Uso indevido de antibióticos pode matar 10 milhões de pessoas até 2050

Thamires Andrade
Do UOL, no Rio de Janeiro*

  • Marlene Bergamo/Folhapress

    Placa de cultura da superbactéria KPC, exemplar de bactéria super-resistente que já foi encontrada nas praias do Rio de Janeiro

    Placa de cultura da superbactéria KPC, exemplar de bactéria super-resistente que já foi encontrada nas praias do Rio de Janeiro

Você é daqueles que bastou uma dorzinha um pouco mais intensa para desenterrar aquele velho antibiótico da gaveta de remédios? Cuidado: até 2050, segundo o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), estima-se que 10 milhões de pessoas morrerão por uso excessivo e descontrolado do medicamento. Para ter uma noção, a cifra ultrapassará as mortes provocadas por câncer.

Tudo isso por conta das superbactérias, que não respondem mais aos antibióticos disponíveis no mercado, provocando infecções graves e difíceis de serem curadas.

Essa "epidemia silenciosa" ganhou destaque no XX Congresso Brasileiro de Infectologia, realizado no Rio de Janeiro. Para combatê-la, não basta apenas restringir a venda dos antibióticos, como já acontece no país desde 2010 --quando uma medida estipulou que a comercialização só pode ser feita mediante receita médica.

Não basta apenas restringir a venda nas farmácias

Segundo os especialistas, há várias frentes que precisam ser atacadas em conjunto para impedir o avanço das superbactérias. Isso porque a superbactéria não tem início no hospital, mas, sim, no dia a dia e pode ficar anos e anos silenciosa no organismo. "É um processo a longo prazo. A resistência ao medicamento é multifatorial e essas bactérias podem ser 'adquiridas' pelo próprio organismo ou por fatores externos. O problema é que ela diminui a chance de receber um tratamento adequado na hora que você fica doente", explica Flávia Rossi, diretora médica do laboratório de microbiologia do HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

A solução é parar com o uso de antibióticos?

Não. Esses medicamentos são muito importantes e devem ser prescritos com consciência. O mais recomendado é buscar um especialista, já que ele conhece os melhores tipos de remédios para cada caso. "O antibiótico é um recurso muito importante, mas ele não é uma bala, é uma droga que deve ser usada no momento certo e pelo tempo adequado. E a pessoa deve confiar no médico, caso ele não prescreva esse tipo de medicação", afirma Flávia, que acredita que o uso excessivo dessa medicação foi um dos fatores que contribuiu para a proliferação das superbactérias.

Medidas citadas pelos médicos que devem ser tomadas para conter o avanço das superbactérias:

- Restrição dos antibióticos na cadeia alimentar

Você pode até "fazer a sua parte" e achar que só por comer um frango orgânico está livre da medicação. Mas Flávia garante que isso não quer dizer que o animal não tem resíduos de antibiótico por ter tomado uma água contaminada pela substância. Segundo a diretora médica do laboratório de microbiologia do HC-FMUSP, 70% do uso de antibióticos é na agricultura e o uso desses medicamentos traz consequências para a saúde humana.

"Não adianta só diminuir o uso do antibiótico no ambiente hospitalar e ter a prescrição controlada, se usar o remédio a rodo na pecuária e na agricultura. Você expõe rios e praias a esses medicamentos, bem como a bactérias que já são resistentes a eles", complementa Alberto Chebabo, infectologista e presidente da SIERJ (Sociedade de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro).

Chebabo diz que a Holanda já conseguiu reduzir a utilização do medicamento na produção de alimentos de forma geral, assim como a União Europeia. Para o médico, a dificuldade no Brasil é que o país importa carne e grãos para o mundo e os antibióticos ajudam no aumento da produção.

"Eles usam o medicamento para acelerar o crescimento e diminuir infecções, isso faz com que o tempo de abate fique reduzido, aumentando a produtividade. No entanto, por ser exportador, o Brasil está sendo pressionado a reduzir o uso da droga, prova disso é que esse ano o Ministério da Saúde e o da Agricultura e Meio Ambiente se juntaram para pensar em ações e discutir o tema", diz.

E tem uma solução? Para Chebabo, o desenvolvimento de novas tecnologias pode diminuir o uso de antibióticos nesse ambiente. "Novas tecnologias para produção de alimentos e vacinas podem contribuir para essa redução, pois a resistência bacteriana é uma evolução natural, que sempre existiu. O problema é que com o maior consumo de antibióticos, nós demos um gás para o aparecimento das superbactérias", explica.

