Estudo rebate estigmas e aponta vantagens de ser mãe depois dos 35 anos

Colaboração para o UOL

  • Shutterstock

Nem conto de fadas, nem pressão social ou familiar e nem mesmo o relógio biológico conseguem conter a maternidade cada vez mais tardia entre as mulheres. E um estudo realizado na Espanha, finalmente, parece dar descanso a essas mães - ou candidatas a ser uma -, rebatendo mitos e estigmas. A conclusão é de que a idade materna avançada, definida pela idade igual ou superior a 35, não influencia na capacidade cognitiva das crianças. 

Em pesquisa publicada na edição de fevereiro do International Journal of Epidemiology, um grupo de cientistas analisou a associação entre idade materna e habilidade cognitiva em crianças com 10 anos. Para fazer isso, os especialistas compararam três grandes estudos realizados na Inglaterra nos anos de 1958, 1970 e 2000 a 2002, com amostras de 10 mil crianças cada.

Os resultados da pesquisa são surpreendentes. Embora, na década de 1950, a associação entre a idade materna e a capacidade cognitiva fosse negativa, ou seja, as crianças de mães com idade entre 35 e 39 anos apresentaram pior pontuação cognitiva do que as crianças de mães jovens, na associação de 2000 a situação era exatamente oposta: crianças nascidas de mães com idade entre 35 e 39 anos alcançaram resultados significativamente melhores em testes cognitivos.

"A maioria dos países ocidentais está em processo de atrasar a idade de ter um bebê em razão da difícil volta ao trabalho e dos últimos momentos da crise econômica", acredita o sociólogo Santiago Pardilla Fernández.

Mas o ambiente socioeconômico também é agravado pela fertilidade e estigma da mãe mais velha: mães que são "menos enérgicas", "mais cansadas" e "parecem avós", para citar apenas alguns estereótipos sobre o assunto.

Não era idade, era dinheiro

Como os pesquisadores explicam no estudo, na década de 1950, as mulheres que tiveram filhos no final dos anos 1930 conceberam de cinco a seis vezes anteriormente. Este foi um fator agravante para o desenvolvimento cognitivo de sua prole porque os irmãos mais velhos tiveram mais acesso aos recursos parentais.

Além disso, as famílias numerosas eram geralmente mais pobres; uma condição intimamente ligada ao desenvolvimento do cérebro. Muito graças à desnutrição, condições de saúde precárias e os desafios enfrentados pelas crianças. "Aquele que veio ao mundo quando a mãe tinha 35 anos já estava crescendo sozinho", brinca Armando Bastida, enfermeiro de pediatria, pai e fundador da comunidade.

As mães do estudo de 2000, ao contrário das mulheres nos anos 1950, preferiram desenvolver uma carreira, estavam em um nível socioeconômico mais confortável e tiveram um comportamento melhor de saúde durante a gravidez.

O estudioso insiste em um ponto chave da pesquisa: "As diferenças cognitivas em pequenos não são fornecidas por fatores genéticos ou biológicos associados à idade da mãe, é tão simples como constatar que tudo o que acontecia na casa dos 25 anos agora acontece para que tem 35".

Mais habilidade mental

Um estudo recente realizado pela Southern California University descobriu que o parto após os 35 anos melhora as habilidades mentais da mãe. Os pesquisadores acreditam em um aumento dos hormônios que ocorrem durante a gravidez e que atuam positivamente na química do cérebro especialmente em mães com idade mais avançada.

Para chegar a tal conclusão, eles testaram 830 mulheres na menopausa: aquelas que tiveram crianças com mais de 35 anos apresentaram melhor cognição e memória verbal.

Além dos fatores biológicos, demográficos e sociais favoráveis às mães tardias, não se deve subestimar o fato de que, como foi demonstrado em um estudo da Universidade de Aarhus, da Dinamarca, elas educam impondo menos castigos e com menos violência verbal do que as mais jovens, o que tem um impacto no bem-estar emocional das crianças.

Nesse sentido, outro estudo realizado na Universidade de Columbia (EUA) mostra que "os pais mais velhos podem ser menos resistentes do que os mais jovens, mas têm mais experiência e conhecimento", então "a desvantagem biológica está em certo grau equilibrado pela vantagem social".

Últimas notícias Ver mais notícias