Quer estudar na Nova Zelândia? Universidades dão bolsas de até R$ 80 mil

Fernanda Santos
Colaboração para o UOL, em Florianópolis (SC)

  • Divulgação

    Nova Zelândia é o quarto país mais procurado por brasileiros que querem estudar fora, diz entidade

    Nova Zelândia é o quarto país mais procurado por brasileiros que querem estudar fora, diz entidade

A Nova Zelândia já é o quarto país mais procurado por brasileiros que querem estudar fora, segundo a Belta - entidade que reúne as principais agências de intercâmbio do Brasil.

E não é à toa. De acordo com o ranking Quacquarelli Symonds World University Rankings (QS), as oito universidades da Nova Zelândia estão entre as 500 melhores do mundo e têm classificação de excelência na área de pesquisa.

Leia também:

Para atrair bons acadêmicos, o governo neozelandês e as universidades dão uma série de incentivos aos estudantes internacionais, como bolsas de estudo, visto de trabalho pós formação e condições especiais para quem quer fazer doutorado.

Todas as instituições estão com inscrições abertas para programas de bolsas. Os valores podem chegar a 30 mil dólares neozelandeses por ano (cerca de R$ 80 mil).

Confira alguns caminhos que podem baratear seus estudos.

Como se planejar

Antes de se inscrever em qualquer programa de bolsas, é importante que o estudante entenda os níveis de qualificação de estudo na Nova Zelândia, indica Andrea Tissenbaum, especialista em educação internacional e dona do Blog da Tissen.

O calendário estudantil neozelandês é igual ao do Brasil: com férias curtas no meio do ano e férias de verão mais longas.

Andrea recomenda também que o planejamento comece ao menos um ano antes da mudança, para que o estudante possa escolher com calma o curso, a universidade, a cidade e o programa mais adequado a ele. "Não recomendo mesmo a ninguém resolver hoje que quer estudar fora amanhã."

Como encontrar a melhor bolsa

Pelo site do governo da Nova Zelândia, é possível pesquisar quais instituições têm programas de bolsas que aceitam brasileiros - incluindo escolas, universidades, institutos tecnológicos e outros centros de ensino do país.

O sistema permite filtrar a busca por nacionalidade do estudante, área de interesse e nível do estudo procurado (graduação, pós-graduação, doutorado, mestrado, entre outros).

Hoje, as oito universidades neozelandesas estão com inscrições abertas para bolsas em inúmeras áreas do conhecimento, como filosofia, jornalismo, economia, engenharia mecânica, negócios e cursos da área da saúde.

As universidades são: Victoria University of Wellington, The University of Waikato, The University of Canterbury, The University of Otago, University of Auckland, Auckland University of Technology, Lincoln University e Massey University.

"O país tem interesse em atrair cérebros", declarou Ana Azevedo, que é gerente da Education New Zealand (ENZ) – um órgão governamental da Nova Zelândia dedicado à educação internacional.

Como são as próprias instituições que, de tempos em tempos, atualizam o site do governo, pode ser que haja informações incompletas na busca. Por isso, Ana disse que o estudante também deve pesquisar pelas bolsas nos sites das próprias universidades e ler os editais com atenção.

Os tipos de bolsa da Nova Zelândia

As universidades com maior número de bolsas abertas (que aceitam brasileiros) são The University of Canterbury e Victoria University of Wellington, com mais de 80 programas cada uma.

As regras e valores das bolsas variam de acordo com o nível de qualificação do estudo e o curso buscado pelo candidato.

Mestrado e doutorado

Os maiores valores de bolsas são oferecidos para estudantes de mestrado e doutorado.

Para mestrado, o valor médio é de 16,5 mil dólares neozelandeses por ano (cerca de R$ 43 mil). No doutorado, as bolsas variam de 23,5 mil a 30 mil dólares neozelandeses por ano (entre R$ 63 mil e R$ 80 mil) mais as taxas do curso. A maior parte das bolsas de mestrado e doutorado vale por dois ou três anos.

Graduação e pós-graduação

As bolsas de graduação e pós-graduação costumam ir de 500 dólares a 20 mil dólares neozelandeses (R$ 1.325 a R$ 53 mil). A Massey University, por exemplo, está com inscrições abertas para bolsas anuais de até 20 mil dólares neozelandeses para cursos de graduação e 10 mil dólares em pós-graduação.

Sem a bolsa, a graduação na Massey custa, em média, 30 mil dólares neozelandeses por ano.

Podem se inscrever até 30 de novembro estudantes da área de negócios (contabilidade, aviação, marketing, economia e administração) e até 1º de novembro estudantes de humanidades e ciências sociais (artes, comunicação, educação ou linguística).

Bolsa do governo

Um dos principais programas de bolsas de estudo do governo neozelandês é o New Zealand Development Scholarships (NZDS), que oferece bolsas de mestrado e doutorado a estudantes de países em desenvolvimento, incluindo a América Latina. Para 2018, as inscrições já estão encerradas.

