Cirurgia tira pai de Meghan Markle de casamento real

da AFP, em Los Angeles

  • Reprodução/Instagram

    Thomas Markle e a filha, Meghan

    Thomas Markle e a filha, Meghan

Uma cirurgia cardíaca marcada para esta semana impedirá o pai da ex-atriz americana Meghan Markle de viajar à Inglaterra e comparecer ao casamento, no sábado (19), da filha com o príncipe Harry, em uma nova reviravolta nesta polêmica familiar que paira sobre a cerimônia.

Thomas Markle, que virou o principal assunto do casamento real, disse ao site TMZ, especializado em celebridades, que nesta quarta-feira será operado para "desobstruir [artérias], reparar danos e colocar um stent".

Veja também

Markle, que sofreu um infarto pouco depois da controversa sessão de fotos combinadas com um paparazzi, tinha dito ao site que, apesar de seu estado delicado, estava tentando conseguir autorização médica para viajar à Inglaterra e assistir à cerimônia de sábado no castelo de Windsor.

Agora, com a cirurgia, não se sabe quem levará Meghan ao altar, em uma cerimônia que será transmitida a todo o mundo.

O palácio de Kensington anunciou nesta segunda-feira que a futura integrante da família real atravessava um "momento profundamente pessoal", sem dar maiores detalhes.

Seu pai, de 73 anos, já propôs que sua ex-mulher e mãe de Meghan, Dora Ragland, assuma seu lugar.

Não há muitas opções, porque nenhum de seus três tios, entre os quais há um antigo diplomata americano e um bispo, foram convidados para o casamento. Tampouco seu meio irmão, que chegou a aconselhar publicamente Harry que não se casasse com Meghan.

Sessão de fotos

Antes de seus problemas médicos, Thomas Markle tinha dito que não iria para não envergonhar sua filha, nem a família real, após ter aceitado ser fotografado por uma agência de Los Angeles em situações insólitas: olhando fotos de sua filha e Harry - que não conheceu pessoalmente -, lendo um livro sobre o Reino Unido ou tirando as medidas para o traje.

As fotos foram vendidas por 100 mil dólares, segundo o tabloide Daily Mirror, e segundo familiares citados pelo jornal, o homem se sentia "traído" e "idiota".

Em uma das conversas com o TMZ, Thomas Markle garantiu que sua filha não guardava rancor dele. Também disse não acreditar que a rainha Elizabeth II cultivasse mágoas.

"Não acho que a rainha esteja pensando no que eu estou fazendo", garantiu o ex-diretor de fotografia de Hollywood e vencedor de um prêmio Emmy, que concedeu a mão de sua filha ao príncipe por telefone.

A irmã de Meghan, Samantha Grant, que também não foi convidada para o casamento real, admitiu que a sessão de fotos foi sua ideia.

O episódio levou o Palácio de Kensington a alertar contra qualquer publicação de fotos roubadas de Thomas Markle e a pedir que se respeite sua vida privada.

Últimas notícias Ver mais notícias