Confira ensaios fotográficos protagonizados por 'mulheres reais'

Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.bol.uol.com.br/fotos/entretenimento/2013/10/09/confira-ensaios-fotograficos-protagonizados-por-mulheres-reais.htm
  • totalImagens: 986
  • fotoInicial: 972
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20131009201210
    • Fotografia [44948]; Plus size [47734];
Fotos

Uma blogueira inglesa criou movimento em prol das "barrigas reais" e incentivou mulheres plus-size a publicar fotos de biquíni na internet. A ideia do projeto é fazer com que garotas de todos os manequins sintam-se mais confiantes com seus corpos, publicou o "The Sun" nesta sexta-feira (25/5/12) Reprodução/The Sun Mais

Uma blogueira inglesa criou movimento em prol das "barrigas reais" e incentivou mulheres plus-size a publicar fotos de biquíni na internet. A ideia do projeto é fazer com que garotas de todos os manequins sintam-se mais confiantes com seus corpos, publicou o "The Sun" nesta sexta-feira (25/5/12) Reprodução/The Sun Mais

Uma blogueira inglesa criou movimento em prol das "barrigas reais" e incentivou mulheres plus-size a publicar fotos de biquíni na internet. A ideia do projeto é fazer com que garotas de todos os manequins sintam-se mais confiantes com seus corpos, publicou o "The Sun" nesta sexta-feira (25/5/12) Reprodução/The Sun Mais

Uma blogueira inglesa criou movimento em prol das "barrigas reais" e incentivou mulheres plus-size a publicar fotos de biquíni na internet. A ideia do projeto é fazer com que garotas de todos os manequins sintam-se mais confiantes com seus corpos, publicou o "The Sun" nesta sexta-feira (25/5/12) Reprodução/The Sun Mais

Uma blogueira inglesa criou movimento em prol das "barrigas reais" e incentivou mulheres plus-size a publicar fotos de biquíni na internet. A ideia do projeto é fazer com que garotas de todos os manequins sintam-se mais confiantes com seus corpos, publicou o "The Sun" nesta sexta-feira (25/5/12) Reprodução/The Sun Mais

Uma blogueira inglesa criou movimento em prol das "barrigas reais" e incentivou mulheres plus-size a publicar fotos de biquíni na internet. A ideia do projeto é fazer com que garotas de todos os manequins sintam-se mais confiantes com seus corpos, publicou o "The Sun" nesta sexta-feira (25/5/12) Reprodução/The Sun Mais

Uma blogueira inglesa criou movimento em prol das "barrigas reais" e incentivou mulheres plus-size a publicar fotos de biquíni na internet. A ideia do projeto é fazer com que garotas de todos os manequins sintam-se mais confiantes com seus corpos, publicou o "The Sun" nesta sexta-feira (25/5/12) Reprodução/The Sun Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

9.abr.2013 - O fotógrafo norte-americano Matt Blum resolveu fotografar as mulheres de um jeito bem natural. Conhecido por uma série de fotos chamadas de "Nu Honesto", ele clica mulheres nuas em posições naturais e cotidianas, sem adicionar elementos de glamour ou retocar as fotos com o Photoshop. O resultado do projeto é postado em seu site, que conta com imagens de mulheres das Américas do Sul e do Norte, incluindo brasileiras. Reprodução/Matt Blum Mais

Após sete anos atuando no site e no projeto, Matt Blum diz que não tem cabeça para outros trabalhos no momento. "Recebemos uma resposta positiva esmagadora das participantes. É tremendamente recompensador para mim e para minha esposa Katy, editora do projeto, ouvir como as fotografias ajudaram as pessoas em suas vidas", conta o criador do "The Nu Project" Reprodução/Matt Blum/TheNuProject.com Mais

Após sete anos atuando no site e no projeto, Matt Blum diz que não tem cabeça para outros trabalhos no momento. "Recebemos uma resposta positiva esmagadora das participantes. É tremendamente recompensador para mim e para minha esposa Katy, editora do projeto, ouvir como as fotografias ajudaram as pessoas em suas vidas", conta o criador do "The Nu Project" Reprodução/Matt Blum/TheNuProject.com Mais

Após sete anos atuando no site e no projeto, Matt Blum diz que não tem cabeça para outros trabalhos no momento. "Recebemos uma resposta positiva esmagadora das participantes. É tremendamente recompensador para mim e para minha esposa Katy, editora do projeto, ouvir como as fotografias ajudaram as pessoas em suas vidas", conta o criador do "The Nu Project" Reprodução/Matt Blum/TheNuProject.com Mais

Após sete anos atuando no site e no projeto, Matt Blum diz que não tem cabeça para outros trabalhos no momento. "Recebemos uma resposta positiva esmagadora das participantes. É tremendamente recompensador para mim e para minha esposa Katy, editora do projeto, ouvir como as fotografias ajudaram as pessoas em suas vidas", conta o criador do "The Nu Project" Reprodução/Matt Blum/TheNuProject.com Mais

Após sete anos atuando no site e no projeto, Matt Blum diz que não tem cabeça para outros trabalhos no momento. "Recebemos uma resposta positiva esmagadora das participantes. É tremendamente recompensador para mim e para minha esposa Katy, editora do projeto, ouvir como as fotografias ajudaram as pessoas em suas vidas", conta o criador do "The Nu Project" Reprodução/Matt Blum/TheNuProject.com Mais

No início do projeto, Matt Blum, hoje com 30 anos, era apenas um amador, e precisava correr atrás de modelos para os ensaios. Atualmente ele recebe pedidos de mulheres do mundo todo que desejam mostrar sua "verdadeira beleza". Reprodução/Matt Blum/TheNuProject.com Mais

"As pessoas esperam uma aparência em sua bela arte fotográfica. Decidi fazer um anúncio recrutando uma modelo nua, mas não pedi nenhuma foto da candidata. Tudo que pedia é que a pessoa estivesse aberta a ser fotografada", conta Matt Blum. Reprodução/Matt Blum/TheNuProject.com Mais

Após ser criticado no início de carreira por não usar modelos profissionais, o fotógrafo Matt Blum decidiu se dedicar a registrar o que ele considera ser a "verdadeira beleza". Assim nasceu, em 2005, o "The Nu Project", onde mulheres comuns de todo o mundo podem participar de nus artísticos. Reprodução/Matt Blum/TheNuProject.com Mais

"As pessoas esperam uma aparência em sua bela arte fotográfica. Decidi fazer um anúncio recrutando uma modelo nua, mas não pedi nenhuma foto da candidata. Tudo que pedia é que a pessoa estivesse aberta a ser fotografada", conta Matt Blum. Reprodução/Matt Blum/TheNuProject.com Mais

Após ser criticado no início de carreira por não usar modelos profissionais, o fotógrafo Matt Blum decidiu se dedicar a registrar o que ele considera ser a "verdadeira beleza". Assim nasceu, em 2005, o "The Nu Project", onde mulheres comuns de todo o mundo podem participar de nus artísticos. Reprodução/Matt Blum/TheNuProject.com Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

