O Globo publica imagens dos flagrantes de propina que envolvem Temer e Aécio

do BOL, em São Paulo

O jornal O Globo divulgou na tarde desta quinta-feira (18) imagens que mostram a propina recebida da JBS por indicados de Michel Temer e Aécio Neves, conforme delação premiada dos donos da empresa, Joesley e Wesley Batista. A delação foi homologada pelo ministro do STF Edson Fachin nesta quinta (18).

No episódio que envolve Temer, imagens mostram o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), destacado pelo presidente Michel Temer para tratar com Joesley Batista dos interesses de seu grupo empresarial, pegando R$ 500 mil em propina. Essa seria a primeira parcela de um montante prometido de R$ 480 milhões. A entrega ocorreu em 28 de abril deste ano, segundo o jornalista Lauro Jardim, que divulgou o conteúdo da delação do dono do grupo JBS.

As cenas abaixo foram publicadas pelo jornal a partir de filmagens feitas pela Polícia Federal:

As imagens da PF também comprometem Aécio Neves, de acordo com o jornal O Globo. O primo do senador mineiro, Frederico Pacheco de Medeiros, aparece pegando, a mando de Aécio, R$ 1,5 milhão em propina, o que corresponderia a três quartos dos R$ 2 milhões que Aécio teria pedido, sem saber que era gravado, para Joesley.

As cenas abaixo, divulgadas por O Globo nesta quinta-feira (18), mostram a primeira entrega, ocorrida em 12 de abril deste ano, segundo o jornal:

O jornal ainda mostra a segunda entrega de dinheiro ao primo de Aécio Neves na sede da JBS, em São Paulo. Frederico Pacheco de Medeiros, conhecido como Fred, foi diretor da Cemig, nomeado por Aécio, e um dos coordenadores de sua campanha a presidente em 2014. 

Segundo o jornal, as filmagens da PF mostram que Fred repassou as malas de dinheiro, ainda em São Paulo, para Mendherson Souza Lima, secretário parlamentar do senador Zeze Perrella (PMDB-MG). Mendherson levou de carro a propina para Belo Horizonte. Ele fez três viagens, sempre seguido pela PF. As investigações revelaram que o assessor negociou para que os recursos fossem parar na Tapera Participações Empreendimentos Agropecuários, de Gustavo Perrella, filho de Zeze Perrella.
 
Gustavo Perrella, aliás, era dono do helicóptero com 450 kg de cocaína que foi apreendido em 2013 pela PF em uma fazenda no ES. Na ocasião, ele não foi denunciado pela PF e pelo MPF, pois alegou que não tinha conhecimento das atividades ilícitas do piloto, que foi processado por tráfico de drogas juntamente com outras três pessoas. Em 2016, Gustavo Perrela foi nomeado secretário nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor, no Ministério do Esporte, durante o governo Temer.
 
O jornalista Lauro Jardim, que divulgou o conteúdo das delações no O Globo, destacou que um dos grandes diferenciais da delação dos donos da JBS foram as "ações controladas"  feitas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e pela Polícia Federal. Dessa forma, o flagrante foi calculado para que se produzissem provas contra os suspeitos. A investigação teve acompanhamento da PF com câmeras e escutas.
 
Entenda as acusações

 

De acordo com informações divulgadas pelo jornal "O Globo" nesta quarta-feira (17), Joesley Batista, um dos donos da JBS, encontrou Temer no dia 7 de março no Palácio do Planalto. O empresário teria registrado a conversa com um gravador escondido. Batista disse ter contado a Temer que estava pagando ao ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao lobista Lúcio Funaro para ficarem calados. O presidente, segundo o empresário, responde: "Tem que manter isso, viu?".

 

Em nota publicada ontem, Temer confirmou o encontro, mas disse que "jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha" e negou ter participado ou autorizado "qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar".

 

No caso do Aécio, ele foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Batista. O empresário entregou um áudio à Procuradoria-Geral da República em que o tucano pede a quantia, sob o pretexto de pagar as despesas com sua defesa na Operação Lava Jato. 

 

Hoje, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin proibiu Aécio de exercer as funções de senador. A Procuradoria-Geral da República também pediu a prisão do tucano, mas Fachin, responsável pela Lava Jato na Corte, negou o pedido. A irmã de Aécio, Andrea Neves, foi presa.

 

José Eduardo Alckmin, um dos advogados do tucano, afirmou que o senador está "inconformado e surpreso" com as acusações de que teria pedido R$ 2 milhões a Batista. Ele confirmou o pedido, mas disse se tratar apenas um empréstimo pessoal e que houve uma "descontextualização" da fala de Aécio na gravação.

 
(Com informações de O Globo e UOL)

 

Últimas notícias Ver mais notícias