Lembra dela? Escândalos da ex-atriz pornô Cicciolina viram documentário

Do UOL, no Rio

  • Divulgação

    Cena do documentário "Cicciolina - Madrinha do Escândalo"

    Cena do documentário "Cicciolina - Madrinha do Escândalo"

Nos anos 80 e 90, ela era presença constante na TV brasileira - fez, inclusive, participação na novela "Xica da Silva", na TV Manchete e "causou" ao mostrar os seios durante uma entrevista a José Luiz Datena na Copa de 1990. Mas, desde que despontou como modelo, na década de 70, passando pelos filmes pornôs e até pelo parlamento italiano, Cicciolina se tornou sinônimo de polêmica.

Hoje, aos 65 anos, ela é tema do documentário "Cicciolina - Madrinha do Escândalo", que atraiu uma plateia majoritariamente masculina na estreia no Festival do Rio, na noite da última quarta-feira (11).

Alexandre Campbell/Folhapress
4.jun.1997 - A atriz italiana Cicciolina durante participação na novela "Xica da Silva", da TV Manchete
O filme de Alessandro Melazzini reconta a vida de Ilona Staller, nascida em Budapeste e revelada ao mundo na Itália, após o primeiro casamento. Conhecida pelas fotos sensuais, especialmente as de Riccardo Sccicchi, tornou-se uma estrela nacional graças ao programa que mantinha na Rádio Luna, em que falava abertamente sobre sexo e causou escândalo ao descrever o que era masturbação. Foi quando criou o termo "cicciolini" para seu público e acabou ganhando o apelido que carrega até hoje.

As performances eróticas também eram motivo de discussão entre religiosos e feministas, segundo o filme. A polêmica só aumentou quando, já uma estrela pornô, graças aos filmes estrelados por ela na produtora Diva Futura, elegeu-se a segunda deputada mais votada em 1987. O turbulento casamento com o artista americano Jeff Koons, pai de seu filho, Ludwig, também faz parte do filme.

"Ela quebrou regras em uma época conservadora", comenta o filho no documentário.

"Cicciolina - Madrinha do Escândalo" tem novas sessões no festival no sábado, no Estação Net Ipanema, e domingo, no Instituto Moreira Salles.

"Quando se diz que um filme faz refletir, normalmente se quer dizer que é tedioso. Asseguro que não é o caso desse filme. Mas no fundo espero que faça pensar mesmo. Fazendo o filme conheci mais da Cicciolina. Nunca tinha acontecido antes de uma estrela pornô chegar ao parlamento. Ela fez muito mais que isso. Trabalhou na rádio como apresentadora, fez politica antes de chegar ao parlamento. Ela virou um símbolo", afirma o cineasta.

Últimas notícias Ver mais notícias