Mulheres reais depoois do parto em ensaio da fotógrafa norte-americana Darien McGuire Reprodução/Darien McGuire Mais

6.mar.2013 - Em uma página dedicada a musculação e venda de suplementos alimentares na rede social, foi publicada uma imagem de duas modelos plus size, com o título "O que vocês acham dessas 'modelos'???", no dia 10 de fevereiro. A modelo Carol Santos e a fotógrafa Ana Maria Amaral resolveram montar um ensaio para mostrar que pessoas acima do peso podem seguir a mesma rotina das que estão dentro do "normal". E nada mais representativo do que imagens de um casal apaixonado. Carol posou para as fotos com o namorado, e também modelo, Igor Phellps Ana Maria Amaral/Divulgação Mais

6.mar.2013 - Em uma página dedicada a musculação e venda de suplementos alimentares na rede social, foi publicada uma imagem de duas modelos plus size, com o título "O que vocês acham dessas 'modelos'???", no dia 10 de fevereiro. A modelo Carol Santos e a fotógrafa Ana Maria Amaral resolveram montar um ensaio para mostrar que pessoas acima do peso podem seguir a mesma rotina das que estão dentro do "normal". E nada mais representativo do que imagens de um casal apaixonado. Carol posou para as fotos com o namorado, e também modelo, Igor Phellps Ana Maria Amaral/Divulgação Mais

6.mar.2013 - Em uma página dedicada a musculação e venda de suplementos alimentares na rede social, foi publicada uma imagem de duas modelos plus size, com o título "O que vocês acham dessas 'modelos'???", no dia 10 de fevereiro. A modelo Carol Santos e a fotógrafa Ana Maria Amaral resolveram montar um ensaio para mostrar que pessoas acima do peso podem seguir a mesma rotina das que estão dentro do "normal". E nada mais representativo do que imagens de um casal apaixonado. Carol posou para as fotos com o namorado, e também modelo, Igor Phellps Ana Maria Amaral/Divulgação Mais

6.mar.2013 - Em uma página dedicada a musculação e venda de suplementos alimentares na rede social, foi publicada uma imagem de duas modelos plus size, com o título "O que vocês acham dessas 'modelos'???", no dia 10 de fevereiro. A modelo Carol Santos e a fotógrafa Ana Maria Amaral resolveram montar um ensaio para mostrar que pessoas acima do peso podem seguir a mesma rotina das que estão dentro do "normal". E nada mais representativo do que imagens de um casal apaixonado. Carol posou para as fotos com o namorado, e também modelo, Igor Phellps Ana Maria Amaral/Divulgação Mais

Participantes do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" se encontram no Bryant Park, em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

À vontade e nada incomodada por estar sem blusa, integrante do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" participa de leitura no Bryant Park, em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Será que ler pelada atrapalha a concentração? Não é o que mostra essa integrante do "The Out0door Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" ao participar de leitura no Bryant Park, em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Integrante do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" participa de leitura e aproveita para tomar sol no Bryant Park, em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Participantes do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" se encontram no Bryant Park, em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Integrante do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" aproveita para fotografar as colegas enquanto participa de leitura em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Integrantes do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" participam de leitura em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Conhecido ponto turístico de Nova York, a Manhattan Bridge também é um dos locais de encontro do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society", cujas participantes tiram a blusa para ler livros The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Integrante do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" participa de leitura perto da Brooklyn Bridge, em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Integrantes do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" participam de leitura no Rockefeller Park, em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Integrante do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" participa de leitura em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Integrante do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" participa de leitura em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Integrante do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" participa de leitura em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Integrantes do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" participam de leitura no Riverside Park, em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Integrantes do "The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society" participam de leitura em Nova York The Outdoor Co-ed Topless Pulp Fiction Aprecciation Society/divulgação Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre), tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

Grupos de leitura e discussão literária são comuns em vários países, mas a "Sociedade de Co-editoras Apreciadoras de Ficções de Topless ao Ar Livre" (em tradução livre) tem um objetivo a mais: divulgar e defender a liberdade das mulheres de fazer topless em áreas públicas de Nova York, nos EUA. Desde julho de 1992, as mulheres foram legalmente autorizadas a deixar os seios à mostra em público na "Grande Maçã", em sinal de igualdade em relação aos homens. O grupo, que começou como uma reunião de amigas, convida qualquer pessoa a participar dos eventos de leitura em parques, praças e festas particulares. "Se você está em Nova York e o tempo está bom, por que não se juntar a nós", convida o blog das leitoras de topless. Reprodução/ Co-ed Topless Pulp Fiction Appreciation Society Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

O fotógrafo Yossi Loloi assina o projeto "Full Beauty" ('Cheia de beleza' em tradução livre) que traz mulheres obesas posando em fotos sensuais e com toques de feminilidade. A ideia do ensaio é questionar padrões de beleza impostos pela mídia e pela sociedade. Assim, as fotos valorizam a autoestima das mulheres e dá um basta ao preconceito Reprodução/Full Beauty/Yossi Loloi Mais

12.out.2013 - Segundo informações do jornal Shangai Daily, a policia de Xangau está à procura de uma mulher que ficou famosas nas redes sociais chinesa após publicar fotos em que aparece nua pelas ruas da cidade. De acordo com a publicação, em algumas imagens, a mulher veste um sobretudo e, em outras, abre a vestimenta para que sejam tiradas as fotos, às vezes com outras pessoas ao redor. os internautas chineses passaram a chamar a mulher misteriosa de "serial stripper" ou "peladona de Xangai" Reprodução/Weibo/ethanren717 Mais

12.out.2013 - A imagem mostra um dos cliques ousados de mulher misteriosa que está na mira da polícia de Xangau, na China. Apelidada pelos internautas chineses de "serial stripper" ou "peladona de Xangai", a mulher exibe o corpo nu em fotos registradas em diversos pontos da cidade Reprodução/Weibo/ethanren717 Mais

Alunas do clube de remo da Universidade Warwickshire criaram polêmica ao posarem, no ano passado, quase nuas para um calendário beneficente anual. Desta vez, ignorando as críticas, elas resolveram colocar ainda mais lenha na fogueira: nas imagens para a edição 2014, estão completamente nuas. Reed declarou, segundo o jornal inglês Daily Mail, que se divertiram muito ao ficarem nuas para as fotos e que os pescadores da região adoraram? "Todo o preconceito que sofremos no ano passado aumentou nossa vontade de fazer tudo mais uma vez, até porque também recebemos muito apoio. Trata-se apenas de algo divertido, que não causa mal a ninguém e ainda é por uma causa nobre. Nossos fãs cresceram muito depois do furor causado pelo nosso calendário passado. Muitas pessoas que sofrem de câncer entraram em contato para nos agradecer. Quem pode nos criticar por isso?" Reprodução Mais

