DEM tem chance de vencer eleição, diz Maia; Doria desconversa sobre mudança

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação/Secom Salvador

    13.fev.2018 - Da esquerda para a direita: Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, ACM Neto (DEM), prefeito de Salvador, e João Doria (PSDB), prefeito de São Paulo, concedem entrevista em Salvador

    13.fev.2018 - Da esquerda para a direita: Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, ACM Neto (DEM), prefeito de Salvador, e João Doria (PSDB), prefeito de São Paulo, concedem entrevista em Salvador

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi um dos convidados especiais do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM) nesta terça-feira (13), durante os festejos de carnaval da capital baiana. Em entrevista ao lado do correligionário e do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), o deputado afirmou que seu partido provavelmente terá candidato próprio na eleição presidencial e apostou que o nome indicado terá "muita chance" de vencer o pleito.

"A decisão do DEM vai se dar entre março e junho, e o nome colocado, se acreditar nessa tese, tem muita chance de vitórias", disse Maia, que lembrou que o partido vem tentando emplacar uma candidatura própria há bastante tempo e que a eleição de 2018 está "aberta".

"Se o nome colocado tiver chance, sem ser aventura, é óbvio que não há nenhum constrangimento que o DEM deve ter candidato. Tem bons nomes, tem o prefeito [ACM], tem o ministro da Educação [Mendonça Filho], certamente o meu nome é colocado, e se a gente entender que isso não é uma aventura, que isso não vai contra um caminho de mudança que a política precisa, tenho certeza que o DEM vai fortalecer seu próprio candidato e vai ter muita chance de vitória em 2018", afirmou o presidente da Câmara.

Leia também:

Rodrigo Maia também declarou que os políticos, para serem eleitos, precisarão entender que a sociedade está em transformação. E citou entre os exemplos de mudanças a rejeição popular ao auxílio-moradia pago a servidores dos três poderes mesmo que tenham residência na cidade em que trabalhem.

"Muitas vezes, a gente que está na política não enxerga que as coisas estão avançando muito rápido, e a sociedade cada vez exige mais de todos nós respostas a questões que no passado eram tranquilas e que hoje... O auxílio-moradia é uma questão", disse Maia, manifestando-se favorável benefício apenas aos servidores que trabalhem longe de suas cidades de origem.

"Diferente da revolução industrial, em que as coisas levavam 100 anos, hoje em dois minutos qualquer setor, qualquer questão no mundo pode mudar muito rápido. E a política também. Se a gente não compreender essa transformação, a gente vai ficar para trás e a sociedade vai escolher outros", completou.

Doria no DEM

Durante a entrevista, Maia fez diversos elogios a ACM Neto, cotado para concorrer ao governo do Estado da Bahia, e também foi bastante exaltado pelo prefeito e por Doria.

Questionado se poderia mudar de partido caso não tivesse o apoio do PSDB para se candidatar ao governo de São Paulo, Doria desconversou e disse que o DEM tem uma "aliança histórica" com os tucanos.

"Quanto ao DEM, nós temos, além de uma relação pessoal, que a mim é muito importante, porque sou amigo do Neto, sou amigo do Rodrigo, tenho vários outros amigos também dentro do DEM (...), nós temos uma aliança histórica com o DEM e nosso desejo é prosseguir, é uma boa aliança", afirmou o prefeito paulistano.

Nos bastidores, Doria tem demonstrado interesse em se candidatar ao governo do Estado, mas tem tido resistência dentro do próprio PSDB, que cogita apoiar Márcio França (PSB), atual vice do governador Geraldo Alckmin.

Questionado sobre um eventual apoio de seu partido a França, o prefeito insistiu que o PSDB terá candidato próprio ao Palácio dos Bandeirantes e que o atual vice terá que se filiar à legenda tucana caso queira se candidatar.

Últimas notícias Ver mais notícias