12 lugares para você visitar no Canadá

Colaboração para o BOL

Conhecido como o Gigante Branco do Norte, o Canadá é o segundo maior país em extensão territorial do mundo, perdendo apenas para a Rússia. São 9,98 milhões de km² da terra das marmotas contra os 17 milhões de km² da anfitriã da Copa do Mundo de 2018. Esse tamanho todo faz o país extremamente variado em sua geografia, biomas e cultura. Quem visitar as doze províncias canadenses pode perder a vista nas imensas cataratas no Sul e perder o fôlego com os espetáculos das auroras boreais no Norte. Pode acordar falando inglês, dormir falando francês e, quem sabe, se aventurar no inuit, a língua dos esquimós.

Reprodução/Canadian Architect
Reprodução/Canadian Architect

1

Pier 21

Conhecido como a "porta de entrada para o Canadá", esse píer foi um terminal marítimo que funcionou de 1928 a 1971. Construído para receber os refugiados e imigrantes que batiam à porta do país depois da Primeira Guerra Mundial, o Pier 21 recebeu mais de um milhão de pessoas no Canadá. Hoje, funciona no local o Museu Canadense da Imigração, em Halifax, capital da província da Nova Escócia, localizada no leste do país
Reprodução/Elfshot
Reprodução/Elfshot

2

Vila Viking

Por falar em imigração, no Canadá também estão as ruínas do primeiro assentamento europeu em terras americanas. Em L'Anse aux Meadows, um sítio arqueológico no extremo norte da ilha de Terra Nova, na província de Terra Nova e Labrador, leste do país, resquícios de uma vila viking construída por volta do ano 1000 provam que outros marinheiros já atracavam no Novo Mundo muito antes de Cristóvão Colombo. Mas os estrangeiros não tiveram vida fácil com os habitantes originários do lugar: pesquisadores acreditam que a ocupação viking no Canadá foi marcada por violência e vingança entre os navegantes escandinavos e os ancestrais dos esquimós
Reprodução/NASA
Reprodução/NASA

3

Baffin Island, a terra dos esquimós e ursos polares

Já que o assunto é a população pré-colonial do Canadá, precisamos falar dos inuits. Popularmente conhecidos como esquimós, a maioria da população inuit vive no Arquipélago Ártico Canadense, majoritariamente na Ilha de Baffin. Considerada a 5ª maior ilha do mundo, a Baffin é ocupada por humanos há, pelo menos, quatro mil anos. Com montanhas que ultrapassam os dois mil metros e animais como ursos polares, belugas, lobos e raposas-do-ártico, vale a pena visitar a ilha para conhecer a vida selvagem do Ártico e a cultura dos habitantes mais antigos do Canadá
Reprodução/National Geographic
Reprodução/National Geographic

4

Bay of Fundy

Reza a lenda do povo Mi'kmaq que a enorme variação das marés na Baía de Fundy é provocada por uma baleia gigante que se agita na região. A variação entre a maré cheia e a maré baixa chega a 17 metros, fato que consagrou o local no Livro dos Recordes. A diferença entre cheias provoca outros fenômenos ainda mais curiosos: a água do mar invade alguns rios que desaguam na Baía de Fundy com força suficiente para "subir" pequenas quedas d'água ou avançar em ondas no sentido contrário ao fluxo dos rios. Um espetáculo difícil de encontrar fora do Canadá. A Baía de Fundy fica na costa atlântica do Canadá, no extremo nordeste do golfo do Maine, entre as províncias de New Brunswick e Nova Escócia
Reprodução/Hodgsonruss.com
Reprodução/Hodgsonruss.com

5

CN Tower

E para ter uma vaga ideia do tamanho do país, que tal uma vista do alto, mas bem alto mesmo? A CN Tower, ícone incontestável nos céus da cidade de Toronto, tem 553 metros de altura e foi por 32 anos a torre mais alta do mundo, título que perdeu em 2007, para o arranha-céu Burj Khalifa, em Dubai, nos Emirados Árabes. Além da bela vista de Toronto, quem visitar a CN Tower também pode experimentar o 360 Restaurant, um restaurante que literalmente roda ao redor do eixo da torre, completando uma volta a cada 72 minutos
Reprodução/The Canadian Encyclopedia
Reprodução/The Canadian Encyclopedia

