Por dentro da coleção de Zero Freitas

Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.bol.uol.com.br/fotos/entretenimento/2014/08/18/por-dentro-da-colecao-de-zero-freitas.htm
  • totalImagens: 31
  • fotoInicial: 1
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20140818184735
    • Zero Freitas [75169];
    • Música [22797]; Vinil [32301];
Fotos

O empresário e sonoplasta Zero Freitas virou notícia depois que o jornal "New York Times" publicou um perfil sobre ele e sua coleção de quase 5 milhões de vinis. Descoberto após grandes compras de diversos donos de lojas de discos nos Estados Unidos, José Roberto Alves Freitas é um dos donos de uma transportadora e sócio de uma empresa de iluminação para shows e peças de teatro. Amante da música, ele não pensa tão cedo em estacionar sua coleção nos números quem tem hoje e quer, inclusive, expandir a quantidade de álbuns nacionais que possui, atualmente com 250 mil cópias em seu acervo Junior Lago/UOL Mais

PRIMEIROS DISCOS ::: Zero começou a comprar discos aos 11 anos de idade, com a mesada que recebia dos pais. O primeiro álbum foi "Roberto Carlos Canta para a Juventude", no início de 1965, e nas duas semanas seguintes comprou "Beatlemania" ("With the Beatles", na edição inglesa, e "Meet the Beatles", na edição norte-americana), edição brasileira do segundo álbum de estúdio do quarteto de Liverpool, e "Meus 18 Anos", da cantora italiana Rita Pavone Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES ::: "'Piano Concerto', de Villa-Lobos, por causa do autógrafo dele, é um dos mais raros que tenho", diz Zero Freitas. O álbum foi lançado em 1949 e traz a assinatura do maestro e compositor tanto na contracapa quanto no selo --um hábito antigo dos artistas, porque os discos de 78 rotações vinham com capas frágeis. A dedicatória data de agosto de 1953: "Ao amigo Paulo Santos, lembrança grata de Villa-Lobos". À frente dos programas "Tempo de Jazz" e "Encontro com o Jazz" na rádio MEC, Santos era respeitado pela classe artística. Freitas tem ainda um outro álbum da cantora de jazz Ella Fitzgerald com autógrafo dedicado ao radialista brasileiro Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES ::: Detalhe do autógrafo de Heitor Villa Lobos no selo do disco "Piano Concerto", lançado em 1949 --um hábito antigo dos artistas, porque os discos de 78 rotações vinham com capas frágeis. A dedicatória data de agosto de 1953: "Ao amigo Paulo Santos, lembrança grata de Villa-Lobos". À frente dos programas "Tempo de Jazz" e "Encontro com o Jazz" na rádio MEC, Santos era respeitado pela classe artística. Freitas tem ainda um outro álbum da cantora de jazz Ella Fitzgerald com autógrafo dedicado ao radialista brasileiro Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES ::: A coletânea de Bidu Sayão foi um dos discos mais difíceis que Zero conseguiu para sua coleção. "Tem algumas coisas que são tão difíceis que eu sequer sabia da existência (risos)", diz. "Esse material da Bidu Sayão eu comprei por US$ 1 quando comecei a usar o eBay, em 2000. Foi a descoberta de um mundo que eu não tinha acesso." Trata-se de uma coletânea em edição de luxo com três discos de 78 rotações, alguns registros dos espetáculos onde ela era titular no Metropolitan Opera House, em Nova York. A soprano brasileira morreu nos Estados Unidos em 1999 Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES NACIONAIS ::: Entre alguns dos itens que Zero aponta como mais especiais em sua coleção está o primeiro álbum do sambista Cartola, homônimo, lançado em 1974 e com uma dedicatória. O empresário diz que conseguiu o álbum de graça em um lote de uma igreja evangélica do Rio de Janeiro. "Cartola geralmente não assinava os discos, só autografava para pessoas de sua intimidade". O vinil traz uma dedicatória especial: "Para preta, com respeito e admiração. Angenor de Oliveira" Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES NACIONAIS ::: Detalhe da dedicatória deixada por Cartola no disco homônimo, lançado em 1974, em que se lê: "Para preta, com respeito e admiração. Angenor de Oliveira". Zero diz que conseguiu de graça o primeiro álbum do sambista em um lote de uma igreja evangélica do Rio de Janeiro. "Cartola geralmente não assinava os discos, só autografava para pessoas de sua intimidade" Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES NACIONAIS ::: Na imagem, duas das cópias originais que Zero Freitas conseguiu do primeiro álbum dos Mutantes, homônimo, lançado em 1968. "Se um deles deve valer U$S 1 mil, o autografado deve valer US$ 5 mil, dez vezes mais (risos)", diz. Assinado na contracapa por Rita Lee, Arnaldo Baptista e Sérgio Dias, as dedicatórias, ao que parece, foram para uma amiga próxima da banda chamada Cristina ("Tininha" e "Cristininha", como carinhosamente escreverem os músicos) Junior Lago/UOL Mais