O calendário conta com 17 garotas da Warwickshire University Rowing Society que têm entre 18 e 21 anos. Nas imagens, elas se divertem no Rio Avon, e no local onde as canoas ficam guardadas. Quem teve a ideia foram Hettie Reed, aluna do segundo ano de história e Política e as amigas Frankie Salzano, 21, e Sophie Bell, 19. Reprodução Mais

Reed declarou, segundo o jornal inglês Daily Mail, que se divertiram muito ao ficarem nuas para as fotos e que os pescadores da região adoraram? "Todo o preconceito que sofremos no ano passado aumentou nossa vontade de fazer tudo mais uma vez, até porque também recebemos muito apoio. Trata-se apenas de algo divertido, que não causa mal a ninguém e ainda é por uma causa nobre. Nossos fãs cresceram muito depois do furor causado pelo nosso calendário passado. Muitas pessoas que sofrem de câncer entraram em contato para nos agradecer. Quem pode nos criticar por isso?" Reprodução Mais

Calendário - Ao todo são 17 garotas no calendário beneficente Reprodução Mais

O calendário conta com 17 garotas da Warwickshire University Rowing Society que têm entre 18 e 21 anos. Nas imagens, elas se divertem no Rio Avon, e no local onde as canoas ficam guardadas. Quem teve a ideia foram Hettie Reed, aluna do segundo ano de história e Política e as amigas Frankie Salzano, 21, e Sophie Bell, 19 Reprodução Mais

Calendário - Já existem 300 pré-ordens de compra para o calendário Reprodução Mais

Calendário - Os homens do clube de remo fazem o mesmo calendário há quatro anos Reprodução Mais

Calendário - Essa é uma das fotos do calendário do ano passado Reprodução Mais

A fotógrafa Leticia Valverdes, 41, teve uma ideia bem diferente para um ensaio fotográfico: ela decidiu registrar as marcas deixadas pelos bebês durante a maternidade na vida de uma mulher. O projeto ?Birth Marks - Marcas de Nascença? busca registrar o orgulho das mulheres que carregaram e alimentaram outros seres humanos em seus corpos. Leticia Valverdes Mais

Mulheres vencem a vergonha e mostram barrigas flácidas, seios caídos e estrias no ensaio "Marcas de Nascença" Leticia Valverdes Mais

As fotos são feitas sem qualquer tipo de retoque. A ideia do ensaio "Marcas de Nascença" é mostrar que mulheres são humanas Leticia Valverdes Mais

Letícia Valverdes, fotógrafa responsável pelo projeto "Marcas de Nascença", amamenta o filho; ensaio mostra as mudanças no corpo das mães. Leticia Valverdes Mais

O ensaio "Marcas de Nascença" mostra barrigas flácidas, seios caídos e estrias, resultados da maternidade no corpo da mulher. Na foto acima, mulher mostra a barriga após a gestação. Leticia Valverdes Mais

A fotógrafa Leticia Valverdes, 41, teve uma ideia bem diferente para um ensaio fotográfico: ela decidiu registrar as marcas deixadas pelos bebês durante a maternidade na vida de uma mulher. O projeto ?Birth Marks - Marcas de Nascença? busca registrar o orgulho das mulheres que carregaram e alimentaram outros seres humanos em seus corpos. Leticia Valverdes Mais

Mãe mostra a cicatriz da cesárea após o nascimento do filho. Ensaio "Marcas de Nascença" mostra e questiona as imperfeições pós-gestação Leticia Valverdes Mais

O projeto ?Birth Marks - Marcas de Nascença? busca registrar o orgulho das mulheres que carregaram e alimentaram outros seres humanos em seus corpos. Leticia Valverdes Mais

O projeto "Marcas de Nascença" deve virar livro com o relato das mulheres que participaram da experiência Leticia Valverdes Mais

A fotógrafa Leticia Valverdes, 41, teve uma ideia bem diferente para um ensaio fotográfico: ela decidiu registrar as marcas deixadas pelos bebês durante a maternidade na vida de uma mulher. O projeto ?Birth Marks - Marcas de Nascença? busca registrar o orgulho das mulheres que carregaram e alimentaram outros seres humanos em seus corpos. Leticia Valverdes Mais

Anna Gallafrio, 32, foi fotografada com a filha Corinna quando ela tinha seis dias de vida Leticia Valverdes Mais

Mãe exibe as marcas após gestação; ensaio fotográfico mostra as 'imperfeições' pós-gestação Leticia Valverdes Mais

O projeto "Marcas de Nascença" deve virar livro com o relato das mulheres que participaram da experiência Leticia Valverdes Mais

O projeto "Marcas de Nascença" mostra fotos de mulheres anônimas. Na imagem acima, uma mãe amamenta o filho enquanto jorra leite de outro seio Leticia Valverdes Mais

2013 - A alemã Uta Melle em ensaio (divulgado em 7.out.2011) para a revista Stern feito logo após cirurgia de retirada de mama, em decorrência de câncer; foto deu origem a um movimento de recuperar a sensualidade das mulheres após a mastectomia Reprodução/Stern Mais

Jul.2013 - O fotógrafo de moda David Jay (acima) fotografa mulheres jovens que se submeteram a uma mastectomia devido a um câncer de mama. O projeto começou há sete anos. "Acho que, como fotógrafo, fazer fotos é minha forma de lidar com as coisas que vejo das pessoas que amo", disse. Veja a seguir a sequência de fotos tiradas por ele David Jay/The SCAR Project Mais

Mulher posa para o fotógrafo David Jay mostrando resultado de sua cirurgia após ser diagnosticada com câncer de mama para o projeto "The Scar". Em virtude do Outubro Rosa, mês de conscientização sobre o diagnóstico precoce da doença, o BOL pinta alguns módulos de sua home page para alertar sobre a importância do assunto. David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

Paulina já havia posado para Jay. E quando foi diagnosticada com câncer de mama aos 29 anos, o fotógrafo sentiu que era preciso fotografá-la de novo, para mostrar a cicatriz da mastectomia. Paulina foi a primeira foto do que depois se transformaria no projeto "The Scar". David Jay/The SCAR Project Mais

Paulina sugeriu que Jay fotografasse outras mulheres, também por volta dos 20 anos de idade, com quem fazia quimioterapia. "Me disse que, como fotógrafo e como homem, seria uma experiência interessante e, ao mesmo tempo, elas também tirariam algo do processo". (Acima, Leah). David Jay/The SCAR Project Mais

Mulher posa para o fotógrafo David Jay mostrando resultado de sua cirurgia após ser diagnosticado com câncer de mama para o projeto "The Scar". David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

