Ministro do TSE recusa ação que pedia retirada de Lula das pesquisas

Nathan Lopes
Do UOL, em São Paulo

  • Pedro Ladeira - Arquivo/Folhapress

    TSE ainda precisa julgar o registro da candidatura do ex-presidente Lula

    TSE ainda precisa julgar o registro da candidatura do ex-presidente Lula

O ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Tarcisio Vieira de Carvalho Neto negou uma ação que pedia a exclusão do nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) das pesquisas de intenção de voto.

Apresentado pelo IDL (Instituto Democracia e Liberdade), a ação desejava que os institutos Ibope, Datafolha, Paraná Pesquisas e Vox Populi deixassem de divulgar o nome de Lula em suas pesquisas enquanto não forem suspensos os efeitos da sentença que condenou o ex-presidente à prisão. 

Lula foi condenado em segunda instância no processo do tríplex por corrupção e lavagem de dinheiro. Essa condição torna o petista inelegível, já que ele fica enquadra na Lei da Ficha Limpa, sancionada pelo próprio ex-presidente em 2010.

O TSE, porém, ainda não analisou o registro de candidatura de Lula. Enquanto isso, ele pode ser considerado como postulante ao Planalto.

Tanto Datafolha quanto Ibope, em suas pesquisas mais recentes, apresentaram pesquisas com dois cenários: com e sem Lula. Quando aparece na disputa, o petista aparece na liderança.

Ao ser substituído por Fernando Haddad, a candidatura do PT perde força e fica atrás de Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

A Justiça Eleitoral determina que "os nomes de todos os candidatos cujo registro tenha sido requerido deverão constar da lista apresentada aos entrevistados durante a realização das pesquisas".

De acordo com o ministro, o IDL queria que o TSE mudasse as regras sobre pesquisas. "Os representantes buscam, em verdade, a alteração da norma, o que não se mostra possível a esta altura do processo eleitoral", explicou.

Para ele, uma nova regra agora "causaria insegurança jurídica às entidades e aos institutos de pesquisa".

Carvalho Neto determinou o arquivamento do pedido do IDL. A decisão está datada como do dia 28 agosto, mas foi disponibilizada no sistema do TSE nesta quinta (30).

Procurada pelo UOL, os advogados do instituto ainda estão avaliando uma manifestação.

Últimas notícias Ver mais notícias