Casa Branca manipulou vídeo para justificar suspensão de credencial de jornalista da CNN

  • Evan Vucci/AP

A Casa Branca manipulou e divulgou o vídeo em que o repórter Jim Acosta da CNN se recusa a entregar o microfone a uma estagiária da após uma discussão com o presidente Donald Trump durante uma entrevista coletiva, informaram nesta sexta-feira (9) os veículos de imprensa locais. A Casa Branca utilizou o episódio para justificar a suspensão da credencial do jornalista.

Jornais como o "The Washington Post" e o "The New York Times", entre outros, entraram em contato com especialistas em edição de vídeo que apontaram que o documento visual foi modificado para mostrar que Acosta havia agredido a estagiária do departamento de comunicação da Casa Branca.

O vídeo foi compartilhado pela porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, em seu Twitter. "Nós mantemos nossa decisão de revogar a credencial individual. Nós não toleraremos o comportamento impróprio claramente documentado neste vídeo".


A credencial de Acosta, correspondente da CNN na Casa Branca, foi retirada em sua saída do edifício presidencial por um agente do Serviço Secreto americano, segundo um vídeo do momento compartilhado pelo próprio jornalista no Twitter.

A credencial permanente permite que um grupo seleto de jornalistas entra e saia livremente da Casa Branca e cubra o dia a dia do presidente.

O incidente que gerou a decisão da Casa Branca sobre Acosta ocorreu durante uma entrevista coletiva na qual Trump avaliou os resultados das eleições de meio mandato realizadas na terça-feira.

O jornalista da CNN iniciou uma discussão com Trump, que se recusou a responder as perguntas feitas e exigiu que o repórter que se retirasse.

"Deixe o microfone... Te direi uma coisa, a CNN deveria estar envergonhada de ter você como profissional. É rude e uma pessoa terrível", disse Trump enquanto Acosta disputava o microfone com a estagiária.

A Casa Branca se referiu a este fato em particular para justificar a suspensão da credencial.

"Trump acredita na liberdade de imprensa e espera perguntas difíceis sobre ele e seu Governo. No entanto, nunca toleraremos que um jornalista ponha suas mãos sobre uma jovem mulher que só está tentando fazer o seu trabalho como estagiária da Casa Branca. Este comportamento é inaceitável", disse Sanders no comunicado.

Últimas notícias Ver mais notícias