Há três anos, Sarah Boghdan (acima) recebeu o diagnóstico de câncer. Na época, a paciente que também tem paralisa cerebral, tinha 36 anos. Sarah encontrou forças para superar a mastectomia e a quimioterapia ao ver as fotos das mulheres que já haviam posado para o projeto "The Scar". A modelo contou à BBC que ria pois se sentia grata por ter sobrevivido e que ela nunca havia se mostrado para nenhum outro homem, a não ser para o médico. David Jay/The SCAR Project Mais

Com os homens não há problema, os mamilos podem aparecer. Oliver Bogler (acima) faz parte dos 1% dos pacientes de câncer de mama que são homens. "Decidi entrar em contato com Jay porque senti uma conexão emocional muito importante", disse Oliver à BBC. "Muito da campanha contra o câncer é esta fita rosa que mostra pessoas felizes (...) e, na verdade, não é assim para muitos pacientes com câncer. É um caminho longo e duro e nem sempre tem um final feliz." Bogler passará pelo primeiro verão depois da mastectomia e pensa em usar algo para cobrir a cicatriz. David Jay/The SCAR Project Mais

Eliza Hewitt foi diagnosticada quando tinha 22 anos. Uma semana depois, a mastectomia dupla foi marcada. "Na noite antes da operação pensei que, se iria viver com isto, tinha que saber como era visto. No começo só encontrei mulheres com mais de 50 anos na internet, até que encontrei o The Scar. Me deu muita paz saber que há uma forte comunidade de mulheres com que poderia me relacionar", disse Eliza à BBC. Ela afirmou que é muito "difícil olhar seu corpo depois de uma cirurgia como esta" e ela decidiu posar para a foto para ver se isto a ajudaria a melhorar como ela se via. Desde a publicação da imagem, Eliza recebeu muitas mensagens de agradecimentos de mulheres que passaram pela mesma situação. David Jay/The SCAR Project Mais

O Facebook está sendo acusado de ter apagado imagens que mostram cicatrizes de pacientes que passaram por mastectomia por causa do câncer de mama. As fotos, que fazem parte da iniciativa "The Scar Project", teriam sido excluídas por violarem as políticas de uso da rede social, que não permitem nudez. O responsável pelas fotos, David Jay, foi suspenso do Facebook durante um mês. Após um protesto realizado pelos membros do grupo, a rede social se desculpou pelo erro e afirmou que vai permitir as fotos das cicatrizes. Reprodução/Daily Mail Mais

Recentemente as imagens fizeram parte de uma polêmica com o Facebook, pois a rede social não permite, como muitos outros meios, a publicação de imagens de nudismo. "O Facebook sempre permitiu postar fotos de mastectomia, o problema é o mamilo da mulher", afirma Jay. "Na medida que a mulher não tem mamilo, pode aparecer nua na imagem". (Acima: Sara). David Jay/The SCAR Project Mais

O projeto "The Scar", do fotógrafo David Jay, é um ensaio que exibe pessoas que passaram por mastectomia após serem diagnosticadas com câncer de mama. David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

Mulher posa para o fotógrafo David Jay mostrando resultado de sua cirurgia após ser diagnosticada com câncer de mama para o projeto "The Scar". David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

Mulher posa para o fotógrafo David Jay mostrando resultado de sua cirurgia após ser diagnosticado com câncer de mama para o projeto "The Scar" David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

O projeto "The Scar", do fotógrafo David Jay, é um ensaio que exibe pessoas que passaram por mastectomia após serem diagnosticadas com câncer de mama. David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

Mulher posa para o fotógrafo David Jay mostrando resultado de sua cirurgia após ser diagnosticada com câncer de mama para o projeto "The Scar". David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

O projeto "The Scar", do fotógrafo David Jay, é um ensaio que exibe pessoas que passaram por mastectomia após serem diagnosticadas com câncer de mama. David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

Mulher posa para o fotógrafo David Jay mostrando resultado de sua cirurgia após ser diagnosticada com câncer de mama para o projeto "The Scar". David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

O fotógrafo David Jay registra mulheres mostrando o resultado da mastectomia para o projeto "The Scar". David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

Mulher posa para o fotógrafo David Jay mostrando resultado de sua cirurgia após ser diagnosticada com câncer de mama para o projeto "The Scar". David Jay/The SCAR Project/http://www.thescarproject.org Mais

17.out.2013 - O Garrison Girls, grupo de mulheres de militares criado em 2008 para arrecadar fundos para caridade, acaba de lançar o calendário de 2014, em que aparecem nuas nas montanhas da Escócia, a uma temperatura de até -4ºC. A mulher de dezembro mostra uma tatuagem nas costas em foto feita em ruínas escocesas. O calendário custa 10 euros (cerca de R$ 35). O dinheiro arrecadado irá para o grupo Garrison Girls, uma instituição que ajuda combatentes que retornam de zonas de conflito, como o Iraque e o Afeganistão, com transtorno de estresse pós-traumático Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O calendário custa 10 euros (cerca de R$ 35). O dinheiro arrecadado irá para o grupo Garrison Girls, uma instituição que ajuda combatentes que retornam de zonas de conflito, como o Iraque e o Afeganistão, com transtorno de estresse pós-traumático Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O fotógrafo escocês Jim Furness escolheu locais que pudessem retratar a beleza natural do país. Ele também introduziu elementos militares ao especial. O calendário custa 10 euros (cerca de R$ 35). O dinheiro arrecadado irá para o grupo Garrison Girls, uma instituição que ajuda combatentes que retornam de zonas de conflito, como o Iraque e o Afeganistão, com transtorno de estresse pós-traumático Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O Garrison Girls, grupo de mulheres de militares criado em 2008 para arrecadar fundos para caridade, acaba de lançar o calendário de 2014, em que aparecem nuas nas montanhas da Escócia, a uma temperatura de até -4ºC. As 12 mulheres participaram das sessões de fotos, uma em Braemar no outono e outra em uma praia em Moray, em Aberdeenshire, ambas na Escócia, durante o verão Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O Garrison Girls, grupo de mulheres de militares criado em 2008 para arrecadar fundos para caridade, acaba de lançar o calendário de 2014, em que aparecem nuas nas montanhas da Escócia, a uma temperatura de até -4ºC. A mulher que ilustra o mês de fevereiro foi retratada em Braemar, Escócia, durante o inverno Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O Garrison Girls, grupo de mulheres de militares criado em 2008 para arrecadar fundos para caridade, acaba de lançar o calendário de 2014, em que aparecem nuas nas montanhas da Escócia, a uma temperatura de até -4ºC. Esposa que ilustra o mês de março de 2014 é retratada em Braemar, Escócia Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O Garrison Girls, grupo de mulheres de militares criado em 2008 para arrecadar fundos para caridade, acaba de lançar o calendário de 2014, em que aparecem nuas nas montanhas da Escócia, a uma temperatura de até -4ºC. Segundo o fotógrafo Jim Furness, a maioria das esposas afirmaram que posa nua é uma "experiência emocionante" Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O Garrison Girls, grupo de mulheres de militares criado em 2008 para arrecadar fundos para caridade, acaba de lançar o calendário de 2014, em que aparecem nuas nas montanhas da Escócia, a uma temperatura de até -4ºC. A imagem que ilustra o mês de maio de 2014 mostra uma mulher observando a paisagem Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O Garrison Girls, grupo de mulheres de militares criado em 2008 para arrecadar fundos para caridade, acaba de lançar o calendário de 2014, em que aparecem nuas nas montanhas da Escócia, a uma temperatura de até -4ºC. A imagem de junho mostra duas das garotas no calendário Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O Garrison Girls, grupo de mulheres de militares criado em 2008 para arrecadar fundos para caridade, acaba de lançar o calendário de 2014, em que aparecem nuas nas montanhas da Escócia, a uma temperatura de até -4ºC. A imagem de outubro mostra um lago perto de Moray em Aberdeenshire, Escócia Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O Garrison Girls, grupo de mulheres de militares criado em 2008 para arrecadar fundos para caridade, acaba de lançar o calendário de 2014, em que aparecem nuas nas montanhas da Escócia, a uma temperatura de até -4ºC. Os rostos das mulheres não são identificados para mostrar que elas representam todas as mulheres de militares Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

