A Fachin, substituta defende sentença de Moro no processo do tríplex

Nathan Lopes
Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução - 14.nov.2018

    Lula depõe sobre sítio de Atibaia (SP) na investigação da Lava Jato

    Lula depõe sobre sítio de Atibaia (SP) na investigação da Lava Jato

Em resposta ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, a juíza federal substituta Gabriela Hardt defendeu a sentença proferida pelo ex-magistrado Sergio Moro no processo do tríplex que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

No início desta semana, a defesa de Lula apresentou um novo recurso ao Supremo em que, basicamente, volta a contestar a condenação de Moro, alegando que não havia relação entre a tese da acusação e o cerne da sentença. Assim, os advogados tentam, mais uma vez, anular a condenação e conseguir a liberdade de Lula.

A defesa chegou a usar esse recurso para tentar suspender o julgamento, na última terça-feira (4), de um outro habeas corpus que também buscava a liberdade de Lula, mas com base na tese de que Moro seria um juiz parcial.

O ex-juiz deixou a magistratura no mês passado para ser ministro da Justiça do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

Neste novo recurso ao STF, os advogados alegaram que a força-tarefa do MPF (Ministério Público Federal) na Operação Lava Jato acusou Lula de ter recebido o imóvel no Guarujá (SP) como vantagem indevida enquanto a condenação teria sido sobre a propriedade do tríplex.

O imóvel estaria relacionado a um esquema de corrupção envolvendo três contratos entre a empreiteira OAS e a Petrobras.

A respeito deste ponto, a substituta de Moro diz que "a sentença considerou provado" que Lula e sua esposa, Marisa Letícia (que morreu em 2017), eram donos do tríplex e que "as reformas foram a eles destinadas".

"Assim, a questão a respeito do recebimento ou da atribuição do imóvel, no entendimento deste juízo [a 13ª Vara Federal de Curitiba], é apenas semântica", escreveu a magistrada no ofício.

Em nota ao UOL, a defesa de Lula diz que "não é apenas 'semântica' a diferença entre a acusação e a condenação". "A decisão condenatória criou, em verdade, uma nova acusação para condenar Lula, que sempre foi o objetivo da Lava Jato, mesmo que ele não tenha praticado qualquer crime".

O outro ponto levantado pela defesa contra a sentença do ex-juiz é que a Lava Jato apontou que o tríplex veio do esquema envolvendo contratos da Petrobras enquanto a condenação não mostraria a relação.

Para Gabriela, porém, "a sentença considerou provado" que a vantagem indevida está ligada a uma conta de propinas com agentes do PT "e que era alimentada por créditos provenientes de contratos celebrados pelo grupo OAS com o governo federal".

"Repisando os termos da sentença, não importa que a conta-geral de propinas tenha sido formada por créditos de acertos de corrupção em outros contratos do Governo Federal", escreveu a magistrada. "É suficiente para estabelecer o nexo causal que o contrato da Petrobras com a construtora OAS (...) tenha também originado crédito na conta geral", pontuou.

Em nota, os advogados de Lula continuam sustentando haver diferenças. "Leia-se e releia-se todo o processo e não há qualquer documento e muito menos uma perícia demonstrando que recursos da Petrobras tenham sido destinados a uma suposta 'conta-geral' e muito menos que qualquer valor dessa suposta 'conta-geral' tenha sido destinado a Lula". 

Em seu comunicado, o desembargador João Pedro Gebran Neto, do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), rememorou o processo e disse que o recurso da defesa se refere a uma negativa do STJ, "após o esgotamento da tramitação do feito perante o TRF-4".

Nesta sexta-feira (7), abriu-se espaço para a PGR (Procuradoria-Geral da República) apresentar seu parecer. Apenas depois da manifestação da Procuradoria é que se deverá conhecer uma decisão a respeito do caso.

Leia a íntegra da nota da defesa de Lula:

Não é apenas "semântica" a diferença entre a acusação e a condenação imposta ao ex-presidente Lula no chamado caso do tríplex do Guarujá. A decisão condenatória criou, em verdade, uma nova acusação para condenar Lula, que sempre foi o objetivo da Lava Jato, mesmo que ele não tenha praticado qualquer crime.

Também o fato de o próprio ex-juiz Sergio Moro haver reconhecido que nenhum valor da Petrobras foi dirigido a Lula mostra que o processo foi indevidamente direcionado à 13ª. Vara Federal de Curitiba, conforme os critérios estabelecidos pela jurisprudência do STF sobre o assunto. Mostra, ainda, que a própria acusação foi desmontada pela defesa ao longo do processo.

Leia-se e releia-se todo o processo e não há qualquer documento e muito menos uma perícia demonstrando que recursos da Petrobras tenham sido destinados a uma suposta "conta geral" e muito menos que qualquer valor dessa suposta "conta geral" tenha sido destinado a Lula. A condenação de Lula é suportada nesse aspecto apenas pela palavra de Leo Pinheiro, corréu na mesma ação e candidato a receber benefícios do Ministério Público por meio de delação, o que é juridicamente inaceitável.

Lula faz parte do meu passado, diz Moro

Últimas notícias Ver mais notícias