CURIOSIDADE ::: Na coleção de Zero Freitas está o álbum "Outra Luz", de 1990, de quando Zélia Duncan ainda assinava profissionalmente como Zélia Cristina Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES DE ROBERTO CARLOS ::: Quem gosta de vinil bem sabe o valor destas três edições originais que Zero Freitas afirma não vender por nada nesse mundo: "Louco por Você", primeiro disco de Roberto Carlos, lançado em 1961, e renegado até hoje pelo cantor. "A gravadora colocou no mercado 500 cópias e logo depois ele foi demitido", conta. "E Roberto renega tanto esse disco que, depois que ele ficou por cima da carne seca, a equipe dele já conseguiu reaver pelo menos 400 cópias". Das três cópias que ele mostrou à reportagem do UOL, disse que uma delas deve valer em torno de US$ 1 mil, por causa de imperfeições na capa e uma das faixas completamente riscada, e as outras duas, US$ 3 mil cada Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES DE ROBERTO CARLOS ::: A capa do disco "To Each His Own", de Ken Griffin (1956), é um dos motivos que fez Roberto Carlos ser demitido de sua gravadora, quando lançou "Louco Por Você", sua estreia em 1961. "E aí você entende um dos motivos pelos quais ele ter tido tanta bronca desse disco", diz Zero. "Esse não vale meio dólar e eu paguei US$ 1, mas qualquer colecionador de Roberto Carlos vai pedir US$ 200 por ele (risos). O cara é um organista norte-americano medíocre e a CBS usou a mesma foto de arquivo para ambos os discos" Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES JOVEM GUARDA ::: A prática de utilizar a mesma foto para lançamentos diferentes era em parte comum no tratamento da gravadora com os artistas nacionais. Outro caso foi com o grupo da Jovem Guarda, Renato e Seus Blue Caps: tanto o álbum deles quanto o de Les & Larry Elgart, "Elgart Au Go-Go", têm lançamento datado de 1965 e a mesma imagem de capa liberada pela Columbia. "É aquela coisa de 'ah, é país de terceiro mundo, usa a mesma imagem para economizar e ninguém vai saber", brinca Zero. "E veja que não é qualquer disco. Tem pelo menos uns quatro clássicos extraordinários da Jovem Guarda, entre eles 'O Escândalo', aquela do 'capeta em forma de guri', além de traduções dos Beatles. E esse é um disco raro" Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES DE ROBERTO CARLOS::: Com mais de dois mil discos de Roberto Carlos na coleção de Zero Freitas, figura "Canzone Per Te" (1968), raro álbum de Roberto Carlos lançado pela CBS italiana Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES DE ROBERTO CARLOS ::: "Brazils Top Teen Star" é o primeiro álbum do cantor lançado nos Estados Unidos, em 1966. Nele estão canções como "Quero que Vá Tudo Pro Inferno", "O Velho Homem do Mar" e "Gosto do Jeitinho Dela" Junior Lago/UOL Mais

COMPACTOS RAROS ::: A primeira vez que se falou no Brasil industrialmente que um disco estourou e vendeu 500 mil cópias foi o compacto de "Pata Pata", da Miriam Makeba, em 1967. Mas muito antes disso, um outro compacto chegou a vender cerca de 3 milhões de cópias pelo Brasil em três anos: "O Povo Canta". Formado por intelectuais de esquerda, o CPC (Centro Popular de Cultura), além de receber financiamento da UNE (União Nacional dos Estudantes), se sustentava a partir de produções artísticas que envolviam expressões como as do cinema e da música. O disco "O Povo Canta" foi um desses materiais lançados, contando com a participação de nomes como Francisco de Assis e Carlos Lyra. "A partir de abril de 1964, quem tinha esse disco ou tacou fogo ou jogou pela janela", comenta Zero. "Consegui encontrar um no início dos anos 80. E nessa mesma década, durante o período de Anistia, Carlos Lyra refez o material e colocou no mercado em 1986 [compacto à direita]" Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES DE FUTEBOL ::: Torcedor da Portuguesa, Zero Freitas tem também um espaço dedicado aos materiais musicais relacionados ao futebol. Na imagem, alguns dos compactos de diversas épocas e times Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES DE FUTEBOL ::: Na imagem, um raro álbum do Palmeiras, contendo narração da participação do time no campeonato de 1959 e o hino do clube Patrícia Colombo/UOL Mais

RARIDADES DE FUTEBOL ::: O álbum autografado "Pelé, o Rei do Futebol" é um dos discos do jogador que Zero Freitas tem em sua coleção --além dos materiais gravados por ele junto à cantora Elis Regina Patrícia Colombo/UOL Mais

RARIDADES DE FUTEBOL ::: Na coleção temática sobre futebol, há um picture disc do São Paulo Futebol Clube datado da década de 1950 Patrícia Colombo/UOL Mais