17.out.2013 - O Garrison Girls, grupo de mulheres de militares criado em 2008 para arrecadar fundos para caridade, acaba de lançar o calendário de 2014, em que aparecem nuas nas montanhas da Escócia, a uma temperatura de até -4ºC. As mulheres, que nunca haviam posado antes, podem ser vistas nuas sobre as rochas, atravessando uma ponte de madeira ou na janela de um castelo em ruínas Jim Furness/www.garrisongirls.com Mais

Out.2013 - Sessenta mulheres argentinas resolveram posar nuas para financiar a compra de um mamógrafo para um hospital público da região da Patagônia. A ideia do projeto batizado de "Mujer en amor" ("Mulher com amor", em tradução livre), registrado pela fotógrafa Paola Pierini, era conseguir o equipamento e também mostrar que as mulheres são bonitas mesmo "marcadas pela vida" Paola Pierini/Divulgação Mais

Out.2013 - Sessenta mulheres argentinas resolveram posar nuas para financiar a compra de um mamógrafo para um hospital público da região da Patagônia. A fotográfa do projeto batizado de "Mujer en amor" ("Mulher com amor", em tradução livre), Paola Pierini, falou um pouco sobre a ideia do ensaio: "Queríamos mostrar as mulheres como elas são e transmitir a ideia de que podem ser felizes com seus corpos. Alguém que está preocupada com imagem tem até o prazer afetado na hora do sexo", afirmou Paola Pierini/Divulgação Mais

Out.2013 - Entre as 60 mulheres fotografadas, 12 mulheres, com idades entre 25 e 60 anos, vão ilustrar um calendário 2014 que será lançado em novembro de 2013. Elas esperam arrecadar US$ 70 mil (R$154 mil) com as vendas, que serão destinados à compra do mamógrafo para o hospital Oscar H. Arraiza Paola Pierini/Divulgação Mais

Out.2013 - Natalia Ollarce (foto), 30 anos, é mãe de três filhos e revelou que no início o marido não gostou da ideia de que ela posasse nua para o projeto, mas depois, entendeu a causa e a ajudou a desenhar as asas de borboleta que ilustram sua foto desnuda. "Somos reais e poucas vezes vemos mulheres como nós mesmas na televisão", contou ela, que ainda falou sobre a ilustração no fundo de sua foto: "Imaginei asas de borboleta, como símbolo de libertação" Paola Pierini/Divulgação Mais

Out.2013 - A arquiteta Susana Requena, de 60 anos, viúva, mãe de três filhos e avó, afirmou que essa foi a primeira vez que tirou a roupa na frente de uma câmera. Sobre a experiência, Susana comentou: "Gostei da ideia de mostrar como somos, com estrias, com as marcas da vida e do tempo". Ela foi submetida a uma mastectomia há dez anos, mas optou por não realizar a cirurgia reparadora. "Sou uma das mulheres marcadas pela vida porque me falta um seio. E isso é difícil. Posar (para o calendário) foi uma oportunidade de ser feliz comigo mesma", disse ela, que teve o apoio dos filhos para posar nua ?Foi como voltar a ter harmonia com meu corpo?, afirmou. Antes de posar, ela conversou com os filhos que moram na Inglaterra, na Costa Rica e em Buenos Aires. ?Eles me deram a maior força, já viram a foto e gostaram muito?. Paola Pierini/Divulgação Mais

Out.2013 - Sessenta mulheres argentinas resolveram posar nuas para financiar a compra de um mamógrafo para um hospital público da região da Patagônia. A fotográfa do projeto batizado de "Mujer en amor" ("Mulher com amor", em tradução livre), Paola Pierini, falou um pouco sobre a ideia do ensaio: "Queríamos mostrar as mulheres como elas são e transmitir a ideia de que podem ser felizes com seus corpos. Alguém que está preocupada com imagem tem até o prazer afetado na hora do sexo", afirmou Paola Pierini/Divulgação Mais

Out.2013 - Entre as 60 mulheres fotografadas, 12 mulheres, com idades entre 25 e 60 anos, vão ilustrar um calendário 2014 que será lançado em novembro de 2013. Elas esperam arrecadar US$ 70 mil (R$154 mil) com as vendas, que serão destinados à compra do mamógrafo para o hospital Oscar H. Arraiza Paola Pierini/Divulgação Mais

Out.2013 - Entre as 60 mulheres fotografadas, 12 mulheres, com idades entre 25 e 60 anos, vão ilustrar um calendário 2014 que será lançado em novembro de 2013. Elas esperam arrecadar US$ 70 mil (R$154 mil) com as vendas, que serão destinados à compra do mamógrafo para o hospital Oscar H. Arraiza Paola Pierini/Divulgação Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

22.out.13 - O fotógrafo norte-americano Jordan Matter clicou mais 80 mulheres de topless em diversas situações pelas ruas da cidade de Nova York, nos EUA. As imagens de voluntárias de todas as idades foram registradas por seis anos e resultou no livro "Uncovered". Com a obra, Matter quis desafiar tabus e celebrar as belezas de mulheres comuns. O livro traz depoimentos e opiniões das mulheres fotografadas sobre a nudez Reprodução Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Vítimas de olhares reprovadores, a geógrafa Fabíola Tibério Nunes (foto), 34, afirmou em entrevista à Folha de S. Paulo que passou a ignorar quem não entende a importância da amamentação. Ela participou de do projeto fotográfico no final de outubro no Minhocão com o filho Igor, que vai completar nove meses neste mês. "Acho que dar de mamar publicamente pode ajudar a incentivar outras mulheres a fazer o mesmo. Muitas mulheres amamentam escondidas nos banheiros ou fraldários. É feio amamentar em público? Não tem sentido", contou ela, afirmando à Folha que amamenta o filho em qualquer lugar Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - "Infelizmente há um estigma muito grande não só no Brasil, mas também em países da Europa de que a mulher não pode amamentar na rua", afirmou o fotógrafo Tiago Figueiredo, que já registrou mais de 20 mulheres em Portugal e na Angola e que agora expande o projeto no Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - "Infelizmente há um estigma muito grande não só no Brasil, mas também em países da Europa de que a mulher não pode amamentar na rua", afirmou o fotógrafo Tiago Figueiredo, que já registrou mais de 20 mulheres em Portugal e na Angola e que agora expande o projeto no Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

