Brincadeira com a "preguinha" do pênis garante (muito) prazer; aprenda essa!

Heloisa Noronha
Colaboração para o UOL

  • Getty Images

No sexo, uma região que vale a pena explorar no homem é o freio da glande: a "preguinha" vertical que liga a cabeça ao corpo do pinto, e se parece muito com a pelinha que todo mundo tem embaixo da língua. Sacou onde é?

O frênulo, nome utilizado pelos médicos, é chamado de "clitóris masculino" por ser tão sensível aos estímulos –alguns homens gozam apenas com sua estimulação. Para tirar o melhor proveito possível dessa área, nós temos dicas para você: que pode pedir para receber ou pode fazer em alguém. Mas cuidado: a região é muito frágil e pode se romper com movimentos muito fortes. Vamos às dicas!

Veja também

 

1) Um bom jeito de começar a sessão de estímulos é deixar a área exposta, puxando a pele para a base do pênis e segurando-a. Depois, basta dedilhar o frênulo suavemente usando as pontas dos dedos, como se estivesse tocando harpa.

2) Com os dedos úmidos –a própria saliva ou algum gel–, faça movimentos circulares bem de leve em torno e em cima do frênulo, alternando com carícias em toda a glande.

3)  Passar a língua no freio é 100% de certeza de que o cara vai gostar muito, seja em movimentos circulares ou de sobe e desce.

4) Para potencializar as sensações, a sugestão é aplicar no local um gel comestível para sexo oral, do tipo que esquenta ou esfria. Há versões que alternam as duas temperaturas.

5) A sucção é uma boa, mas apenas com os lábios. Evite passar os dentes no local, pois machuca. 

6) Colocar uma pedrinha de gelo na boca e brincar com o freio também propicia grande prazer.

7) É melhor não usar acessórios eróticos como bullets sobre a membrana, que pode se romper.

8) Alternar o sexo oral "tradicional" com lambidas por todo o períneo e uma paradinha estratégica no freio pode excitar.


FONTES:

Arlete Girello Gavranic, psicóloga e terapeuta sexual do Isexp (Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática), em São Caetano do Sul (SP); Carla Cecarello, psicóloga, sexóloga consultora do site C-Date e fundadora da ABS (Associação Brasileira de Sexualidade); Livia Leite, terapeuta sexual e consultora em sexualidade nas áreas de Saúde e Educação, e Ricardo Desidério da Silva, pedadogo, docente do
mestrado em Educação Sexual da Unesp - Campus Araraquara
(Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho) e
sexólogo do programa "Ver mais", da TV Record Paraná

Últimas notícias Ver mais notícias