Vídeo de suposto ataque a carro de apoiadores de Bolsonaro é enganoso

Do UOL, em São Paulo

  • Arte/UOL

Ao contrário do que sugerem postagens que viralizaram nas redes sociais, um vídeo que mostra manifestantes atacando um carro branco não é em razão de o veículo ter um adesivo de apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro. O material foi tirado do contexto. O ataque aconteceu, na verdade, em manifestação que pedia a renúncia do presidente Michel Temer, em 18 de maio de 2017, em Goiânia, porque a motorista tentava furar o bloqueio do trânsito. E o automóvel não tinha adesivos.

O vídeo viral, de um minuto, usou o trecho entre 55s e 1m55s de um outro, original, com dois minutos e 46 segundos de duração, publicado pelo "G1". O portal noticiou o protesto pela renúncia de Temer e registrou a confusão ocorrida no cruzamento entre as avenidas Anhanguera e Goiás. O vídeo tem a logomarca do site de notícias em seu canto inferior direito.

O vídeo completo mostra que a motorista acelerou e atropelou um casal, o que é omitido nas postagens enganosas. Os dois ficaram feridos. A moça atropelada chegou a ser arrastada pelo veículo. A motorista ficou em estado de choque.

Outros veículos noticiaram a confusão na manifestação do ano passado contra Temer (aqui, aqui e aqui), alvo de denúncias de corrupção. Nenhum deles faz qualquer menção ao candidato do PSL ou a adesivo supostamente colado no automóvel.

No dia anterior ao ato realizado em Goiás, foi tornada pública a gravação, feita em março, de uma conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente da República. No diálogo, Joesley relatou a Michel Temer, entre outras coisas, que estava pagando para que o ex-deputado Eduardo Cunha permanecesse calado. A resposta do presidente foi: "'Tem que manter isso, viu?".

O vídeo enganoso, acompanhado do texto com a informação falsa, teve, somente em duas contas no Twitter, mais de 30 mil visualizações, 2,6 mil curtidas e 1,5 mil retuítes nesta semana. No Facebook, um post com o vídeo teve 1,3 milhão de visualizações, 4,5 mil curtidas e 74 mil compartilhamentos no mesmo período.

Neste post do Facebook, o ataque à suposta simpatizante de Bolsonaro é atribuído a apoiadores de Fernando Haddad e Luiz Inácio Lula da Silva, ambos do PT. Esta informação também é enganosa, uma vez que a manifestação em Goiânia não tinha relação com a campanha eleitoral.

Uma usuária do Twitter que postou o vídeo reconheceu depois, no próprio tuíte, que o material era enganoso.

O material enganoso foi verificado pelo  UOL e pela "Gazeta Online", além de "O Estado de S.Paulo" e "Poder360", todos integrantes do projeto Comprova.

A agência "Aos Fatos" também verificou as postagens enganosas.

O Comprova é um projeto integrado por 24 empresas brasileiras de mídia que investiga e explica rumores, conteúdo forjado e táticas de manipulação associadas às eleições presidenciais do Brasil. Envie sua pergunta ou denúncia de boato falso pelo WhatsApp 11 97795 0022.

Últimas notícias Ver mais notícias