Spike Lee quer que Trump veja seu filme sobre Ku Klux Klan

Simon Thompson

  • Getty Images

    Spike Lee

    Spike Lee

O diretor Spike Lee disse querer que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assista sua nova produção, "Infiltrado na Klan", como um filme apaixonado e tenso, mas às vezes engraçado, sobre as relações raciais nos EUA ao longo das décadas.

Baseado na história real de um policial afro-norte-americano que se infiltrou na Ku Klux Klan nos anos 1970, ele estreia nos cinemas nesta sexta-feira.

Spike Lee disse que o lançamento no final desta semana foi calculado para marcar o aniversário de um ano dos choques violentos entre nacionalistas brancos e manifestantes antirracistas em Charlottesville, no Estado da Virgínia, nos quais uma mulher morreu.

Reprodução
Cena de "Infiltrado na Klan"

No ano passado Trump recebeu muitas críticas por culpar os dois lados pela violência, e novas imagens dos protestos foram incluídas no filme.

"Quero que o cara na Casa Branca assista também. Mas não digo seu nome", disse Spike Lee à Reuters Television na estreia do título em Beverly Hills na quarta-feira.

 "Quando vi o ato horrível de terrorismo doméstico de raiz americana, soube na hora que queria fazer isso", afirmou ele a respeito dos eventos em Charlottesville.

Topher Grace, que interpreta David Duke, líder da KKK na década de 1970, disse que o elenco e a equipe ficaram impressionados com a atualidade do filme enquanto o gravavam.

"Fica mais e mais contemporâneo a cada segundo que passa, infelizmente. Este filme não deveria ser mais contemporâneo agora do que quando se passa, mas infelizmente é", disse o ator.

"Infiltrado na Klan", também estrelado por Adam Driver e John David Washington, foi elogiado pela crítica e teve 100 por cento de aprovação do site de resenhas Rotten Tomatoes.

Últimas notícias Ver mais notícias