Mãe faz relato emocionante sobre episódio de racismo com a filha

do BOL, em São Paulo

  • Reprodução/YouTube

    Ana Paula Xongani se emociona em vídeo postado no YouTube

    Ana Paula Xongani se emociona em vídeo postado no YouTube

A empresária e youtuber Ana Paula Xongani, de 30 anos, usou as redes sociais para compartilhar um caso de racismo envolvendo a filha, de 4 anos. 

Segundo depoimento da mãe, a filha, que é negra, foi rejeitada por crianças brancas no parquinho do prédio onde moram, em São Paulo. "A gente fala muito da solidão da mulher negra. Existem teorias, pesquisas sobre o assunto, mas a gente pouco fala que a solidão da mulher negra começa na infância", desabafa a empresária.

Leia mais em:

"Eu acabei de pegar a minha filha na escola e eu moro em prédio. Chegando aqui no prédio, ela viu um grupo de meninas brincando no parquinho e pediu para brincar também; eu deixei. Quando ela chegou perto das meninas... antes mesmo de dizer 'oi', antes mesmo de dizer qualquer coisa, as meninas correram cada uma para um lado. Aí ela tentou se aproximar de novo, pediu para brincar junto e as meninas continuaram rindo e fugindo. Foi nesse momento que eu comecei a me aproximar e fiz essa foto (post abaixo) e chamei ela: 'Filha, suas amigas não querem brincar com você? E ela me respondeu: 'Mãe, é sempre assim, mas não tem problema, eu não me importo. Eu gosto de brincar sozinha. Será que gosta ouu aos 4 anos já se protege na solidão?'", contou Ana Paula em um relato emocionado no YouTube.

O caso também foi divulgado em um post que viralizou no Facebook nesta terça-feira (15) e, até o momento, já recebeu mais de 6 mil compartilhamentos.

No final do texto, Ana Paula escreve: "E, pra você que acredita que é 'coisa de criança', certamente você não é uma mulher negra. Nós, mulheres negras, vivemos esses mesmos traumas na infância. Foi ruim, mas, com o passar do tempo, a gente esqueceu, superou ou refletiu em outros momentos da vida. Mas ser mãe te faz reviver alguns deles, e dessa vez de forma mais intensa e muito mais dolorosa. Dói muito".

O post recebeu centenas de comentários de indignação e solidariedade: "Doeu ler esse relato, como mãe, como ser humano, como mulher", escreveu uma internauta. "Isso vem de casa... criação e educação. Muito triste em ver que isso acontece com crianças que são seres puros e inocentes", disse outra. E uma mãe lembrou que a segregação muitas vezes ocorre na própria família: "A realidade é dura e dolorosa, também sou mãe de uma menina negra. Infelizmente até mesmo na família sofremos essas violências ora sutil, ora mais evidente. Fortaleça no amor uma pela outra e ensine-a sobre o enfrentamento a essas ações".

O BOL entrou em contato com Ana Paula, porém ela informou que não deseja dar entrevistas por conta da experiência dolorosa que viveu e por não ter mais nada a acrescentar além do que já foi publicado. No vídeo divulgado no Youtube, ela explica por que decidiu publicar o relato: "Às vezes eu fico me perguntando o que eu estou fazendo aqui no YouTube, fico me perguntando o que eu estou fazendo na internet, mas quando eu passo por situações como essa, eu tenho respostas, sabe? Eu quero um mundo melhor, gente. Eu tenho pressa, minha filha está crescendo e eu tenho pressa. A minha filha não precisa e não merece sofrer quanto nós sofremos uma geração anterior. Ela não merece, ela não vai, ela não pode, eu não quero".

Quer receber notícias de graça por mensagem no seu Facebook? Clique AQUI e digite Notícias após acessar o Messenger. É muito simples!

Últimas notícias Ver mais notícias