Modelo de arma feito em impressora 3D é baixado 100 mil vezes em dois dias, diz site

Do UOL, em São Paulo

  • Efe

    Imagem da arma Liberator, feita em impressora 3D, disponibilizada pelo site Defense Distributed

    Imagem da arma Liberator, feita em impressora 3D, disponibilizada pelo site Defense Distributed

O desenho da Liberator, modelo de arma feita em impressora 3D, já foi baixado 100 mil vezes em dois dias, quando foi disponibilizada online. A informação foi passada pelo Defense Distributed, site que permite o download de desenhos 3D de armas, para a versão eletrônica da revista "Forbes" nesta quinta-feira (9).

Os responsáveis pelo Defense Distributed disseram ter ficado surpresos com a alta procura dos modelos. A organização informou que os países que mais baixaram o modelo 3D de arma foram: Estados Unidos, Espanha, Brasil, Alemanha e Reino Unido. Apesar da procura, é necessário ter uma impressora 3D para poder produzir a arma.

Segundo autoridades da área de segurança, um dos problemas da arma feita em impressora 3D é o fato de ela ser produzida com plástico – o único item de metal da arma é o percutor (peça que ocasiona a faísca para a explosão da pólvora). Desta forma, ficaria mais difícil de barrar este tipo de objeto em detectores de metal.

O Defense Distributed se define como uma alternativa de página de download de desenhos 3D. Segundo a organização, sites tradicionais com modelos 3D (como Thingiverse) censuram os desenhos de armas de fogo.

Impressora 3D vendida no Brasil permite criar objetos em casa

Demorou cerca de oito meses para o Defense Distributed produzir a Liberator, que foi fabricada por meio da montagem de diferentes peças feitas em uma impressora 3D. Apesar de não haver uma legislação específica sobre ter acesso a moldes de armas de fogo, portar uma no Brasil exige cadastro no Sinarm (Sistema Nacional de Armas).

Nos Estados Unidos, alguns políticos já planejam projetos de lei para proibir a fabricação de armas 3D ou que tentam estabelecer meios de tornar esses itens identificáveis em detectores.

(Com Forbes e BBC)


Últimas notícias Ver mais notícias