLMais
A proposta do arquiteto era criar habitação de baixo custo com projeto digno, criar algo inovador e ampliar as fronteiras desse tipo de obra. Um dos recursos para isso foi o exaustivo detalhamento do projeto. "Uma obra bem detalhada torna-se econômica durante sua execução. Neste projeto, até mesmo as pingadeiras estão detalhadas", revela Yuri Vital Bebete Viegas/UOLMais
O projeto foi pensado para pessoas das classes C e D em diferentes fases da vida, como jovens solteiros, recém-casados, casais com filhos, casais de meia idade. Por ser um projeto popular, as unidades foram vendidas no Feirão da Caixa de 2008 por R$ 90 mil. Hoje o valor de cada casa gira em torno de R$ 135 mil Bebete Viegas/UOLMais