7.nov.2013 - Apesar de o Ministério da Saúde recomendar exclusivamente o leite materno nos seis primeiros meses de vida do bebê e como complemento a outros alimentos até os dois anos ou mais, as mães que amamentam ainda sofrem preconceitos ao "sacar" o peito no meio de um shopping ou de um restaurante. Para mostrar o ato de amamentar como um gesto de amor e que pode ser feito em qualquer lugar, a jornalista Catarina Beato, 33, e o fotógrafo Tiago Figueiredo, 38, começaram a registrar mulheres amamentando seus filhos em lugares públicos, como na rua, na praia, no estádio de futebol e até no Elevado Costa e Silva, o Minhocão, no centro de São Paulo. Os dois profissionais são portugueses e começaram o projeto Loove no meio deste ano em seu país de origem antes de expandir a ideia para o Brasil Divulgação/Facebook/Tiagofigueiredophotography Mais

12.nov.2013 - Um ensaio com Robin Lawley para a revista Cosmopolitan australiana causou polêmica com internautas e leitores da publicação, que classificou a modelo como "plus size". Segundo o público, Robin - que é um dos rostos mais conhecidos em campanhas de moda voltadas para mulheres mais "cheinhas" - não tem os padrões exigidos pelas passarelas, mas também está muito longe de ser considerada "gordinha". "Ela não é plus size. Quando li o título, eu estava esperando ver alguém com curvas mais acentuadas! Qual o tamanho que ela veste? É por isso que as mulheres têm imagens distorcidas de seus corpos! Ela parece ter um tamanho médio para mim!", afirmou uma das leitoras Reprodução Mais

12.nov.2013 - Robyn Lawley, que foi a primeira mulher mais "cheinha" a estampar uma capa da revista Vogue, declarou recentemente que a moda ainda não dá muito espaço para as "gordinhas". "Eu quero que as meninas tenham opções, mas infelizmente se uma modelo plus size aparece, mesmo sendo incrivelmente bonita e até mesmo se todos os agentes do mundo a quiserem, se ela é um pouco grande, eles pedem para que ela perca peso imediatamente", disse a beldade Reprodução Mais

12.nov.2013 - A modelo Robyn Lawley estrelou ensaio que gerou polêmica na web e com leitores da revista Cosmopolitan australiana. Robin, que foi chamada de "plus size" pela publicação, ficou conhecida no mundo da moda por ter sido a primeira mulher mais curvilínea a ser contratada pela Calvin Klein Reprodução Mais

12.nov.2013 - Requisitada para editoriais de moda voltados para mulheres com silhueta grande, Robyn Lawley é a estrela da edição de dezembro da revista Cosmopolitan australiana. O ensaio causou polêmica com internautas e leitores da publicação, que classificou a modelo como "plus size" Reprodução Mais

12.nov.2013 - Robyn Lawley já apareceu em revistas como Elle e Marie Claire e trabalhou com fotógrafos renomados. Na imagem, a beldade posa para o editorial "Vive La Riviera", da edição de dezembro da revista Cosmopolitan australiana Reprodução Mais

12.nov.2013 - Robin Lawley posou para a edição de dezembro da revista Cosmopolitan australiana. O ensaio causou polêmica com internautas e leitores da publicação, que classificou a modelo como "plus size". Segundo o público, Robin - que é um dos rostos mais conhecidos em campanhas de moda voltadas para mulheres mais "cheinhas" - não tem os padrões exigidos pelas passarelas, mas também está muito longe de ser considerada "gordinha". "Se isso é plus size, então eu devo ser uma baleia", comentou uma internauta Reprodução Mais

25.nov.2013 - Moffy é uma modelo de 19 anos que está fazendo sucesso na Grã-Bretanha. Além de ser bonita, alta, magra e morena dos olhos verdes, a jovem tem algo que a torna diferente: ela foi descoberta por um fotógrafo e definida como "uma garota com uma característica especial que capta todos os olhares". "Tem um olho a pestanejar, e outro me fita", diria poeticamente a música "Tanto Amar", de Chico Buarque. Sim, Molly é estrábica, completamente vesga. Mas o detalhe parece não atrapalhar a modelo. Pelo contrário, parece ser o motivo de sua notoriedade na carreira Reprodução Mais

25.nov.2013 - Moffy é uma modelo de 19 anos que está fazendo sucesso na Grã-Bretanha. Além de ser bonita, alta, magra e morena dos olhos verdes, a jovem tem algo que a torna diferente: ela foi descoberta por um fotógrafo e definida como "uma garota com uma característica especial que capta todos os olhares". "Tem um olho a pestanejar, e outro me fita", diria poeticamente a música "Tanto Amar", de Chico Buarque. Sim, Molly é estrábica, completamente vesga. Mas o detalhe parece não atrapalhar a modelo. Pelo contrário, parece ser o motivo de sua notoriedade na carreira Reprodução Mais

25.nov.2013 - Moffy é uma modelo de 19 anos que está fazendo sucesso na Grã-Bretanha. Além de ser bonita, alta, magra e morena dos olhos verdes, a jovem tem algo que a torna diferente: ela foi descoberta por um fotógrafo e definida como "uma garota com uma característica especial que capta todos os olhares". "Tem um olho a pestanejar, e outro me fita", diria poeticamente a música "Tanto Amar", de Chico Buarque. Sim, Molly é estrábica, completamente vesga. Mas o detalhe parece não atrapalhar a modelo. Pelo contrário, parece ser o motivo de sua notoriedade na carreira Reprodução Mais

