Filho de Chico Anysio lança produtos eróticos: "Me chamam de vaselina man"

Marcela Ribeiro
Do UOL, no Rio

  • Globo/Estevam Avellar

    Nizo Neto comemora empreendimento no mercado de produtos eróticos

    Nizo Neto comemora empreendimento no mercado de produtos eróticos

"Vem transar". É com essa proposta - indo direto ao ponto - que Nizo Neto, filho de Chico Anysio, e a mulher, Tatiana Presser, se lançam no mercado de produtos eróticos.

"A gente experimentou todos os produtos, fazia o bem e bom e anotava tudo. As pesquisas foram intensas", explica Tatiana, psicóloga e apresentadora do programa "Só para Maiores" do canal do Sexy Hot no YouTube.

Marcela Ribeiro/UOL
Nizo Neto e Tatiana Presser se lançam no mercado de produtos eróticos
O casal marca presença na feira erótica Sexy Fair que acontece no Rio até domingo com um stand divulgando seus produtos que incluem géis funcionais de sabores exóticos que vão de cranberry a algodão doce. No ar no "Zorra", Nizo conta que os colegas de elenco já aprovaram os produtos e fazem até encomendas.

"Já ganhei até apelido, me chamam de vaselina man. Levamos presentes para a Dani (Calabresa),  pro Nelson Freitas, pro Rodrigo (Sant'Anna), Luis Miranda... O pessoal adora, faz muito sucesso", comemora o ator.

Casado há 15 anos com Tatiana e pai de duas meninas com ela, Isabela e Sofia, Nizo acredita que muitos casais se acomodam com a chegada dos filhos e que é preciso se reinventar para manter a chama acesa.

"Os casais estão muito caretas, têm muito tabus, o que traz muitas dificuldades. Sexo é normal. Meu pai era nordestino, mais conservador. Mas minha mãe foi vedete, era uma mulher com a cabeça totalmente aberta, então eu puxei esse lado dela", explica.

"A gente não tem julgamento para nada, para a gente vale tudo desde que não machuque fisicamente e emocionalmente ninguém. É legal brincar, é legal um sado mais light", completa Tatiana, que acredita que o novo negócio do casal deu uma apimentada na relação. "Se bem que eu apresentei um vibrador na primeira noite, mas esse louco casou comigo", conta ela, aos risos.

Os casais estão muito caretas, têm muito tabus, o que traz muitas dificuldades. Sexo é normal. Meu pai era nordestino, mais conservador. Mas minha mãe foi vedete, era uma mulher com a cabeça totalmente aberta, então eu puxei esse lado dela

Nizo Neto, ator e empreendedor

Para escrever seu livro "Vem Transar Comigo - manual de sexo quase completo", Tatiana teve que fazer pesquisas em diversos lugares, incluindo casas de suíngue. O maridão esteve ao lado dela sem fazer cerimônia.

"Mesmo sendo conhecido, ele não estava nem aí. Ele topava tudo. Foi a vários clubes no Rio, não tinha problema, os suingueiros te respeitam. Esses meios de fetiches têm suas regras e são bem obedientes, é um ambiente bem seguro", esclarece.

Para finalizar, os dois concordam que vale a pena investir nos fetiches no casamento e sugerem que a pessoa convença aos poucos seu parceiro a topar uma aventura.

"Mingau se come pelas beiradas, em vez de chamar logo para fazer um menàge, por quê os dois não procuram fazer um sexo virtual? O brasileiro é bem conservador, tem que ir aos poucos".

Últimas notícias Ver mais notícias