"Bala soft nada. Sobrevivi a...": 13 músicos falam de quando eram crianças

Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.bol.uol.com.br/fotos/entretenimento/2017/10/12/andreas-kisser-mallu-magalhaes-supla-e-joao-suplicy.htm
  • totalImagens: 14
  • fotoInicial: 1
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20171012040000
    • Música [22797]; Entretenimento [22798];
Fotos

Quem foi criança nos anos 80 não esquece das deliciosas (e malditas) balas Soft. E quem não foi, de um jeito ou de outro, ouviu algum caso de engasgamento com a balinha nada inocente. Até hoje isso é assunto nas rodinhas. Tinha que ter coragem quando se era criança para chupar uma Soft. Perguntei aos artistas: "Que bala Soft que nada, eu sobrevivi...". Veja abaixo as respostas: Montagem UOL Mais

Andreas Kisser, do Sepultura

"Que bala Soft nada, eu sobrevivi a uma operação para uma retirada de um rim, do lado direito quando tinha um ano e meio de idade. Tenho somente um rim desde então e uma vida saudável e feliz! Obrigado aos meus pais que zelaram pela minha saúde, segurança e me deram educação e direção. Berço é tudo!" Arquivo pessoal Mais

Ana Cañas, cantora

"Eu não só sobrevivi a muitas balas Soft como entendi que a bala Soft é uma grande metáfora da vida. Porque apesar dela ser colorida e muito atraente, ela é muito dura. Você engasga e passa mal. Tem que tomar cuidado! Não coma todas as balas do pote, certo? (rs). Feliz dia das crianças, gente!" Arquivo pessoal Mais

Mallu Magalhães, cantora

"Sobrevivi ao chá de bife ou chá de carne para ficar forte" Arquivo pessoal Mais

Henrique Portugal, do Skank

"Que bala Soft nada, somos cinco irmãos sobreviventes de aventuras, correndo atrás de pipas nos telhados. Eram os nossos drones controlados por linha branca número 10, com cerol feito de cola branca com pedaços de lâmpada moídos" Arquivo pessoal Mais

Érika Martins, do Autoramas

"Eu sobrevivi ao politicamente incorreto! A fofolete que vinha em uma caixa de fósforo e no prospecto dentro, aparecia com cigarros, bebida, numa mesa de jogos! "Os trapalhões" e suas piadas misóginas, racistas, homofóbicas. E não virei um monstro por isso, né? Pelo contrário, me deu ótica e referência do que não ser" Arquivo pessoal Mais

Supla, cantor

"Eu sobrevivi ao Life Savers, um drops colorido americano" Arquivo pessoal Mais

Badauí, vocalista do CPM22

"Eu sobrevivi a uma nefasta ditadura, a um desgraçado Plano Collor e uma banalização da cultura brasileira! Mas continuo com esperança e amor pelo meu país!!" Arquivo pessoal Mais

Lary, funkeira

"Que bala Soft nada, eu sobrevivi a muitas chuteiras furadas, ralados no joelho e galos na cabeça!" Arquivo pessoal Mais

Japinha, baterista do CPM22

"Sobrevivi a ditadura militar e a censura nas letras das bandas de rock" Arquivo pessoal Mais

João Suplicy, cantor

"Que bala Soft nada, eu sobrevivi às 'balas Collor', muito mais perigosas" Arquivo Pessoal Mais

Gabriel Thomaz, do Autoramas

"Eu sobrevivi aos Kikos Marinhos, a decepção que o pozinho que vinha no envelopinho não virava aqueles bichinhos subaquáticos simpáticos, desenhados nas revistinhas, foi gigantesca." Arquivo pessoal Mais

Egypcio, do Urbana Legion

"Sobrevivi mesmo. Me engasguei, e se não fosse uma tia minha dar um soco nas minhas costas, não estaria aqui pra contar kkkkk. A bala saiu como um tiro de canhão de dentro de mim. Maldita bala Soft" Arquivo pessoal Mais

Tico Santa Cruz, do Detonautas

"Eu sobrevivi as linhas de pipa com cerol e aos discos da Xuxa rodando ao contrário" Arquivo pessoal Mais

Comente no Facebook