Substância cancerígena é detectada em análise de cinco marcas de cachaças

Do UOL, em São Paulo

  • Eduardo Knapp/Folha Imagem

    No Brasil, o valor aceitável de carbamato de etila é de até 150 microgramas por litro (µg/l), mas cinco marcas apresentaram valor superior desse composto cancerígeno

    No Brasil, o valor aceitável de carbamato de etila é de até 150 microgramas por litro (µg/l), mas cinco marcas apresentaram valor superior desse composto cancerígeno

Metade das cachaças e aguardentes de dez marcas líderes testadas pela Proteste Associação de Consumidores contém uma substância nociva à saúde acima dos níveis aceitáveis.

No Brasil, o valor aceitável de carbamato de etila é de até 150 microgramas por litro (µg/l), mas cinco marcas apresentaram entre 165µg/l e 755µg/l desse composto químico classificado como possível agente causador de câncer pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Iarc), da Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com os resultados das análises, a cachaça 7 Campos de Piracicaba apresentava 755 microgramas do carbamato de etila por litro e a Pedra 90 - 548 µg/l. A Ypióca Prata (298 µg/l ); Pitú (255 µg/l) e Salinas (165 µg/l).

A Sagatiba foi a que apresentou o menor índice da substância: menos de 50 µg/l. Além desta, foram avaliadas e aprovadas as marcas São Francisco, Seleta, Pirassununga 51 e Velho Barreiro.

De acordo com Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste, o problema ocorre porque o Ministério da Agricultura (Mapa) tem prorrogado o prazo para as empresas se adequarem às normas que foram estabelecidas em 2005. "Enquanto isso, agrava-se o risco à saúde", reclama Dolci, que pede vigência imediata da instrução normativa 13, que determina teor máximo de 150 μg/L de carbamato de etila.

Lote anterior à adequação

De acordo com a Ypióca Bebidas, o lote utilizado na amostra da Proteste é anterior à aquisação da empresa pela Diageo, em agosto de 2012. Segundo a marca, desde então a Ypióca Prata tem teor de carbamato de etila abaixo do índice definido por lei.

A empresa afirmou que se antecipou e já adotou as medidas necessárias para atender à legislação que entrará em vigor em 2014.

Conclusão precipitada

A Industria de Bebidas Paris acredita que a conclusão da análise da Proteste é precipitada, visto que "quando se fala do carbamato de etila podemos afirmar que até este momento não existe nem padrão oficial ou metodologia oficial para análise deste componente".

O comunicado da empresa, fabricante da aguardente Pedra 90, declara que aguarda definições da comunidade europeia, que desenvolve amplos estudos há mais de 4 anos sobre o assunto.

Problema identificado

Segundo o Engarrafamento Pitú, a amostra avaliada pela revista Proteste teve como origem a unidade de São Paulo, que é responsável por apenas 2,7% da produção total da cachaça Pitú, ou seja, "o problema já foi identificado e resolvido desde o ano passado", pois a empresa reconhece que é de sua alçada realizar análise técnica de cada lote fornecido.

No comunicado, a empresa afirma, ainda, que "apesar da inexistência no Brasil de uma obrigação normativa para obediência ao nível máximo de carbamato de etila em bebidas alcoólicas, a Pitú orgulha-se de ter alcançado limites inferiores a 150μg/L em 97,3% de sua produção".

Falta comprovação da análise

Thiago Medrado, responsável comercial pelo grupo Salinas, produtor da cachaça Salinas, não sabe qual o lote utilizado na análise feita pela Proteste. "Estamos pedindo a comprovação da análise, pois esse tipo de teste só pode ser feito por uma consultoria ou pelo Ministério da Agricultura, e não foi feito dessa maneira", assegura.

Medrado afirma ainda que todas as cachaças do grupo estão com menos de 150 microgramas por litro de carbamato de etila, ainda que a normativa não esteja em vigor. "Desde 2010 nossos produtos já tem essa substância abaixo desse limite permitido", revela.

Últimas notícias Ver mais notícias