José Alfredo Amaral Gurgel (1929-2012) - Rejeitou aposentadoria de deputado

JULIANA COISSI
DE RIBEIRÃO PRETO


No fim dos anos 50, antes do domínio da TV, os embates políticos em Araraquara (SP) podiam ser acompanhados pelos alto-falantes da Câmara voltados para a rua.

Leia sobre outras mortes

Entre os oradores, chamava a atenção a eloquência de José Alfredo Amaral Gurgel, eleito aos 21 como o mais jovem vereador da cidade. A função não era remunerada.

"Minha casa era perto da Câmara e eu o ouvia. Ele já se mostrava um grande orador", lembra o deputado estadual Roberto Massafera (PSDB).

A vida de Amaral Gurgel logo cedo foi marcada pelo vaivém de viagens. Exercia o mandato de vereador enquanto concluía o curso de direito no Rio. Pouco depois, elegeu-se deputado estadual por dois mandatos seguidos.

Foi nesse período, lembra o filho José Ignácio, 54, que o pai quase foi enxotado pelos colegas de Legislativo por ter sido o único a votar contra a aposentadoria dos deputados. Ao fim do mandato, devolveu os valores que havia recebido.

Direcionou, então, o dom da oratória para o ensino. Morando na capital, foi professor de direito no Mackenzie, na Unicamp e na PUC de Campinas. Na Unesp de Araraquara, foi da área de letras.

Nos anos 80, voltou a Araraquara. Comprou uma chácara, onde plantou azaleias e primaveras. Lá, gostava de ler --foi autor de três livros. Já nos anos 90, realizou o sonho de fundar uma rádio. Apreciador de boleros, apresentava um programa musical.

Coordenou o curso de direito na Uniara e lá lecionou até cinco atrás. Sofria de enfisema pulmonar e morreu no sábado (12), aos 83, em decorrência de uma pneumonia. Deixa três filhos e três netos.

Últimas notícias Ver mais notícias