Cariocas fazem filas em "esfihaço" em homenagem a refugiado agredido

Renan Prates
Colaboração para o UOL

  • Arquivo pessoal

Os cariocas formaram muita fila neste sábado no 'esfihaço' organizado em homenagem a Mohamed Ali, egípcio que foi hostilizado no Rio de Janeiro no início do mês. O evento foi organizado pelo empresário Guilherme Benedictis, que se sensibilizou ao ver o vídeo sobre o que Ali sofreu e resolveu ajudá-lo.

O convite para o evento, "Comer esfiha na barraca do Mohamed", foi feito no Facebook. Mais de 11 mil pessoas haviam confirmado presença, e mais de 33 mil pessoas haviam manifestado interesse em comparecer.

Segundo o empresário, foram vendidas três mil esfihas. "Graças a Deus o evento foi um sucesso e o Mohamed está a pessoa mais feliz do mundo", disse Benedictis. Todo mundo veio aqui dar um abraço nele. Foi uma coisa que ninguém imaginava que ia ser tão boa. Só tenho a agradecer todo mundo que veio dar um abraço, comprar uma esfiha. Todo mundo está ajudando na vaquinha, o que mostra que o brasileiro tem um coração muito bom", disse ao UOL.

Mohamed Ali compareceu ao evento vestindo uma camisa "I Love Rio" (eu amo o Rio) e se mostrou emocionado com o apoio. "Agora meu coração está muito feliz com o Brasil. Muito obrigado a todo mundo", afirmou o refugiado. Ele fez até uma transmissão ao vivo do evento nas redes sociais.

A 'vaquinha' foi outra ajuda que Benedictis organizou para Ali. O egípcio que veio ao Brasil para fugir da guerra na Síria confessou que tem um sonho de montar um food truck. A campanha "Food Truck para o Mohamed Ali" planeja arrecadar R$ 20 mil. Até o momento da publicação desta reportagem, foram arrecadados R$ 4.615,00, ou 23% do total.

Refugiado agredido no Rio se emociona durante "esfihaço" em sua homenagem

  •  

 

Últimas notícias Ver mais notícias