25.nov.2013 - Moffy é uma modelo de 19 anos que está fazendo sucesso na Grã-Bretanha. Além de ser bonita, alta, magra e morena dos olhos verdes, a jovem tem algo que a torna diferente: ela foi descoberta por um fotógrafo e definida como "uma garota com uma característica especial que capta todos os olhares". "Tem um olho a pestanejar, e outro me fita", diria poeticamente a música "Tanto Amar", de Chico Buarque. Sim, Molly é estrábica, completamente vesga. Mas o detalhe parece não atrapalhar a modelo. Pelo contrário, parece ser o motivo de sua notoriedade na carreira Reprodução Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa norte-americana Katrina Barker Anderson, 30, é seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias e realizou um projeto em que registra mulheres mórmons nuas. Segundo ela, os ensaios são uma crítica aos rígidos códigos de comportamento impostos pela religião e tem como objetivo "normalizar a nudez". A iniciativa já reuniu mais de 30 mulheres mórmons voluntárias desde que começou, em 2012. "Eu sei que as imagens podem ser ferramentas muito poderosas para a mudança", revelou Katrina ao Daily Mail. "Para as mulheres que optaram por serem fotografadas, este ato de expressão artística as ajuda a usarem seus corpos como forma de protestos contra um sistema que lhes pede para andarem cobertas". Na imagem, a voluntária Grace aparece em cliques feitos por Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - Segundo a fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, o projeto idealizado por ela com registros de mulheres mórmons nuas busca criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. Apesar da possibilidade de ser condenada por sua comunidade religiosa, Katrina revelou ao Daily Mail que foi "surpreendentemente fácil encontrar voluntárias". "Eu acho que todo mundo que se ofereceu tomou a possibilidade de mudança a sério. Eu certamente espero que continue assim. Acho que este projeto é absolutamente defensável artisticamente e não é uma razão para uma reprimenda da igreja mórmon". Na imagem, a voluntária Grace aparece nua em registros para o projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, ela registrou imagens da voluntária Grace Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, ela registrou imagens da voluntária Grace Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, ela registrou imagens da voluntária Grace Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, Ann posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, Ann posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, Ann posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, Ann posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na foto, o registro de Kara, uma das voluntárias do projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na foto, o registro de Kara, uma das voluntárias do projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na foto, o registro de Kara, uma das voluntárias do projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na foto, o registro de Kara, uma das voluntárias do projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na foto, o registro de Kara, uma das voluntárias do projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na foto, o registro de Kara, uma das voluntárias do projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Genevieve foi uma das mulheres que contribuiu para o projeto de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Genevieve foi uma das mulheres que contribuiu para o projeto de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Genevieve foi uma das mulheres que contribuiu para o projeto de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Genevieve foi uma das mulheres que contribuiu para o projeto de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Genevieve foi uma das mulheres que contribuiu para o projeto de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na foto, a voluntária identificada apenas como J. posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na foto, a voluntária identificada apenas como J. posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na foto, a voluntária identificada apenas como J. posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Lisset quis fazer parte do projeto e mostrou a nova fase que vive com seu corpo. Nos registros, ela aparece grávida Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Lisset quis fazer parte do projeto e mostrou a nova fase que vive com seu corpo. Nos registros, ela aparece grávida Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Lisset quis fazer parte do projeto e mostrou a nova fase que vive com seu corpo. Nos registros, ela aparece grávida Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Lisset quis fazer parte do projeto e mostrou a nova fase que vive com seu corpo. Nos registros, ela aparece grávida Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Lisset quis fazer parte do projeto e mostrou a nova fase que vive com seu corpo. Nos registros, ela aparece grávida Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. A mamãe Katie posou para as lentes de Katrina mostrando seu corpo após ter dado à luz e a relação que mantém com seus bebês Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. A mamãe Katie posou para as lentes de Katrina mostrando seu corpo após ter dado à luz e a relação que mantém com seus bebês Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. A mamãe Katie posou para as lentes de Katrina mostrando seu corpo após ter dado à luz e a relação que mantém com seus bebês Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. A mamãe Katie posou para as lentes de Katrina mostrando seu corpo após ter dado à luz e a relação que mantém com seus bebês Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. A mamãe Katie posou para as lentes de Katrina mostrando seu corpo após ter dado à luz e a relação que mantém com seus bebês Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. A mamãe Katie posou para as lentes de Katrina mostrando seu corpo após ter dado à luz e a relação que mantém com seus bebês Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. A mamãe Katie posou para as lentes de Katrina mostrando seu corpo após ter dado à luz e a relação que mantém com seus bebês Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. A mamãe Katie posou para as lentes de Katrina mostrando seu corpo após ter dado à luz e a relação que mantém com seus bebês Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Monica foi uma das voluntárias que abraçou a causa e aceitou posar nua para o projeto da fotógrafa Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Monica foi uma das voluntárias que abraçou a causa e aceitou posar nua para o projeto da fotógrafa Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Monica foi uma das voluntárias que abraçou a causa e aceitou posar nua para o projeto da fotógrafa Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Monica foi uma das voluntárias que abraçou a causa e aceitou posar nua para o projeto da fotógrafa Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, um registro de Renee feito pela fotógrafa Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, um registro de Renee feito pela fotógrafa Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, um registro de Renee feito pela fotógrafa Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, um registro de Renee feito pela fotógrafa Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, Kathy posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, Kathy posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, Kathy posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Na imagem, Kathy posa para as lentes de Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Amanda é uma das voluntárias que aceitou posar para o projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Amanda é uma das voluntárias que aceitou posar para o projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Amanda é uma das voluntárias que aceitou posar para o projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Amanda é uma das voluntárias que aceitou posar para o projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Amanda é uma das voluntárias que aceitou posar para o projeto Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Macy é a voluntária que aparece na imagem registrada por Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Macy é a voluntária que aparece na imagem registrada por Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

28.nov.2013 - A fotógrafa Katrina Barker Anderson, 30, seguidora da Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias, idealizou um projeto com registros de mulheres mórmons nuas como forma de criticar os códigos de comportamento impostos pela religião às mulheres. No entanto, ela acredita que a iniciativa pode ir além. Katrina revelou ao Daily Mail que espera agora que o projeto também toque mulheres fora da religião sobre a importância de lutar contra códigos rígidos de comportamento feminino. Macy é a voluntária que aparece na imagem registrada por Katrina Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

A fotógrafa francesa Erica Simone, 25, ganhou destaque nos EUA com seu novo projeto, o "Nue York: Self-Portraits of a Bare Urban Citizen" (Nua York: autorretratos de uma cidadã urbana comum, em tradução livre). Em vez de usar modelos, Érica registra ela mesma enquanto recria cenas do cotidiano do nova-iorquino, mas totalmente nua Katrina Barker Anderson/Divulgação Mais

