Busca BOL

Segunda-feira, 29 de maio de 2017

BOL Notícias

Gabinete de filho de ministro emprega lobista de empresas

DE SÃO PAULO

Um lobista de empreiteiras que obtiveram contratos com o Ministério da Integração Nacional trabalha no gabinete do filho do ministro Fernando Bezerra, o deputado Fernando Coelho (PSB-PE), informa reportagem de Breno Costa e Andreza Matais, publicada na Folha desta sexta-feira (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

Emendas apresentadas pelo deputado ao Orçamento de 2011 asseguraram R$ 1,8 milhão em recursos da pasta para duas construtoras representadas pelo lobista, Aerolande Amós da Cruz.

Entenda as acusações contra o ministro Fernando Bezerra
Reservatórios apodrecem em reduto eleitoral de ministro
Filho de ministro da Integração destina verba a aliados
Integração deu R$ 4,3 mi a empresa suspeita na Bahia

Marcelo Camargo - 9.jan.2012/Folhapress
Ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, durante reunião para discutir situação dos afetados pelas chuvas no Sudeste
Fernando Bezerra durante reunião para discutir situação dos afetados pelas chuvas no Sudeste


O chefe de gabinete do deputado nega que Cruz trabalhe no gabinete de Coelho Filho.

SUSPEITAS

O ministro Fernando Bezerra Coelho tem sido alvo nas últimas semanas de suspeitas de que teria beneficiado Pernambuco --Estado governado pelo seu partido e onde fica sua base política-- com verbas para a prevenção de enchentes.

Ele também é suspeito de privilegiar seu filho, o deputado Coelho Filho, na liberação de verbas do ministério por meio de emendas parlamentares, conforme mostrou reportagem da Folha.

Coelho foi o único congressista que teve todo o dinheiro pedido empenhado (reservado no Orçamento para pagamento) pelo ministério (R$ 9,1 milhões), superando 219 colegas que também solicitaram recursos para obras da Integração.

Liberado em dezembro, o dinheiro solicitado pelo deputado iria para ações tocadas pela Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Paraíba), uma empresa pública presidida pelo irmão do ministro, Clementino Coelho, que deixou o cargo após as acusações.

Leia a reportagem completa na Folha desta sexta-feira, que já está nas bancas.

Assine a Folha

Publicidade

Emprego Certo

Procurar por emprego