Busca BOL

Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

BOL Notícias

Crítica: Sem temer anacronismo, versos de Mariana Ianelli exprimem estados psicológicos

FELIPE FORTUNA
ESPECIAL PARA A FOLHA

Persiste nos poemas de "O Amor e Depois", de Mariana Ianelli, uma atitude de marcante simbolismo: as palavras estão a serviço de um fluxo subjetivo, no qual não se distingue muitas vezes o tema, de propósito encoberto ou fugidio.

Também por esses aspectos, tudo parece prender-se a estados psicológicos, a sensações indefiníveis, como se o poema pudesse estar situado fora do seu tempo.

Por isso mesmo, o anacronismo dos poemas explica a seleção vocabular pouco moderna: que poeta poderia arriscar-se, agora, a escrever palavras como "bruma", "coração fremente", "um guizo de túrgidas estrelas" --como se lê no poema "Fantasia"?

Divulgação
A poeta Mariana Ianelli, autora de "O Amor e Depois"
A poeta Mariana Ianelli, autora de "O Amor e Depois"


Nesses casos, o desafio consiste em tornar o poema relevante para o tempo presente da leitura, superar os lugares-comuns e as trivialidades que poderiam trair os sentimentos mais potentes.

Os versos "Essa jura / De um dia pousar sobre a nossa cara / O hálito quente do destino feito um lobo", do poema "Os Patriarcas", e "Sem tocar teu corpo cântaro / Provaria / O sangue da tua meditação", do poema "Lírica", são exemplos notáveis de uma tendência dos poemas de "O Amor e Depois", que embotam frequentemente a imagem e a metáfora, em vez de torná-la contundente.

No Brasil, não é difícil identificar uma tradição de exacerbado lirismo que se manifesta pela farta simbologia de elementos sublimes.

POETA MEDIADOR

Os poemas de "O Amor e Depois" se somam a essa tradição, que revela notável pretensão metafísica: um "jardim entregue / Às chuvas e aos ventos" pode transformar-se, como ocorre no poema "Neste Lugar", o primeiro do livro, em "Nenhum traço de delicadeza, / Só palavras ávidas / E o tempo, / A devoração do tempo".

Pois essa poesia está convencida de que existe em tudo "Uma legião de verdades escondidas", e o poeta é esse mediador entre o real e o transcendente.

Nesse caso, o novo desafio é encontrar a expressão que escape ao kitsch das imagens desgastadas.

Mas Ianelli não se constrange ao apresentá-la: "O amor, até o amor existe, / Um lunático mendicante que vadia pela terra / À espera de outra chance", se lê em "Miragem".

Já em "Ouro e Púrpura", alguns versos muito ganhariam se fossem aperfeiçoados o ritmo e a musicalidade, mas neles prevalece um intransigente prosaísmo, talvez provocado pela imagética algo confusa, que prejudica a obra.

"Não é mais um êxtase de nossa lavra / Nem o disfarce de feridas bem guardadas / Por receio de munir com as nossas faltas / Um inimigo no sentimento do amante", diz o poema.

Os versos finais de "Instinto" indicam que "O Amor e Depois" se mostra hesitante entre um discurso puramente espiritualizado -onde o amor mal se materializa- e a dimensão sublime da poesia.

Neles, o beijo é transformado em ósculo --e, assim, mostra-se o amor à boca pequena (o sentido latino de osculum), ao mesmo tempo em que o seu sentido físico e carnal é todo matizado em beijo fraterno e conciliador.

Há um sentido de elevação nessa poesia que poderá deixar os amantes à margem, assim como os leitores modernos, seguramente perplexos com a celebração de um ideal.

FELIPE FORTUNA, poeta, ensaísta e diplomata, é autor do livro de poemas "A Mesma Coisa" (Topbooks).

O AMOR E DEPOIS
AUTORA Mariana Ianelli
EDITORA Iluminuras
QUANTO R$ 38 (112 págs.)
CLASSIFICAÇÃO bom

Enquete

Carregando enquete...
Computando seu voto...
Carregando resultado
  • 5779
  • simples
  • false
Publicidade

Emprego Certo

Procurar por emprego