Dólar sobe pelo 5º dia, a R$ 3,918, e tem maior alta em 5 meses; Bolsa cai

Do UOL, em São Paulo

dólar comercial emendou a quinta alta e fechou esta segunda-feira (26) com valorização de 2,49%, cotado a R$ 3,918 na venda. É a maior alta percentual diária desde 14 de junho (+2,64%) e o maior valor de fechamento desde 2 de outubro (R$ 3,935). 

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, registrou queda de 0,79%, a 85.546,51 pontos, na segunda baixa consecutiva. É o menor nível de fechamento em duas semanas, desde 12 de novembro (85.524,7 pontos).

Na sexta-feira (23), o dólar subiu 0,41% e fechou a semana com alta de 2,2%, enquanto a Bolsa perdeu 1,43%, com queda semanal de 2,58%.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para turistas, o valor sempre é maior.

Leia também:

Gol despenca 7,5%

Entre as maiores quedas do dia do Ibovespa, as ações da companhia aérea Gol despencaram 7,53%, influenciadas pela alta do dólar e dos preços do petróleo no exterior, fatores que pesam no custo do combustível de aviação.

Também fecharam em queda o Banco do Brasil (-1,76%), o Itaú Unibanco (-1,65%), o Bradesco (-1,44%), a mineradora Vale (-0,46%) e as ações preferenciais, com prioridade na distribuição de dividendos, da Petrobras (-0,49%).

Por outro lado, os papéis ordinários da Petrobras, com direito a voto em assembleia, subiram 1,54% nesta sessão.

Preocupações com o exterior

Investidores acompanhavam o cenário externo, após os líderes europeus terem acertado um acordo para o Reino Unido sair da União Europeia e a Itália dar sinais de que pode reduzir sua meta de déficit orçamentário para 2019.

O mercado também seguia na expectativa da ata da última reunião sobre juros do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos), que deve ser divulgada na quinta-feira (29). A expectativa é que ela indique se haverá aumento dos juros norte-americanos. Taxas maiores nos EUA podem atrair para lá recursos atualmente aplicados em outras economias, como a brasileira.

Nova equipe econômica

No Brasil, as atenções estavam voltadas para o cenário político. O perfil técnico dos nomes da nova equipe econômica já anunciados pelo próximo governo agrada o mercado, mas há a preocupação de que a falta de experiência dos indicados com o setor público possa dificultar as negociações para a aprovação de reformas, entre elas, a da Previdência.

O mercado considera a reforma das aposentadorias como uma das mais importantes para reduzir os gastos do governo e equilibrar as contas públicas.

Atuação do BC

O Banco Central vendeu nesta sessão 13,6 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 10,2 bilhões do total de US$ 12,217 bilhões que vence em dezembro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Nesta terça-feira (27), o BC fará uma operação extra de venda de dólares com compromisso de recompra com o objetivo de prover liquidez ao mercado, como é normal nesta época do ano, informou a assessoria de imprensa da instituição.

O BC vai ofertar US$ 2 bilhões em dois leilões de linha, quantidade superior ao montante de US$ 1,25 bilhão que vence no próximo mês, segundo a assessoria.

(Com Reuters)

Últimas notícias Ver mais notícias