6

Museus e galerias de Toronto

Ainda em Toronto, a dica é conferir os museus dessa que é uma das cidades mais multiculturais e cosmopolitas do mundo. O Royal Ontario Museum é o maior museu da cidade, contendo uma coleção de cerca de 6 milhões de objetos relacionados à história canadense, arqueologia, paleontologia, arte aborígene, africana, asiática e europeia. Outra boa pedida é visitar os 45 mil m² da Galeria de Arte de Ontario, o oitavo maior museu de arte da América do Norte
Reprodução/Adventure World NZ
Reprodução/Adventure World NZ

7

Quebec, um país dentro de outro

Quebec é um caso à parte. Desde sua origem, essa que é a maior província canadense reclama sua independência em razão das diferenças históricas, institucionais, culturais e religiosas. Em 1982 o governo provincial exigiu o reconhecimento de Quebec enquanto nação, mas foi ignorado. Em 1995, 50,8% da população de Quebec votou pela continuidade como unidade federativa do Canadá. Tudo isso faz de Quebec um país dentro de outro. Das inúmeras atrações que essa peculiar província oferece vale a pena conferir o centro histórico da cidade de Quebec, além do design e festivais de Montreal
Reprodução/TRVL
Reprodução/TRVL

8

Velha Quebec

A Quebec Vieux (Velha Quebec) é o distrito histórico da antiga ocupação francesa no Canadá. Dividido entre cidade alta e cidade baixa, esse centro histórico conta com fortificações, muralhas, igrejas e castelos dos séculos 17, 18 e 19
Reprodução/DMI
Reprodução/DMI

9

Montreal, a cidade do design

Em 2004 a UNESCO lançou o projeto Cidades Criativas. Em 2006 o potencial criativo de Montreal garantiu sua nomeação entre as Cidades do Design da UNESCO - Brasília e Curitiba também estão na lista. A medida visa transformar essas cidades em polos de referência para o setor. Desde então a cidade promove competições e eventos de design. Para conferir as inovações, a dica é o Salão do Design de Montreal, o SIDIM, evento que acontece uma vez por ano
Reprodução/BizBash
Reprodução/BizBash

10

Festivais para todos os gostos

Montreal também é conhecida como a cidade dos festivais. O maior deles é o tradicional Montreal International Jazz Festival, maior evento do gênero do mundo, onde os principais nomes do jazz contemporâneo se apresentam. Outro festival considerado o maior da sua categoria é o Just For Laughs, de comédia. A cidade ainda conta com importantes festivais de cinema, circo, teatro, música eletrônica, pop e mais dezenas de outros: são mais de 100 festivais por ano!
Reprodução/Booking
Reprodução/Booking

11

Yellowknife, a capital da aurora boreal

Outra vantagem de quem visita o Canadá é poder observar as mágicas luzes da famosa Aurora Boreal. Distante apenas 400 km do círculo polar ártico, Yellowknife é a cidade ideal para quem quer conferir o fenômeno. Única cidade existente nos territórios do noroeste canadense, a localização colada ao polo norte garantiu a Yellowknife a fama de capital da aurora boreal. A melhor época para ver a aurora é entre os meses de novembro e abril
Reprodução/Venga Vale Vamos
Reprodução/Venga Vale Vamos

12

Cataratas do Niágara

Lembra da história do Pica-pau dentro de um barril caindo em uma cachoeira? Então, a história que inspirou o desenho é real, e a cachoeira são as Cataratas do Niágara. Localizada na fronteira entre Estados Unidos e Canadá, a média de 51 metros de altura coloca as cataratas na 25ª posição entre as mais altas do mundo. A altura equivalente a um prédio de 18 andares não impediu a sexagenária Annie Edson Taylor de entrar em um barril e se jogar catarata abaixo em 1901. Annie sobreviveu, mas muitos outros que quiseram imitar o feito acabaram mortos ou com graves ferimentos. As cataratas recebem anualmente cerca de 30 milhões de visitantes. Mas pode esquecer a ideia do barril: descer as cataratas é crime, e quem sobreviver pode acabar na prisão e com uma multa de 10 mil dólares