"Explodiram o carro de um trabalhador", diz dono de veículo destruído por manifestantes no Rio

Hanrrikson de Andrade
Do UOL, no Rio

  • Sergio Moraes/Reuters

    Carro é incendiado por participantes do quinto ato contra o aumento da tarifa de ônibus

    Carro é incendiado por participantes do quinto ato contra o aumento da tarifa de ônibus

O operador de áudio Fabrício Ferreira afirmou ao UOL ter ficado desesperado quando, da janela do edifício da Rádio Manchete, na rua da Assembleia, viu seu carro explodir após ser incendiado pelos manifestantes que participavam do quinto ato contra o aumento da tarifa de ônibus, nesta segunda-feira (17), no centro do Rio de Janeiro.

"Explodiram o carro de um trabalhador. Acho que a gente tem que correr atrás dos nossos direitos, mas de uma forma pacífica, ordeira. Se eu tiver que me manifestar, vou fazer isso, mas não virando e colocando no fogo no carro de outra pessoa", disse.

O carro de Ferreira, um Ford Versailles 1993, foi comprado no ano passado, e ele ainda estava pagando as prestações. "Eu vi tudo. Assisti a tudo sem poder descer do prédio. É claro que bate o desespero", afirmou.

"Assim eles [manifestantes] estragam o movimento. Eles acabam perdendo a razão porque estão forçando a barra", completou.

Protestos contra o aumento da tarifa do transporte coletivo
Protestos contra o aumento da tarifa do transporte coletivo

Centro do Rio vira campo de batalha

Os manifestantes que seguiram da Cinelândia para a Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) envolveram-se em uma confusão iniciada após a explosão de uma bomba na rua Araújo Porto Alegre, nas imediações da ABI (Associação Brasileira de Imprensa). Os manifestantes soltavam fogos de artifício no momento em que a bomba explodiu.

Segundo informações da PM, grupos de jovens tentam invadir o prédio da Alerj. Um coquetel molotov foi lançado em direção ao edifício e atingiu a porta da Alerj. Policiais militares do Batalhão de Choque utilizam balas de borracha, bombas de gás e spray de pimenta na tentativa de dispersar os manifestantes.

De acordo com a publicitária Arícia Lúcio, que buscou refúgio em um prédio da rua da Assembleia, que fica a poucos metros da Alerj, muitos tiros são ouvidos neste momento. "Eles [manifestantes] estavam soltando fogos e, de repente, uma bomba explodiu. Foi muita correria", disse.

Agentes à paisana da Polícia Civil detiveram uma pessoa logo no começo da confusão. Um grupo de PMs chegou a ser encurralado pelos manifestantes, mas os agentes conseguiram dispersá-los utilizando balas de borracha.

  • 9737
  • true
  • http://noticias.uol.com.br/enquetes/2013/06/12/voce-acha-que-protestos-podem-levar-a-reducao-do-preco-da-tarifa-do-transporte-publico.js

Pelo menos 40 mil pessoas participam da manifestação na avenida Rio Branco, uma das principais vias do centro do Rio, segundo a PM. A polícia esperava até 10 mil pessoas. Os manifestantes, que iniciaram o protesto às 17h23, fecharam a avenida Rio Branco e caminharam em direção à Cinelândia.

Mais cedo, ainda na Cinelândia, houve um princípio de confusão depois que um grupo de punks queimou uma bandeira do Brasil nas proximidades do Theatro Municipal. O protesto seguia pacífico até então.

Houve correria e uma discussão acalorada entre os próprios manifestantes, que repreenderam a atitude dos jovens que colocaram fogo na bandeira. Passado o susto, centenas de pessoas vaiaram os punks e gritaram palavras de ordem contra a violência.

Os manifestantes reclamam do aumento de R$ 2,75 para R$ 2,95, cujo reajuste entrou em vigor no dia 1º de junho. O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), já sinalizou publicamente não pretender revogar o aumento, pois o mesmo está "dentro de regras estabelecidas em contrato".

"Não são R$ 0,20. Isso é uma demanda reprimida, reflexo da falta de perspectiva dos jovens. O transporte também é péssimo. Andamos em chassi de caminhão travestido de ônibus", disse o desempregado Carlos Piragibe, 56, que participa de sua segunda passeata. "Vim em duas e voltarei em todas que tiverem", completou.

Acompanhados por três carros da Polícia Militar e mais de 150 agentes do 5º BPM (Praça Tiradentes), os manifestantes entoavam palavras de ordem e cânticos de protesto. Uma das canções tinha a seguinte mensagem: "Se a passagem não baixar, o Rio vai parar". Os organizadores da passeata improvisaram uma banda formada por jovens ritmistas.

O primeiro pelotão de manifestantes carregava uma grande faixa amarela que diz: "Não é por centavos, é por direitos". Além disso, muitas pessoas exibem flores brancas e pedem para que os curiosos tomem a avenida Rio Branco: "Vem, vem, vem para a rua vem", gritam eles.

Além da principal reivindicação, a do aumento da passagem, há pessoas que expõem suas opiniões em relação a outros assuntos polêmicos, tais como a aprovação da PEC 37, a paralisação do bondinho de Santa Teresa, as péssimas condições do sistema público de ensino, entre outros.

Confira os quatro dias de protesto em imagens

  • Barras de ferro e pedaços de material de construção amanhecem em palco de protesto

  • Protestos pelo mundo, como este em Berlim, manifestam apoio aos atos no Brasil

  • Fotógrafos protestaram contra a violência da PM em relação aos jornalistas

  • Manifestante preso no protesto no dia 11 é solto em SP

  • Policial atinge cinegrafista com spray de pimenta

  • PM agride clientes de um bar na avenida Paulista

  • Policial atira bombas contra manifestantes

  • Cartaz faz referência à música Cálice, de Chico Buarque, escrita durante a ditadura

  • Manifestantes se ajoelham para tentar se proteger de ação policial

  • Mulher anda de bicicleta em meio a confronto entre policiais e manifestantes

  • Garota segura flor enquanto usa orelhão pichado durante protesto

  • Mulher é ferida na cabeça ao passar por confronto entre polícia e manifestantes

  • Policial atira contra manifestantes em rua do centro de São Paulo

  • Vídeo mostra policial quebrando o vidro do próprio carro da polícia em SP

  • Manifestante faz sinal da paz para policiais

  • Policial Militar aponta arma para se defender de agressores

  • Manifestantes se ajoelham diante de PMs durante protesto na avenida Paulista

  • Policial tenta apagar fogo provocado por manifestantes

  • Manifestantes fazem fogueira durante protesto contra o aumento das passagens

  • Manifestantes tomam a avenida Paulista no segundo protesto

  • Multidão participa do primeiro protesto contra a aumento na tarifa de ônibus

Últimas notícias Ver mais notícias