Busca BOL

Sábado, 21 de outubro de 2017

BOL Notícias

Dez presos por invadir Hotel Intercontinental prestam depoimento no Rio

Os dez homens presos após troca de tiros em São Conrado e invasão no Hotel Intercontinental na zona sul do Rio, estão prestando depoimento na 15ª DP, na Gávea. Os hóspedes e funcionários que ficaram reféns dos criminosos na manhã deste sábado já foram ouvidos pela polícia.

Veja as fotos da invasão do hotel no Rio
Confronto entre traficantes e policiais cancela campeonato de Showbol no Rio
Após tiroteio, moradores de São Conrado e hóspedes do hotel relatam pânico
Prefeito Eduardo Paes diz que polícia atuou de forma rápida
Confronto entre traficantes e policiais cancela campeonato de Showbol no Rio
Polícia acredita que chefe do tráfico da Rocinha participou do tiroteio no Rio
Cabral elogia ação de PMs em tiroteio e diz que favelas ficarão livres do poder paralelo

Após cerco policial e negociações, Ítalo de Jesus Campos, Victor Gomes Eloi, Davi Gomes de Oliveira, Washington de Jesus Andrade Paz, Vinicius Gomes da Silva, Alan Francisco da Silva, Rogério Avelino da Silva, Dércio Matias da Silva, Jacson Nascimento da Silva, e um adolescente de 16 anos se entregaram por volta das 11h. Dois deles, Ítalo e Rogério, têm mandados de prisão por tráfico.

Ítalo, conhecido como "Perna", seria o segundo homem na hierarquia do tráfico na Rocinha, abaixo apenas de Nem, o chefe da venda de drogas na favela.

Com eles foram apreendidos oito fuzis, cinco pistolas e três granadas. A polícia apreendeu ainda três veículos de passeios, que estão passando por perícia e podem ter sido roubados.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, os traficantes que trocaram tiros com a Polícia Militar estavam voltando de um baile funk e atuam na favela da Rocinha.

TIROS E INVASÃO

A ação criminosa que assustou o Rio nesta manhã começou antes da invasão do hotel, quando traficantes e os policiais do 23º Batalhão da PM, do Leblon, trocaram tiros por volta das 8h30, após a PM encontrar o grupo, armado, passando pelas ruas do bairro. O tiroteio, que durou cerca de 40 minutos, foi intenso, de acordo com os moradores.

A troca de tiros começou em frente a uma concessionária de automóveis, próxima à Rocinha. Os criminosos se dispersaram. Alguns fugiram em direção à favela, outros invadiram os jardins de condomínios na avenida Aquarela do Brasil e seguiram em direção ao Hotel Intercontinental. Diversos carros também foram atingidos.

Os ladrões estavam em dez vans e dez motos. Estima-se que o grupo era formado por cerca de 30 pessoas. Parte invadiu a recepção do hotel e seguiu em direção à cozinha. Lá fizeram 35 pessoas reféns, sendo cinco hóspedes.

O professor de Educação Física Felipe Lopes Pereira, que passava pelo local no momento da ação, contou que foi rendido por seis homens armados em uma van. O grupo entrou em seu carro e o obrigou a levá-lo ao Intercontinental. Ao chegar lá, ele foi obrigado a derrubar a guarita que protege a entrada do hotel.

Cerca de 800 pessoas estavam hospedadas no hotel, metade estrangeiros. Muitos são atletas que disputam hoje cedo uma Meia Maratona. Havia ainda um grupo de dentistas que participava de um congresso no centro de convenções do hotel.

Segundo José Oliveira e Silva, morador de um condomínio nas proximidades do hotel, o tiroteio foi muito intenso. "Parecia que eu estava no Iraque", disse. Outro morador, Ricardo Valladares, disse que viu bandidos encapuzados e armados de fuzis, atravessando os jardins do condomínio onde mora. "Estamos todos apavorados. Não sabemos se há bandidos aqui dentro. Ninguém sai de casa. Estamos trancados", contou.

Após a invasão, outros moradores relataram que viram criminosos transitando pelo bairro, andando na contramão das vias e atirando indiscriminadamente, armados com fuzis e outras armas pesadas. Na rua Aquarela do Brasil e na avenida Prefeito Mendes de Moraes, nas imediações, há vários carros com marcas de tiros. Um ônibus também foi atingido, mas nenhum passageiro se feriu.

Uma mulher, identificada como Adriana Duarte de Oliveira dos Santos, 41, morreu atingida por tiros. Ela faria parte do bando e, de acordo com a PM, teria um mandado de prisão expedido em seu nome por tráfico de drogas. Medeiros estava próxima a um táxi e tentando entrar no carro para fugir do tiroteio, quando foi atingida, relatou a polícia. Quatro policiais militares --dois sargentos e dois cabos-- se feriram, mas sem gravidade.

Publicidade

Emprego Certo

Procurar por emprego