Sites devolvem parte do valor que o consumidor gasta na internet; entenda

Aiana Freitas
Do UOL, em São Paulo

Um tipo diferente de programa de fidelidade tem conquistado espaço na internet brasileira. São os chamados programas de cashback (algo como "dinheiro de volta", em inglês), que prometem devolver, para o consumidor, uma parte do que ele gasta em lojas online.

Nos programas de fidelidade tradicionais, oferecidos por cartões de crédito, o consumidor junta pontos em suas compras e, mais tarde, pode trocá-los por produtos ou serviços determinados pelas administradoras. É preciso juntar milhares de pontos para ganhar uma viagem de avião nacional, por exemplo.

Nos programas de cashback, o consumidor que faz compras pela internet, usando qualquer meio de pagamento, recebe de volta uma parte do que pagou (sem incluir o frete).

"Em vez de pontos, oferecemos dinheiro na conta bancária do cliente. Isso acaba com a burocracia dos programas de milhagem", diz Israel Salmen, fundador do Meliuz, um programa de cashback criado em 2011.

Entenda como funcionam os programas de cashback

Para ter o benefício, o consumidor precisa, primeiro, se cadastrar no site de um programa de cashback. Por meio desse site, ele entra numa loja virtual parceira e faz a compra que desejar.

Depois que a compra é finalizada e o pagamento, confirmado, o cliente recebe um e-mail do programa de cashback informando o valor a que ele tem direito.

A partir daí, o consumidor precisa fazer várias compras (em qualquer loja parceira) até alcançar um limite mínimo determinado por cada programa. Só quando atingir esse limite é que o cliente recebe o dinheiro de volta por meio de depósito em conta corrente. Esse mínimo costuma variar de R$ 20 a R$ 30.

As parcerias dos sites de cashback com as lojas virtuais funcionam por meio de comissões. "A loja me paga uma comissão pelo fato de o consumidor chegar a ela pelo meu site. Eu fico com uma parte dessa comissão e devolvo a outra para o próprio consumidor", diz Luís Augusto Barros, fundador do Retorna, criado há cerca de dois meses.

Valor é depositado na conta corrente do consumidor

Quem se cadastra no Retorna pode fazer compra em mais de 100 lojas parceiras, como Fast Shop, Marisa, Netshoes, Sephora e Submarino. O valor que o consumidor tem direito de receber varia de acordo com a loja, ficando entre 3% e 11%.

No caso do Retorna, só é possível receber o dinheiro de volta quando o extrato chegar a R$ 30. O pagamento é feito por meio de depósito em conta corrente.

Num teste feito na semana passada, na compra de uma calça esportiva no valor de R$ 109,90 na Netshoes por meio do Retorna, o extrato informou que o consumidor teria direito a R$ 4,95 de volta. Isso dá 4,5% do valor total pago pelo produto.

O Meliuz tem mais de 1.200 parceiros, como Centauro, Casas Bahia, Dafiti, Extra, Magazine Luiza e Saraiva. O site devolve de 0,5% a 20% do valor gasto pelo consumidor. Quando o extrato do cliente no Meliuz atinge R$ 20, o dinheiro é depositado em sua conta.

O programa também fornece, aos consumidores cadastrados, cupons de desconto para algumas das lojas parceiras. Na Centauro, por exemplo, o Meliuz está dando 30% em cupom de desconto e devolvendo 10% do valor na compra de uma camiseta da seleção brasileira.

Para economista, há vantagens e desvantagens

Para o economista Samy Dana, professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), programas do tipo são, de maneira geral, vantajosos. "Eles são interessantes porque o consumidor consegue saber exatamente quanto vai receber de volta, o que não acontece nos programas de fidelidade tradicionais", afirma.

Mas, do ponto de vista prático, o economista diz que a vantagem financeira é muito pequena. "Se o consumidor já ia fazer a compra na loja que é parceira do site de cashback, compensa. Mas pode ser que ele encontre o mesmo produto mais barato em outro site, e essa diferença pode acabar sendo mais interessante financeiramente do que o cashback", alerta Dana.

Últimas notícias Ver mais notícias