Verdades e mentiras sobre a relevância do tamanho do pênis no sexo

Priscila Rodrigues
Colaboração com o UOL

  • Getty Images

    tamanho pênis

    tamanho pênis

Segundo o British Journal of Urology, para que um pênis seja considerado "pequeno" deve medir menos de 9,16 centímetros em repouso. E, de acordo com o médico David Veale, do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Londres, no Reino Unido, e autor de um estudo publicado sobre o tema, o tamanho médio (mundial) de um pênis ereto é de 13,12 centímetros. Assim, um pênis considerado grande teria mais de 17 cm ereto. Embora não haja consenso, já que alguns especialistas afirmam não haver uma "medida padrão", há vários mitos relacionados às dimensões (ou falta delas) e seu papel no sexo. Desvende alguns:

Em algumas posições, os avantajados podem machucar

Verdade. Principalmente se a intensidade do movimento for maior e o avantajado quiser ir além do que a pessoa se sente confortável. Isso pode acontecer, principalmente, quando o par está de quatro e a penetração é feita sem que haja a lubrificação necessária. Algumas mulheres revelam dores e incômodos no colo do útero quando o pênis é muito grande. Vale lembrar que também existem vaginas menores. Assim, um grandão além da conta pode causar dor quando introduzido numa vagina pequena, independentemente da posição.

A circunferência não importa tanto assim

Mentira. Faz diferença, sim. Algumas pesquisas já apontaram que quanto maior a circunferência,  melhor para mulher, principalmente se levarmos em consideração que a porção inicial da vagina (3 ou 4 cm na entrada) é a parte mais rica em terminações nervosas e receptiva aos estímulos.

LEIA TAMBÉM: Queria ter um pênis gigante? Não é bem isso que elas querem
                          Cientistas descobrem como seria o pênis perfeito
                          Homem injeta silicone, fica com pênis de 4 kg e não tem mais ereção

                     

Os pequenos não podem proporcionar tanto prazer quanto os grandes

Mentira. Como já foi explicado, a porção inicial da vagina é a mais suscetível aos estímulos, portanto um pênis com comprimento entre 10 e 12 cm ereto é mais do que suficiente para gerar prazer.

O tamanho do pênis não interfere no orgasmo feminino

Verdade. A maior parte dos orgasmos femininos depende da estimulação no clitóris, o que pode acontecer com brinquedos eróticos, sexo oral ou manipulação. Além disso, a qualidade das preliminares e o que o homem fala no ouvido da mulher na hora H podem desencadear muito mais prazer do que ter um pênis avantajado e não saber usá-lo.

Há problemas para o sexo anal se o pênis for muito grande

Verdade. Há o risco de a introdução frequente de um pênis muito grande gerar lesões e deixar sequelas que podem produzir problemas futuros, como fissuras, fibrose de fibras do esfíncter anal e, consequentemente, problemas para evacuação. O ideal é adotar uma posição confortável - fazer de ladinho, em muitos casos, é mais cômodo do que a tradicional de quatro - e nunca deixar de usar lubrificante. Nas mulheres, a manipulação do clitóris ajuda a excitar.

Não é só o tesão que interfere no tamanho do pênis

Verdade. O pênis pode variar de tamanho em um mesmo sujeito, dependendo da temperatura ambiente, pois seu invólucro é termossensível. O frio, exercícios físicos (principalmente aquáticos) e a ansiedade levam à contração. A liberação de adrenalina, um hormônio produzido em situações de estresse, que é vasoconstritor, também influi no estado flácido.

Pênis pequenos têm ereções mais potentes

Verdade. Em comparação aos maiores, o estado de excitação dos pequenos é mais intenso no quesito "centímetros extras". Eles também costumam ficar eretos com maior facilidade.

Na hora do sexo oral, o grandão sempre sai na frente

Mentira. Visualmente, até faz diferença, sim. Entretanto, nem sempre será possível colocá-lo por completo na boca. A grandeza pode provocar enjôo e até engasgos.
 

FONTES: Carla Cecarello, psicóloga, sexóloga consultora do site C-Date e fundadora da ABS (Associação Brasileira de Sexualidade); Ricardo Desidério da Silva, pedadogo, docente do mestrado em Educação Sexual da Unesp - Campus Araraquara (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho) e sexólogo do programa "Ver mais", da Record Paraná, e Silvio Pires, urologista da clínica Criogênesis, em São Paulo (SP)
 

Últimas notícias Ver mais notícias