Busca BOL

Quarta-feira, 19 de junho de 2019

BOL Notícias

Promessa da esgrima nacional convive com sequelas de Chernobyl

MARCEL MERGUIZO
DE SÃO PAULO

Atleta e técnico conversam em russo sobre a preparação para representar o Brasil na etapa da Copa do Mundo de esgrima em Tianjin, na China, neste fim de semana, a primeira a valer pontos rumo à Olimpíada de Londres-12.

A conversa na língua nativa de ambos é apenas uma forma de filha e pai manterem ligação com o passado em Mogilev, em Belarus. As outras lembranças já estão marcadas na mente e no corpo de Karina Lakerbai, 22.



Adriano Vizoni/Folhapress
Karina Lakerbai, 22, é treinada pelo pai na seleção brasileira e na Academia Paulista de Esgrima
Karina Lakerbai, 22, é treinada pelo pai na seleção brasileira e na Academia Paulista de Esgrima; veja mais fotos


Ela nasceu com baixa imunidade --o sangue tinha baixos níveis de leucócitos--, problemas respiratórios e osteocondroma --tumor ósseo, benigno, manifestado por protuberâncias.

Editoria de Arte/Folhapress
Cidade de Mogilev, em Belarus
Cidade de Mogilev, em Belarus


"Tenho ossinhos a mais. Raspa, dá uma dor tremenda, fica pinçando", descreve.

Filha de Valéria e Alkhas Lakerbai --um ex-esgrimista e uma ex-ginasta da seleção soviética, atualmente técnicos com 49 anos--, Karina é líder do ranking brasileiro e 57ª no mundial com o sabre (uma das arma da esgrima, como espada e florete).

Dois anos antes do parto, a cerca de 300 km da cidade bielorrussa onde Karina nascera, houve o acidente nuclear na usina de Chernobyl, na vizinha Ucrânia, que também afetou a região onde os Lakerbai moravam.

"Me toca só de imaginar... Na época que nasci, eram muitas crianças com deficiências físicas imensas. Imagino o extermínio que rolou. Faz parte de mim ainda".

O nível de radiação em Mogilev fez com que médicos aconselhassem pela procura por "um lugar mais puro".

"Vimos que tinha algo na costela e achamos que era raquitismo. Falaram que era osteocondroma, que é genético, mas ninguém na família tem isso. Não é possível comprovar. E naquele regime, com ditadura lá, não contavam nada [sobre radiação, doenças] para as pessoas", recorda a mãe, Valéria.

Quando a garota tinha seis anos, a família se mudou para São Paulo. Aos 14 e 15 anos, Karina passou por cirurgias para retirada [ressecção] desses pedaços de ossos do ombro, do quadríceps e abaixo da patela. Na segunda, teve choque anafilático.

Adriano Vizoni/Folhapress
Primeira no ranking nacional de sabre, Karina naturalizou-se brasileira há quatro anos
Primeira no ranking nacional de sabre, Karina naturalizou-se brasileira há quatro anos; veja mais fotos


MUDANÇA PARA O BRASIL
Dois anos depois do nascimento da filha, Alkhas e Valéria mudaram-se para a Geórgia. Mas com a guerra na região retornaram a Belarus.

Então, surgiu o convite para a mãe trabalhar na academia de ginástica Iashi, em São Paulo. E ela passou seis meses sozinha no Brasil.

Alkhas veio depois com a filha e virou técnico da seleção brasileira. Valéria viu suas ginastas chegarem a Mundiais. As lembranças de Belarus, deixaram para trás. "Era cruel lá. Ganhava só para comer", fala Valéria.

O mais perto que Karina chegou de sua cidade natal foi Moscou, na Rússia, em 2007 e 2008. Treinou seis meses lá, e ouviu de um técnico: "O que está fazendo no Brasil?". A fala dos pais explica o drama e o porquê da mudança naquela época.

"Tínhamos medo de ter a Karina. Na nossa cidade era permitido aborto até em gravidez mais avançada", conta o pai. "O cemitério da cidade cresceu 20 vezes em cinco anos", calcula a mãe.

Adriano Vizoni/Folhapress
A família de Karina se mudou para o Brasil quando ela tinha seis anos
A família de Karina se mudou para o Brasil quando ela tinha seis anos; veja mais fotos


AMBIDESTRA?
Destra, Karina ganhou um campeonato sul-americano jogando com a esquerda.

Campeã com a direita um ano antes, ela competiu em 2009 como canhota devido a uma luxação no ombro direito. No fim do ano foi submetida a uma artroscopia para suturar o ligamento.

Segundo o ortopedista Alberto Naoki Miyazaki, chefe do grupo de ombro e cotovelo da Santa Casa de São Paulo, a lesão não tem ligação com o osteocondroma. Foi um trauma devido à prática esportiva e está curado. Karina fez um ano de fisioterapia.

O ombro esquerdo tem o mesmo problema do direito, mas não a incomoda com a mesma intensidade ainda.

"Todo mundo tira sarro. É radioativa, é ambidestra. Mas nem eu sei o que sou", diz, rindo das lembranças.

GENE MUTANTE
Segundo Reynaldo Jesus Garcia Filho, coordenador do grupo multidisclipinar de oncologiada Escola Paulista de Medicina (Unifesp), o osteocondroma múltiplo, caso de Karina, é uma doença hereditária.

Como os pais não tem, ela deve ter uma mutação. Mas não é possível comprovar. A doença surge na infância e é tratada se houver incômodo ou inflamação no local.

Vídeos de Esporte

Carregando vídeos

Publicidade

Emprego Certo

Procurar por emprego