29.nov.13 - A fotógrafa francesa Erica Simone, 25, ganhou destaque nos EUA com seu novo projeto, o "Nue York: Self-Portraits of a Bare Urban Citizen" (Nua York: autorretratos de uma cidadã urbana comum, em tradução livre). Em vez de usar modelos, Érica registra ela mesma enquanto recria cenas do cotidiano do nova-iorquino, mas totalmente nua Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - A fotógrafa francesa Erica Simone, 25, ganhou destaque nos EUA com seu novo projeto, o "Nue York: Self-Portraits of a Bare Urban Citizen" (Nua York: autorretratos de uma cidadã urbana comum, em tradução livre). Em vez de usar modelos, Érica registra ela mesma enquanto recria cenas do cotidiano do nova-iorquino, mas totalmente nua Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - As 20 imagens criadas pela francesa vão ser expostas em uma galeria de arte na cidade de Nova York em dezembro, mas a data ainda não foi definida Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - A inspiração de Erica foi a Fashion Week de alguns anos atrás. "Estava sentada pensando sobre estilo, e comecei a pensar como seria se não existisse moda. Se não existisse nada para mostrar quem somos, nos diferenciar, mostrar nosso nível social e tudo mais", revela a francesa em entrevista ao Daily News Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - O topless é permitido para homens e mulheres na cidade de Nova York, mas Erica acha que a lei deve ir além. "Não é sobre sexo, é bobo. É loucura ficar nu ser contra a lei", afirma a artista Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - Apesar de não ser permitida a nudez completa em Nova York, Erica Simone conta que não teve problemas com a polícia. Na foto acima, ela apenas simula uma situação do cotidiano da cidade Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - Erica Simone contou apenas com a colaboração de pessoas comuns para recriar algumas das 20 cenas do seu trabalho Reprodução/Erica Simone Mais

- 29.nov.13 - A fotógrafa francesa Erica Simone, 25, ganhou destaque nos EUA com seu novo projeto, o "Nue York: Self-Portraits of a Bare Urban Citizen" (Nua York: autorretratos de uma cidadã urbana comum, em tradução livre). Em vez de usar modelos, Érica registra ela mesma enquanto recria cenas do cotidiano do nova-iorquino, mas totalmente nua Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - Érica simula cenas do cotidiano da cidade de Nova York sem usar roupas no projeto "Nue York: Self-Portraits of a Bare Urban Citizen" (Nua York: auto-retratos de uma cidadã urbana comum, em tradução livre) Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - Erica Simone conta que teve medo de começar o projeto. "No começo eu pensava se tinha capacidade para fazer isso mesmo. Não sou exatamente uma exibicionista", afirma a fotógrafa Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - Erica não teve a ajuda de mais ninguém para realizar as fotos. A artista usou uma máquina com sensores que era ativada assim que ela ficava totalmente nua Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - Érica simula cenas do cotidiano da cidade de Nova York sem usar roupas no projeto "Nue York: Self-Portraits of a Bare Urban Citizen" (Nua York: autorretratos de uma cidadã urbana comum, em tradução livre) Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - Pontos famosos da cidade também aparecem nas fotografias. Na imagem acima, ela aproveita para comer um cachorro-quente em uma das mais famosas lanchonetes da região Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - Sem se preocupar com o movimento na cidade, Erica tirou as fotos - e a roupa - sem ajuda de outra pessoa Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - Erica Simone contou apenas com a colaboração de pessoas comuns para recriar algumas das 20 cenas do seu trabalho Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - As 20 imagens criadas pela francesa vão ser expostas em uma galeria de arte na cidade de Nova York em dezembro, mas a data ainda não foi definida Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - A inspiração de Erica foi a Fashion Week de alguns anos atrás. "Estava sentada pensando sobre estilo, e comecei a pensar como seria se não existisse moda. Se não existisse nada para mostrar quem somos, nos diferenciar, mostrar nosso nível social e tudo mais", revela a francesa em entrevista ao Daily News Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - Completamente nua, a francesa Erica Simone recria cenas do cotidiano nova-iorquino para o projeto "Nue York: Self-Portraits of a Bare Urban Citizen" (Nua York: auto-retratos de uma cidadã urbana comum, em tradução livre) Reprodução/Erica Simone Mais

29.nov.13 - O metrô é mais um dos cenários usados por Erica, que incluem os mais diversos pontos da cidade Reprodução/Erica Simone Mais

- 29.nov.13 - A fotógrafa francesa Erica Simone, 25, ganhou destaque nos EUA com seu novo projeto, o "Nue York: Self-Portraits of a Bare Urban Citizen" (Nua York: autorretratos de uma cidadã urbana comum, em tradução livre). Em vez de usar modelos, Érica registra ela mesma enquanto recria cenas do cotidiano do nova-iorquino, mas totalmente nua Reprodução/Erica Simone Mais

A designer de interiores Manuela Mitre e o marido, André Freire, permitiram que o fotógrafo da Agência Reuters Nacho Doce registrasse a chegada do segundo filho, Gael, no último dia 6. O parto foi realizado em uma piscina na casa do casal, em São Paulo, com a presença da obstetriz Cristina Balzano, uma assistente e da pediatra Ana Paula Caldas. Reuters/Nacho Doce Mais

A designer Manuela Mitre foi auxiliada por doulas e o parto contou com a presença do marido e da filha pequena. Reuters/Nacho Doce Mais

Andre Freire e a filha mais velha do casal observam Manuela Mitre abraçar o recém-nascido Gael. Reuters/Nacho Doce Mais

Manuela Mitre abraça o filho, Gael, logo após o parto. Ficar ao lado do filho é algo que não acontece após partos cirúrgicos - nos hospitais, a mãe vai para a ala de recuperação enquanto o bebê é atendido pela equipe médica e de enfermagem. Reuters/Nacho Doce Mais

Andre Freire e a filha de 2 anos, Alice, esvaziam a água cheia de sangue da banheira após o parto de Manuela Mitre na casa do casal, em São Paulo. Reuters/Nacho Doce Mais

Andre Freire ajuda a mulher, Manuela Mitre, a sair da banheira com o pequeno Gael no colo. Reuters/Nacho Doce Mais

Gael é pesado após o parto feito em casa. Reuters/Nacho Doce Mais

4.dez.2013 - A capitã do time de rúgbi da Universidade de Oxford, Tatiana Cutts, de 25 anos, aparece na imagem jogando uma colega no rio. As universitárias posaram sem roupa para um calendário beneficente. A jovem comentou em entrevista ao Daily Mail a experiência vivida por ela e suas companheiras: "Foi um pouco desesperador no início, mas depois de um minuto foi uma boa diversão e ótimo para entrosamento da equipe. Tivemos sorte que era um dia ensolarado, mas estava absolutamente frio. Quando tivemos que posar no rio, foi difícil", contou Divulgação Mais

4.dez.2013 - Nuas por uma boa causa. As estudantes da Universidade de Oxford, na Inglaterra, que integram a equipe de rúgbi, resolveram fazer um ensaio nu com o objetivo de ajudar a instituição de caridade britânica "Mind Your Head", que cuida de deficientes mentais. As garotas foram fotografadas nuas e com alguns cliques inspirados no esporte que praticam para a organização de um calendário Divulgação Mais

4.dez.2013 - O calendário protagonizado pelas jogadoras do time de rúgbi da Universidade de Oxford, na Inglaterra, é vendido pelo site do time na internet. Cada um custa cerca de R$ 39, mais encargos de postagens. Uma libra (R$ 3,90) de cada calendário será destinada à instituição beneficente "Mind Your Head", que cuida de deficientes mentais Divulgação Mais