Um em cada três parlamentares no Congresso responde a processo no STF

do BOL

Este ano, vamos às urnas eleger presidente da República, governadores, senadores, deputados federais e deputados estaduais/ distritais. Isso significa uma potencial mudança no quadro de representantes políticos que temos atualmente em ação.

No dia 20 de dezembro de 2017, o telejornal global "Bom Dia Brasil" divulgou uma reportagem com os deputados ou senadores que respondem a processos no Supremo Tribunal Federal, o que nos dá uma nova perspectiva a respeito de quem está no poder. O BOL separou oito fatos para detalhar melhor e refletir antes das próximas eleições; confira:

Thinkstock
Thinkstock

1

Tipos de crimes

Pelo menos 172 parlamentares são investigados ou réus em processos no Supremo Tribunal Federal, alguns, inclusive, respondendo por mais de um crime. Isso quer dizer que um a cada três parlamentares no Congresso está na mira de investigações. Entre as razões para terem se tornado alvos estão mau uso do dinheiro público ou ações do direito penal, como agressão ou homicídio. Por causa do foro privilegiado, quem assume uma cadeira vê seu caso ir para o STF
Marcio Neves/UOL
Marcio Neves/UOL

2

Deputados

Dos 172 parlamentares respondendo processos, a maior parte corresponde a deputados. Ao todo, são 142 dos 513 deputados, ou seja 28%, envolvidos em casos no Supremo Tribunal Federal
Edilson Rodrigues/Agência Estado
Edilson Rodrigues/Agência Estado

3

Senadores

Já entre os senadores, a porcentagem é ainda maior, uma vez que 30 dos 81 senadores, ou seja 37%, respondem a processos
Lucas Lima/UOL
Lucas Lima/UOL

4

Partidos

Os partidos se repetem entre os senadores e deputados envolvidos nos casos investigados pelo STF, com diferenças em números. Entre os senadores, 8 pertencem ao PMDB, 7, ao PSDB, 5, ao PT, 3, ao PP e 2 ao PSD. Entre os deputados, no entanto, o PP sai na frente com 22 investigados, seguido pelo PT com 21, PSDB com 16, PMDB com 14 e PSD com 11
Lucas Lima/UOL
Lucas Lima/UOL

5

Estados

Nenhum escapa! De acordo com reportagem do "Bom Dia Brasil", todos os Estados têm parlamentares investigados ou réus no Supremo. Entre os deputados e os senadores, especificamente, no entanto, a concentração aparece da seguinte forma: entre os deputados, 18 são de São Paulo, 16, da Bahia, 11, de Minas Gerais, 9, do Rio de Janeiro, 8, de Pernambuco e 8, do Rio Grande do Sul. Já entre os senadores, 3 são de Alagoas, enquanto Acre, Amazonas, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Rondônia possuem dois investigados cada
Daniel Neri/Arte UOL
Daniel Neri/Arte UOL

6

As principais razões das investigações

Os casos, como já vimos, envolvem dinheiro, vantagens e até agressão a pessoas. Entre os crimes que mais aparecem, o mais comum é corrupção passiva, que está presente em 122 investigações, sendo alguns parlamentares citados em mais de uma delas. Já a lavagem de dinheiro é o segundo crime que mais aparece associado a senadores e deputados, com 79 casos no STF. Em terceiro lugar, está o peculato, que consiste na apropriação ou desvio de dinheiro público, com 60 casos
Reprodução/Ag. Câmara/Congresso em Foco
Reprodução/Ag. Câmara/Congresso em Foco

7

O mais visado

Como vimos, no Congresso, a cada três políticos, um responde a processo. Aliás, alguns têm o nome envolvido em mais de um caso. No entanto, o deputado Roberto Góes (PDT-AP), ainda consegue se destacar, sendo alvo de 13 investigações, réu em 10 processos, condenado em três e mantendo-se um dos deputados mais faltosos no serviço
Folhapress
Folhapress

8

E ainda serão reeleitos?

A repulsa do eleitor pode ser o castigo daqueles que ainda não viram na justiça a resposta para seus atos. Vale manter isso em mente para as eleições deste ano, pois enquanto nove senadores ainda têm mais quatro anos de mandato, outros 21 e todos os deputados investigados, se quiserem se manter no poder, precisarão se candidatar