Todos os anos o governo define áreas de estudo que terão prioridade nas bolsas. Neste ano, as áreas definidas foram agricultura e energia renovável.

O programa do governo cobre 100% dos custos do curso de doutorado ou mestrado e ainda oferece passagens de ida e volta aos estudantes aprovados, seguro saúde e uma ajuda de custo para se manterem lá.

Mas há uma condição: no prazo máximo de dois anos após conclusão dos estudos, o estudante deve retornar ao seu país de origem.

Dica

Nathália Bustamante, editora do Portal Estudar Fora, disse que as inscrições para o NZDS abrem todo ano por um curto período entre fevereiro e março. Por isso os interessados devem preparar a documentação necessária com antecedência.

Doutorado com condições especiais

Independentemente de ter ou não bolsa, os estudantes estrangeiros que são aprovados em programas de doutorado na Nova Zelândia são considerados estudantes domésticos e têm os mesmos benefícios dos neozelandeses.

Esses estudantes têm acesso ao sistema público de saúde, podem trabalhar em tempo integral, seus cônjuges podem solicitar vistos de trabalho e os filhos têm acesso gratuito às escolas públicas.

Além disso, o curso sai bem mais em conta. Se não fosse esse incentivo, um estudante estrangeiro de doutorado pagaria algo entre 30 mil e 35 mil dólares neozelandeses por ano (entre R$ 82 mil e R$ 96 mil). Com o incentivo do governo, o preço cai para 6.000 dólares neozelandeses ao ano (cerca de R$ 16 mil).

Dica

Os estudantes de mestrado e doutorado vão precisar de um professor orientador. A procura por esse orientador pode aumentar o tempo de avaliação da inscrição do candidato pela universidade.

Por isso, Ana, gerente da Education New Zealand, disse que, antes de se inscrever, o estudante deve entrar no site da universidade escolhida, ver quais professores são da sua área de pesquisa e entrar em contato com eles perguntando se podem orientar sua tese.

O nome do professor que aceitar a orientação deve ser indicado à universidade no momento da inscrição.

Pré-requisitos para as bolsas

As regras e processos para pedidos de bolsas variam de universidade para universidade, mas costumam ter alguns pré-requisitos básicos, declarou Nathalia, do Portal Estudar Fora.

Um deles é o exame de proficiência em inglês, como o Toefl. Para a inscrição, os estudantes também devem enviar cópias do passaporte, histórico escolar ou acadêmico e do diploma brasileiro com tradução juramentada.

As condições para que a bolsa seja mantida durante o curso mudam de uma instituição e disciplina para a outra. Normalmente, o estudante deve ter notas mínimas em B+ (equivalente à nota 7 no Brasil).

Processo de seleção

O processo de seleção é muito associado ao mérito acadêmico ou escolar do estudante, especialmente nos últimos anos de estudo no país de origem, afirmou a gerente da Education New Zealand. "Se ele está indo para o comecinho da graduação, o que vale é como foi no ensino médio. Se é uma pós-graduação, como ele foi na graduação."

Saem em vantagem os alunos que se envolveram na vida acadêmica da universidade no Brasil, participaram de projetos de pesquisa, cursos ou trabalhos voluntários. "A Nova Zelândia olha muito isso. Você contribui para a comunidade onde vive? Participa de algum projeto?", disse Ana.

Dica

Ana afirmou que o estudante interessado já deve preparar a documentação o quanto antes, especialmente porque as universidades e escolas do Brasil pedem um prazo para entrega de históricos e diplomas.

Se o estudante deixar a inscrição para a última hora e tiver algum imprevisto com os documentos e traduções, pode ser que perca o prazo para pedir a bolsa.

Fui aprovado

As universidades começam a analisar os pedidos de bolsas após o encerramento das inscrições.

Se for aprovado, o estudante receberá uma carta informando a aprovação e detalhes sobre a bolsa. Com esse documento, poderá dar entrada no pedido de visto pelo consulado neozelandês no Brasil.

Posso trabalhar?

Estudantes de doutorado e mestrado podem trabalhar em período integral. Estudantes de graduação e pós-graduação podem trabalhar 20 horas semanais e tempo integral nos feriados e férias de Natal e Ano Novo. As regras detalhadas estão disponíveis no site do governo neozelandês.

Além disso, qualquer estrangeiro que conclua um curso de nível superior com ao menos 30 semanas de duração na Nova Zelândia pode solicitar um visto de trabalho ao final dos estudos.

Esse visto é válido por 12 meses. Se conseguir trabalho na área, o estudante tem direito a um segundo visto com duração de até dois anos.

A exceção são os estudantes da bolsa New Zealand Development Scholarships, que devem retornar ao país de origem em dois anos.

Últimas notícias Ver mais notícias