Beijo grego: 9 fatos para homens e mulheres perderem o medo da preliminar

Claudia Dias
Colaboração para Universa

  • Reprodução/HBO

    Marnie (Allison Williams) recebe beijo grego em cena de "Girls"

    Marnie (Allison Williams) recebe beijo grego em cena de "Girls"

Tem quem torça o nariz, sinta aversão, nojo ou nem cogite incluir o beijo grego nas preliminares. O que essa turma não sabe é que pode ser uma experiência e tanto para o casal. E não tem essa de ser restrito às mulheres no relacionamento heterossexual, viu?

Homens costumam encontrar muito prazer quando se entregam à prática. Listamos, agora, alguns fatos que mostram que você não precisa ter medo de encarar as carícias no ânus com a língua. 

Veja também

O ânus é uma zona erógena muito sensível

Nada a ver com orientação sexual, ok? Tanto em mulheres como nos homens, o ânus é uma zona altamente enervada e muito (muito!) sensível ao toque. Isso significa que estimular a região com a língua revela-se altamente excitante para qualquer um dos parceiros da transa.

É excelente preliminar para o sexo anal

Não é novidade que o "aquecimento" é importantíssimo para o sexo anal. Os estímulos e carícias nas preliminares são essenciais para relaxar a musculatura desta região do corpo. Assim, o beijo grego funciona como uma preparação bastante prazerosa e eficiente, que facilita a penetração.

Orgasmo pode ser mais intenso

A estimulação obtida com o beijo grego, com lambidas ou deslizes para cima e para baixo com a língua, pode levar a um orgasmo bem mais intenso que o de costume. Tem a ver com o "combo" de explorar uma parte do corpo geralmente ignorada e eliminar preconceitos e travas. Ao se entregar totalmente ao momento e à excitação máxima, o clímax vem com tudo.

Amplia a consciência pessoal

Numa visão e perspectiva holística, ajuda a quebrar tabus pessoais e a se autoconhecer melhor. O estímulo desta parte do corpo destrói diversas crenças limitantes que atrapalham o prazer. Além disso, no tantra e em muitos rituais de magia sexual, o beijo grego ajuda a estimular o chakra básico, um ponto de energia corporal que retém a vitalidade.

Não afeta a masculinidade

Não é porque um homem adere ao beijo grego que está abrindo mão ou ameaçando sua masculinidade. Longe disso, entrar na brincadeira com a mulher significa que ele está apenas buscando todas as formas de prazer que pode encontrar no seu corpo e no relacionamento a dois. Sem tabus, sem resistência, tudo fica melhor!

Dá para aumentar (mais) o prazer

Durante o beijo grego, tanto o pênis quanto o clitóris podem ser estimulados com as mãos. Acredite: a ajudinha extra vai fazer aumentar o prazer dos dois. Além disso, é possível incrementar com vibradores e géis aromáticos comestíveis, deixando a prática bem mais agradável.

Permite variedade de posições

Para quem gosta de novidade na cama (ou no chão, ou no sofá ou…), a prática do beijo grego permite experimentar diferentes posições. As melhores, obviamente, são aquelas em que a pessoa que vai receber o estímulo fique de quatro. Mas nada impede que o casal faça deitado, em pé ou no 69.

É o ápice da intimidade do casal

Homem e mulher que aderem à brincadeira, sem neuras, frescuras ou restrições, se sentem mais íntimos e ligados do que nunca. É como se houvesse uma entrega completa entre os dois, com o interesse único de obter o máximo do prazer no sexo.

Sinais de interesse

Se existe intimidade e liberdade entre o casal, abordar a intenção de incluir o beijo grego na hora de transar pode ser feito de maneira bem direta. Mas, se não houver abertura, uma maneira de demonstrar a vontade é explorar a região anal com os dedos. Desse jeito, é possível sentir se existe alguma resistência ou se o caminho está livre para seguir adiante.

Fontes: Maísa Pacheco, youtuber e dona de sex shop; Marina Zanetti, sexóloga da Clínica Spatium; Virgínia Gaia, sexóloga; Sandra e Rafael T.*, fãs do beijo grego.

*sobrenome suprimido a pedido do casal.

Últimas notícias Ver mais notícias