Maia encerra sessão: 'Não tem mais clima para trabalhar. Só isso'

Igor Gadelha e Isadora Peron
Brasília

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encerrou mais cedo a sessão plenária desta quarta-feira, 17, após a divulgação de notícias de que o empresário Joesley Batista, dono da JBS, gravou o presidente Michel Temer dando aval para "compra de silêncio" do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ao deixar a Câmara às pressas, Maia afirmou que não havia mais clima para trabalhar e disse que só se pronunciaria após ver o teor da denúncia.

"Não tem mais clima para trabalhar. Só isso", afirmou Maia, ao deixar o plenário. Na saída, o presidente da Câmara bateu boca com o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ). Molon pediu a Maia que deixasse a sessão de debates abertas, para que a oposição pudesse se manifestar contra o presidente Temer, pedido negado por Maia. "Tem de ver primeiro o que é", afirmou Maia quando entrava no carro oficial. Ele negou que estivesse indo ao Palácio do Planalto.

Últimas notícias Ver mais notícias