Dinheiro de 2 cervejas por semana renderia R$ 100 mil em ações da Ambev

Téo Takar
Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Getty Images

Parece conversa de bar. Mas um grupo de analistas da consultoria de investimentos Suno Research resolveu levar a sério aquele papo de pegar o dinheiro que você gasta toda semana bebendo cerveja e investir no mercado financeiro para comprar ações da Ambev (ABEV3), a principal fabricante de cervejas do país, dona das marcas Skol, Antarctica e Brahma, entre outras.

Sabe qual foi a conclusão? Dá para se aposentar tomando muito mais cerveja. 

Brasileiro consome, em média, 62 litros de cerveja por ano

Para elaborar o cálculo, os analistas partiram de algumas premissas básicas, como o consumo médio de cerveja por pessoa ao ano.

Eles usaram como referência um estudo da empresa alemã Bath-Haas Group, que apontou o Brasil como 17º maior consumidor da bebida no mundo, com consumo médio de 62 litros por pessoa ao ano. Isso equivale a cerca de duas garrafas de cerveja de 600 ml por semana.

Em 22 anos, você teria gasto R$ 8.500 em cerveja

Definido o consumo de cerveja, os analistas puderam estimar qual teria sido o gasto do brasileiro com a bebida ao longo de um período determinado. A data escolhida para começar a conta foi o ano de 1995, quando a garrafa de cerveja custava exatamente R$ 1.

"Para reproduzir a variação dos preços ao longo do tempo, tomamos como base o preço médio no início do período considerado e o ajustamos linearmente, de acordo com a evolução do seu valor de 1995 até os dias atuais", relatam os analistas.

Feitos os cálculos, eles estimaram que um brasileiro teria gasto, em média, R$ 8.468,74 com cerveja desde 1995 até hoje.

Trocando garrafas por ações

Os analistas da Suno Research decidiram transformar aquilo que seria gasto (com cerveja) em investimento (em ações) e escolheram simbolicamente as ações da cervejeira Ambev para fazer a simulação. Em outras palavras: em vez de ir ao bar gastar com cerveja todo mês, você aplicaria o mesmo valor na Bolsa de Valores, comprando ações da Ambev.

O estudo chega à conclusão de que, se você poupasse o dinheiro da cerveja todo mês, investisse esses recursos em ações de uma empresa como a Ambev e também reinvestisse os dividendos [lucros] pagos pelas ações, após 22 anos de investimento você teria acumulado cerca de R$ 104 mil.

Isso é cerca de 12 vezes mais que os R$ 8.468,74 que teriam sido gastos com cerveja em 22 anos, ou seja, seria possível comprar cerca de 12 vezes mais cervejas ao final desse período.

Ressalva: cálculo é apenas uma aproximação

Para fazer os cálculos, os analistas da Suno Research dizem que apenas assumiram como premissas os valores aplicados mensalmente e a rentabilidade histórica da ação da Ambev no período analisado.

O estudo não considera, por exemplo, o custo de corretagem para se comprar a ação (normalmente em torno de R$ 10 por operação), e o Imposto de Renda, de 15% sobre os ganhos.

Como uma ação da Ambev vale hoje aproximadamente R$ 18,70 e uma garrafa de 600 ml de Skol custa cerca de R$ 6, se você trocasse o consumo de um mês de cerveja (oito garrafas: R$ 48) por ações, conseguiria comprar apenas duas ações e pagar a corretagem.

Moral da história: pequeno esforço, grande investimento

Os analistas da Suno admitem que há uma série de variáveis que podem interferir no cálculo, e que a escolha da cerveja foi apenas simbólica. Poderia ser qualquer outro item de consumo que o cidadão abrisse mão de comprar para investir aquele dinheiro.

Já a escolha de Ambev, não foi aleatória, mas baseada no histórico consistente de rentabilidade da companhia. "O objetivo real do estudo é demonstrar que bons investimentos, mesmo que pequenos [em valor], podem render muito no longo prazo, quando feitos em boas empresas", afirma a equipe da Suno Research no estudo.

"Uma mudança de decisão, repetida por diversas vezes ao longo do tempo, pode ser sinônimo de uma melhora da saúde tanto física, quanto financeira de qualquer pessoa."

Dinamarqueses fazem cerveja de xixi

Últimas notícias Ver mais notícias