Estudo diz que maioria dos brasileiros está infeliz no sexo; veja dez razões

Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.bol.uol.com.br/fotos/entretenimento/2014/04/07/estudo-diz-que-maioria-dos-brasileiros-esta-infeliz-no-sexo-veja-dez-razoes.htm
  • totalImagens: 11
  • fotoInicial: 1
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20140407070200
    • Comportamento - Sexo [11804];
Fotos

"O sexo no Brasil não é satisfatório para uma boa porcentagem da população", de acordo com Carmita Abdo, psiquiatra e coordenadora do ProSex (Programa de Estudos em Sexualidade) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo). A informação é confirmada pela pesquisa Durex Global Sex Survey, conduzida pela fabricante de preservativos com 1.004 brasileiros de forma anônima. O estudo mostrou que 51% dos homens e 56% das mulheres estão insatisfeitos com a vida sexual. Por que o sexo anda tão ruim? Além de Carmita, a ginecologista Caroline Nakano Vitorino, especialista em Sexualidade Humana pela Faculdade de Medicina da USP, e o psicólogo Oswaldo Rodrigues Júnior, diretor do Inpasex (Instituto Paulista de Sexualidade), ajudaram o UOL Comportamento a levantar as principais razões dessa insatisfação. Por Yannik D'Elboux, do UOL, no Rio de Janeiro Leh Latte/UOL Mais

FAMA DO BRASILEIRO: a comparação com a ideia que o mundo tem do brasileiro, visto como bem resolvido e bom de cama, interfere na vida sexual. Nem sempre tudo o que costumam dizer por aí condiz com o que acontece entre quatro paredes. "A pessoa começa a ficar insatisfeita, pois a percepção que o mundo tem da sua sexualidade não corresponde ao que ela efetivamente faz", explica a psiquiatra Carmita Abdo. Ater-se a um padrão inexistente só atrapalha, levando a estabelecer expectativas às vezes altas demais Leh Latte/UOL Mais

FALTA DE SINTONIA DO CASAL: enquanto um está com vontade de transar pela manhã, o outro prefere esperar a noite chegar. Duas relações sexuais por semana satisfaz um, porém é demais para o outro. A inadequação entre os casais, de desejo, frequência e práticas, é uma das principais causas da insatisfação. "Existem dificuldades em lidar com as diferenças do outro e com a frustração de não ter o que se gosta", afirma o psicólogo Oswaldo Rodrigues, diretor do Inpasex Leh Latte/UOL Mais

MITOS, TABUS E PRECONCEITOS: tamanho do pênis, orgasmos múltiplos e quantidade de relações sexuais ainda são preocupações dos brasileiros. Mitos relacionados a esses aspectos, além de muitos tabus e preconceitos, prejudicam a qualidade da vida sexual. Na pesquisa promovida pela Durex, apenas 7% declararam não ter tabus sobre sexo. "Somos uma sociedade que se formou em uma estrutura patriarcal, machista e com conceitos religiosos rígidos", diz a ginecologista e sexóloga Caroline Nakano Vitorino Leh Latte/UOL Mais

DIFICULDADES SEXUAIS: segundo a psiquiatra da USP Carmita Abdo, cerca de 25% dos homens sofrem de ejaculação precoce. Os problemas de ereção atingem de 30% a 45% da população masculina, dependendo da faixa etária. Entre as mulheres, um terço nunca chegou ao orgasmo e muitas reclamam da falta de desejo sexual. Essas relevantes dificuldades sexuais impedem o exercício pleno da sexualidade. "Existem tratamentos para todos esses problemas, que poderiam deixar de ser mais um fator de insatisfação", afirma Carmita Leh Latte/UOL Mais

VERGONHA DE BUSCAR TRATAMENTO: apesar dos altos índices de dificuldade sexual no Brasil, poucos procuram ajuda. O estudo da Durex mostrou que mais de 60% dos entrevistados têm dificuldade em admitir um problema sexual. Os pacientes com essas queixas costumam demorar de dois a cinco anos para buscar tratamento. Muitos acabam mascarando a situação. "O brasileiro usa desculpas sociais que são compreendidas como justificativas verdadeiras pelos outros. Um exemplo é o trabalho ou o estresse", observa o psicólogo Oswaldo Rodrigues Leh Latte/UOL Mais

PROBLEMAS DE SAÚDE: uma vida sexual satisfatória depende, também, do estado geral da saúde física e emocional do indivíduo. Problemas como diabetes, alterações hormonais e obesidade influenciam na capacidade e disposição para o sexo. "Ansiedade, depressão, hipertensão e problemas cardiovasculares são apenas algumas das doenças que ocorrem ao longo da vida da pessoa e interferem na vida sexual", acrescenta a psiquiatra Carmita Abdo Leh Latte/UOL Mais

RELACIONAMENTOS SUPERFICIAIS: "As pessoas querem se relacionar sem se envolver, sem ter frustrações. Logo, têm relacionamentos fugazes e superficiais, que também geram relações sexuais fugazes, superficiais, virtuais, descomprometidas e, consequentemente, insatisfatórias", diz a ginecologista e sexóloga Caroline Nakano Vitorino. Na ânsia de encontrar sexo rápido, muitas vezes, as pessoas não desenvolvem a empatia e intimidade necessárias para um bom entrosamento na cama e fora dela Leh Latte/UOL Mais

DESAJUSTE NAS PRELIMINARES: na pesquisa da Durex, 40% dos entrevistados disseram dedicar de seis a 15 minutos para as preliminares. De modo geral, as preliminares sexuais costumam ser mais importantes para as mulheres. O problema não está na quantidade de tempo, mas no ajuste capaz de satisfazer os dois, para que a prática não seja rápida demais para a mulher nem entediante para o homem. "A qualidade da relação sexual também depende das preliminares sexuais, pois elas preparam para o orgasmo", afirma o psciólogo especializado em sexualidade Oswaldo Rodrigues Leh Latte/UOL Mais

REPERTÓRIO SEXUAL POBRE: o brasileiro está precisando variar um pouco mais o cardápio para melhorar sua satisfação sexual. Para a médica Caroline Vitorino, a falta de informações úteis, aliada aos mitos e tabus, fazem com que as pessoas adotem práticas sexuais repetidas no cotidiano, que não valorizam o relacionamento. "Criatividade, senso de humor, felicidade e iniciativa são bons temperos para incrementar esse repertório", fale a ginecologista e sexóloga Leh Latte/UOL Mais

COMUNICAÇÃO NA HORA ERRADA: não basta falar com o parceiro sobre as necessidades sexuais, é preciso escolher o momento certo. Segundo a psiquiatra Carmita Abdo, muitos só lembram dos problemas na hora do sexo, quando falar sobre isso, geralmente, piora ainda mais a situação. "A comunicação sobre o sexo poderia e deveria ir além do momento do ato", orienta. As mulheres costumam ter mais dificuldade do que os homens em expressar seus desejos Leh Latte/UOL Mais

Comente no Facebook