- Educação da população

A população também tem um papel importante para a redução do impacto das superbactérias. Uma atitude simples é não tomar medicação sem orientação médica, principalmente os antibióticos, pois, para os especialistas, esse comportamento foi um dos fatores que facilitou o surgimento das superbactérias.

"Quando tomamos um antibiótico, não matamos só as bactérias ruins, mas também as boas, o que acaba favorecendo a resistência bacteriana. Após a droga, apenas as bactérias resistentes sobrevivem e ficam livres para colonizar o indivíduo", explica Flávia.

Além disso, cuidados básicos de higiene e uma boa alimentação também contribuem para o equilíbrio do organismo e evita infecções.

- Investir no saneamento básico

Como a água permeia todas as frentes (hospitais, casas, agricultura e etc), o saneamento básico é extremamente importante, já que o esgoto não tratado pode aumentar o contato da população com superbactérias.

"Bactérias super-resistentes do tipo KPC (klebsiella pneumoniae carbapenemase) já foram encontradas nas praias do Leblon e da Barra, ou seja, já estão se misturando com as bactérias do meio ambiente. O problema é que as multirresistentes 'conversam' com as outras, 'ensinando-as' a resistirem aos medicamentos também", explica Chebabo.

Yasuyoshi Chiba/AFP
Vista da Foz do rio Carioca na praia do Flamengo (RJ), onde, em 2014, foi encontrada uma superbactéria. O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) confirmou a presença de uma bactéria resistente a antibióticos, identificada como KPC, nas praias do Flamengo e de Botafogo, na zona sul do Rio. A contaminação pode resultar em infecções na corrente sanguínea e no sistema urinário e em pneumonia

Na opinião do infectologista, vivemos em cidades poluídas, com rios e praias contaminados por esgoto. A preocupação de Chebabo é que ainda não se sabe o que acontece com um indivíduo saudável que é exposto a essas bactérias. "Qual impacto de alguém sadio mergulhar nessa água? Vai se expor à bactéria e ela vai ficar no organismo? Vai provocar uma infecção? Ou pode até colonizar meu intestino e competir com outras bactérias da minha flora intestinal?", pontua.

- Aprovação de novos medicamentos

Um dos pilares do plano global da OMS (Organização Mundial da Saúde) para conter as superbactérias é o desenvolvimento de novas drogas. Ainda que Chebabo reconheça que é impossível alcançar a evolução dessas bactérias, é importante ter opções diferenciadas de tratamento.

Uma queixa da classe médica é que há vários novos medicamentos no mercado internacional e que ainda não foram aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). "Tudo é muito lento no sentido de aprovar as drogas e olha que nem estou falando de algo experimental. São medicamentos aprovados em vários países e com uma série de estudos. Fica difícil para nós, médicos, saber que temos um medicamento que podíamos usar em um paciente que não está reagindo, mas não podemos por não estar liberado", fala Chebabo.

- Investimentos em diagnóstico preciso

Você sabia que 30% do uso de antibióticos nos hospitais são desnecessários? Tudo isso porque, sem diagnóstico, os médicos já prescrevem antibióticos que, muitas vezes, não são necessários. Mas o problema está justamente na demora para obter um diagnóstico.

"Quando não sei quem é o inimigo, uso o antibiótico de espectro mais amplo, que ataque mais bactérias. Mas se eu sei quem é, eu consigo trocar e escolher o medicamento mais direcionado, só que para isso eu preciso saber com quem eu estou brigando", explica Flávia.

Hoje, a maioria dos hospitais públicos não tem um laboratório de microbiologia e demoram até dez dias para ter um diagnóstico da infecção. "No HC, nós investimentos em um equipamento que nos ajuda a descobrir a bactéria em 10 minutos. Isso torna o tratamento mais eficaz e rápido", afirma Flávia.

- Centro nacional e comitês voltados para o controle de surtos

"Se na agricultura existe uma tecnologia para identificar os focos de febre aftosa, por que não ter o mesmo para as superbactérias?", questiona Flávia. A infectologista acredita que um centro nacional ou comitê que pudesse ser acionado quando aparecesse uma bactéria resistente iria ser uma boa opção para resolver o problema. "Em Israel, quando surgiu a KPC, eles criaram um grupo multidisciplinar que ia atrás do foco e, hoje, eles não sofrem mais com a bactéria", fala.

* A jornalista viajou ao Rio a convite da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia).

Últimas notícias Ver mais notícias