RARIDADES PESSOAIS ::: Quando Paulo Vanzolini atuava como diretor do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, que fica na avenida Nazaré no bairro do Ipiranga, tinha o costume de passar em uma pequena loja de vinis ali perto para autografar, a pedido do dono, algumas cópias de seus álbuns que estavam à venda. Zero Freitas descobriu o fato e, na época do lançamento de "Por Ele Mesmo" (1981), levou as seis cópias que estavam na prateleira e que continham a seguinte assinatura: "Cumprimentos de Paulo Vanzolini na Mil Discos". "O que tem valor para mim nem sempre tem valor em termos de mercado de coleção", diz Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES PESSOAIS ::: Quando Paulo Vanzolini atuava como diretor do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, que fica na avenida Nazaré no bairro do Ipiranga, tinha o costume de passar em uma pequena loja de vinis ali perto para autografar, a pedido do dono, algumas cópias de seus álbuns que estavam à venda. Zero Freitas descobriu o fato e, na época do lançamento de "Por Ele Mesmo" (1981), levou as seis cópias que estavam na prateleira e que continham a seguinte assinatura: "Cumprimentos de Paulo Vanzolini na Mil Discos". "O que tem valor para mim nem sempre tem valor em termos de mercado de coleção", diz Junior Lago/UOL Mais

BEATLES ::: De sua coleção pessoal, Zero mostrou quatro edições originais do "Álbum Branco", dos Beatles (1968), entre elas, uma das que fez parte da primeira leva de edições nacionais com defeito de rotação. "Quando ouvi a primeira vez, achei um máximo. Não havia entendido que era problema de rotação. Tinha pensado que era experimentação e LSD puro (risos)", relembra o colecionador Junior Lago/UOL Mais

BEATLES ::: Uma das curiosidades é a comparação dos pôsteres das edições brasileira e britânica, no que se refere uma imagem especifica em que Paul McCartney aparece nu apenas tendo a região pélvica coberta por uma faixa branca. Na edição brasileira, a censura aumentou o tamanho da faixa para que os pelos pubianos do artista não aparecessem tanto. "Em termos musicais, não havia censura pesada com relação aos Beatles porque governo partia do princípio que as pessoas não sabiam falar inglês. Mas no caso de imagens, eles barravam", diz Zero. "E nessa época a gente saía correndo para comprar os discos no dia do lançamento que era para garantir na coleção caso a censura resolvesse retirar do mercado" Junior Lago/UOL Mais

BEATLES ::: Zero Freitas tem ainda dois picture discs dos Beatles, ambos lançados nos anos 60. O azul (à esquerda), segundo ele, é pirata, mas o recortado (à direita) é original Junior Lago/UOL Mais

BEATLES ::: Na coleção de Zero Freitas, o picture disc do Iron Maiden, "Running To The Final Frontier" (2012), referente à turnê de "The Final Frontier" que teve seu último show em 2011 Junior Lago/UOL Mais

ÁLBUNS RECENTES ::: Mas nem só de discos raros e antigos é composta a coleção de Zero Freitas. O empresário compra também lançamentos e outros materiais de artistas mais recentes, como é o caso do Coldplay ("Viva la Vida or Death and All His Friends", 2008) e do White Stripes (o ao vivo "Under Great White Northern Lights", 2010). Tem espaço até para coletâneas, como é o caso de "Love" (2006), dos Beatles Junior Lago/UOL Mais

POP-UP ::: Na coleção de Zero Freitas, o álbum "Stand Up", do Jethro Tull (1969), em edição original Junior Lago/UOL Mais

POP-UP ::: O álbum "Stand Up", do Jethro Tull (1969), também tem um pop-up no encarte com os integrantes da banda. "O formato de CD acabou com essa brincadeira na arte dos álbuns", comenta Zero Freitas Junior Lago/UOL Mais

RARIDADES TV ABERTA ::: "Essa foi a primeira vez que a Globo reuniu o elenco para clicar a imagem para o tema do especial de fim de ano da emissora", diz Zero. Segundo ele, o material institucional de 1973, distribuído gratuitamente para pessoas da mídia no Natal, se tratava de um encarte no formato de LP contendo algum vinil "encalhado" da Som Livre, além de um compacto com a conhecida canção "Um Novo Tempo (Hoje é um Novo Dia)", assinada por Marcos Valle Junior Lago/UOL Mais

MÚSICA E POLÍTICA ::: Zero Freitas ainda coleciona vinis que contêm dedicatórias a políticos brasileiros. Na imagem, um álbum da cantora Adriana com autógrafo datado de 30 de outubro de 1979 para então presidente João Figueiredo. "Ontem esperança, hoje certeza --com todo o meu carinho e respeito ofereço este disco esperando que o mesmo seja um obstáculo no possível caminho do esquecimento. Obs: Escute 'O Cara'" Junior Lago/UOL Mais

MÚSICA E POLÍTICA ::: "Ao querido casal Paulo e Silvia (sic) Maluf. Com amor e admiração pela luta", assinou Rosa Maria um de seus discos, um registro ao vivo na boate paulistana Gallery, que hoje integra a coleção de Zero Freitas Junior Lago/UOL Mais

Comente no Facebook