Cidade de SP que acolheu pai de Haddad dá vitória esmagadora a Bolsonaro

Carlos Petrocilo
Colaboração para o UOL, em Uchoa (SP)

  • Carlos Petrocilo/UOL

    Formigão (à esq.) e Luiz na praça João Birolli, em Uchoa, onde há um banco construído pela família Haddad

    Formigão (à esq.) e Luiz na praça João Birolli, em Uchoa, onde há um banco construído pela família Haddad

Cidadezinha do interior paulista, Uchoa acolheu o pai de Fernando Haddad (PT) quando ele deixou o Líbano em 1948. Hoje, com cerca de 10 mil habitantes, a cidade vira as costas para o petista, esquece ser terra de tucano e surfa na onda Jair Bolsonaro (PSL).

No primeiro turno, Bolsonaro liderou em Uchoa com 3.278 votos (58,7%), enquanto Haddad conseguiu 855 votos (15,3%). Geraldo Alckmin, pelo PSDB, ficou em terceiro com 727 votos (13%).

O cenário em Uchoa, a 420 quilômetros de São Paulo, não destoa do estado, onde Bolsonaro recebeu 53% dos votos contra 16,4% de Haddad.

No entanto, chama atenção pelo fato que nem a relação o petista com a cidade o tenha ajudado na votação. Haddad, em um dos seus vídeos nas redes sociais, cita a peregrinação dos pais pelo interior paulista, após saírem do Líbano.

Haddad fala sobre cidade que acolheu seu pai

Ao deixar a cidade de Ain Aata, os familiares de Haddad desembarcaram em Uchoa e abriram uma loja de tecidos, roupa de cama, mesa e banho, a Casa São Jorge.

O imóvel, na avenida Pedro de Toledo, continua com a mesma fachada. A cidade, na época, enriquecida por conta da agricultura, principalmente o café, oferecia oportunidades no comércio.

Kalil Haddad, pai do candidato, só trocaria Uchoa, em 1960, motivado pelo desenvolvimento da rua 25 de março no centro em São Paulo.

Parte da família continuou pelo interior paulista, enquanto Kalil fundou sua loja na capital, onde o filho Fernando nasceu.

Único sobrevivente daquela época e que reside em Uchoa, Anis Âmbar, de 93 anos, é primo de Kalil. Anis é literalmente um cabo eleitoral de Fernando Haddad na pequena cidade do interior.

Arte/UOL
Uchoa fica a 420 quilômetros de São Paulo

"O Brasil não sabe o que está perdendo, se o Haddad não ganhar essa eleição. Esse homem nasceu para salvar o Brasil", discursa Anis, sentado na sua varanda, para um dos simpatizantes de Bolsonaro.

Lúcido, com sotaque carregado, Anis perde até a calma para falar do candidato petista.

"Eu fico triste quando vejo o povo indo pelo escuro. O eleitor brasileiro não sabe votar. Bolsonaro ficou 38 anos e nunca apresentou um projeto. Vai, agora, ser o bom? Como um presidente do Brasil pode ser racista", contesta Anis.

O último contato entre Anis e Fernando Haddad foi há dez anos, no velório de Kalil em São Paulo. Não há registro de visita de Haddad em Uchoa.

"Quando ele passava pela região, ligava para casa. Me chamava de primo e pedia para minha esposa (Rasmie Haddad) fazer quibe", recorda.

"O Kalil, desde quando o Fernando começou a frequentar a escola, tinha muito orgulho. Todos observavam que o Fernando era inteligente demais, e o Kalil dizia que o seu filho ainda ia ser presidente do Brasil."

Carlos Petrocilo/UOL
A antiga casa do pai de Haddad, na avenida Pedro de Toledo, em Uchoa

Terra de tucano

A antiga moradia dos Haddad, na avenida Pedro de Toledo, altura do número 243, hoje é reduto de tucanos.

O terreno de 13 metros por 44 metros é um dos maiores da rua, abriga duas lojas e uma casa.

Lá reside Vando Bolsoni, eleito vereador de Uchoa, em 2004, pelo PSDB. André Bolsoni, irmão de Vando, também é filiado ao partido e concorreu ao cargo de vereador na última eleição.

O atual prefeito de Uchoa, professor Will, também é tucano, enquanto o vice, Magrão, ostenta adesivos de Bolsonaro em seu carro.

Procurado pela reportagem, um assessor de Wil quis saber qual o assunto. Foi até o gabinete do prefeito e disse que Will não poderia atender a reportagem.

O clima em Uchoa é tão hostil, para o petista, que a filha de Anis pediu para não opinar sobre o primo distante. A rejeição, segundo os eleitores, é endereçada ao PT.

"O Haddad não merecia ser um poste do Lula, tenho até dó", afirma a professora Sônia Pupi.

"Sou contra o PT até morrer. Então não tem jeito de votar no Haddad, mesmo sendo filho daqui. O partido parece que faz uma lavagem cerebral, é muito pouco o que eles dão no Bolsa Família, compram pessoas menos instruídas por muito pouco."

Cristiane Aparecida da Silva Bego, professora e que trabalhou como mesária no último dia 7, diz acreditar que, pelos burburinhos nos corredores da escola, era notório a insatisfação dos uchoenses com Haddad.

"Primeiro porque ele é do PT. Segundo porque tem sua imagem ligada ao Lula, que está na cadeia. Só falam isso na cidade, que o Haddad é do Lula", diz a professora.

"Já gostei do Bolsonaro por ele valorizar a polícia. Como filha de policial, sempre fui favorável colocar a Rota na rua. Essa situação que vai morrer inocente é balela. Inocente morre todo o dia. Sou contra homofobia, preconceito, mas não acredito que o Bolsonaro seja tudo o que estão falando."

A briga no banco da praça

Figura bem conhecida em Uchoa e acionado na hora de angariar votos para vereador e prefeito nas eleições municipais, Adriano Fernandes, o Formigão, criticou a atuação de Fernando Haddad enquanto Ministro da Educação.

"Quando ele assumiu o ministério foi o comentário na praça. Mas, enquanto ministro, ele poderia ter dado mais força para Uchoa", conta Formigão.

Logo, faz questão de deixar claro sua preferência pelo Bolsonaro. "O problema não é o Haddad, é a patota do PT. O pessoal está revoltado com a situação, e o discurso do Bolsonaro vai de encontro com esse sentimento de revolta. O Bolsonaro é muito mal interpretado e também fala muito no impulso, mas o PT esteve lá 16 anos e não aproveitou a chance."

Formigão conversava pacificamente com o taxista Luiz Paulo de Matos, na praça João Birolli, a pouco passos do banco da praça construído pela família Haddad. Os ânimos se exaltaram, com acusações de fascista, golpista, corrupto...

E, assim que Formiga encerrou sua entrevista, Luiz Paulo, simpatizante do PT, quis dar sua opinião.

"Em Uchoa, um vai com o outro [Bolsonaro]. Depois vão ver o que vai acontecer, vai ter golpe do Exército. No Nordeste, votam no Haddad porque o pobre passou ter vez lá com o Lula. Os ricos influenciam as classes trabalhadoras."

Por sorte, Uchoa ainda mantém a paz de cidade do interior. Formiga e Luiz esqueceram do embate político e foram negociar um celular usado.

Últimas notícias Ver mais notícias