Brasil Online

Busca
Sexta-feira, 22 de NOVEMBRO de 2019

Imprimir

01/08/2007 - 16h57

Com frio, sucuri mata colega com "abraço" no Instituto Vital Brazil no Rio

O Instituto Vital Brazil, em Niterói, região metropolitana do Rio, perdeu no final de semana sua cobra mascote. A sucuri Tieta morreu após ser "abraçada" pela colega de viveiro, a sucuri Rafaela. Com o frio da madrugada de domingo (28), Rafaela se aproximou de Tieta, que morreu asfixiada com o peso da outra cobra.

Segundo o chefe do serpentário do instituto, Cláudio Machado, 42, a cobra Tieta tinha dois metros e meio, enquanto a colega de viveiro tem cinco metros e 90 kg.

"Rafaela está no instituto há 30 anos. É uma estrela. Já participou da abertura de novelas, de séries de televisão. Acreditávamos que Tieta iria substituí-la", afirmou Machado.

Para espantar o frio, as serpentes costumam se aproximar e aglomerar-se, para esquentar o ambiente, de acordo com Machado.

"Com o frio as sucuris ficam letárgicas. Pode ser por isso que Tieta morreu [ficou imóvel embaixo da outra cobra]", disse.

É a primeira vez que esse tipo de acidente ocorre entre sucuris no instituto, segundo o chefe do serpentário. Rafaela já deu outro "abraço" mortal, mas foi em uma jibóia.

Tieta foi doada ao instituto no ano passado. O nome foi escolhido durante um concurso com crianças que visitaram o Centro de Exposição Permanente de Animais Peçonhentos, na entrada do instituto.

Aquecedores

Devido ao frio dos últimos dias, o instituto colocou aquecedores elétricos no serpentário, onde vivem cerca de 450 cobras usadas em pesquisas e na extração de veneno para produção de soros.

Estes animais não têm sistema regulador interno de temperatura do corpo e, tipicamente tropicais, podem ficar doentes se submetidos ao frio por período prolongado.

A espécie mais sensível a isto é a cascavel, que habita áreas secas e áridas. Segundo o chefe do serpentário, a espécie pode pegar pneumonia com o frio.

"Na natureza as cobras procuram ambientes para se esquentar. Mas no serpentário, presas, elas ficam expostas ao frio, ao vento", disse Machado.

As cobras são aglomeradas em três salas onde são colocados os aquecedores, que elevam a temperatura entre 20ºC e 25ºC. Somente as sucuris não recebem o aquecimento artificial porque é criada em um ambiente aberto, fora dos viveiros.

O Rio de Janeiro registrou a menor temperatura mínima do ano nesta terça-feira. Os termômetros marcaram 8,7ºC na madrugada, na estação do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), na Vila Militar (zona oeste do Rio).

Antes, a menor temperatura mínima havia sido registrada na madrugada da segunda-feira (30), quando os termômetros marcaram 9,5ºC na estação do Alto da Boa Vista (zona norte do Rio).

Enquete

Computando seu voto...
Carregando resultado

Total de votos: