Descriminalização da homossexualidade libera a economia LGTB na Índia

da AFP, em Mumbai

De boates gays a turismo direcionado, especialistas acreditam que a recente descriminalização da homossexualidade na Índia anuncia a ascensão de uma das mais importantes "economias arco-íris" do mundo no segundo país mais populoso do planeta.

A comunidade LGBT do país celebrou com grande entusiasmo a decisão, na semana passada, da Suprema Corte de invalidar um artigo do código penal que proibia relações sexuais entre pessoas do mesmo gênero.

Veja também

Especialistas do setor estimam que essa decisão histórica beneficiará a terceira maior economia da Ásia, pois prevê o surgimento de um novo mercado voltado especialmente para esse setor da população - embora a homossexualidade ainda seja um tabu na sociedade indiana.

"Bilhões de dólares podem ser gerados para a economia indiana se a comunidade gay da Índia gastar", disse à AFP Keshav Suri, hoteleiro, ativista gay e um dos peticionários que levou o caso à Suprema Corte.

Na Índia, vivem mais de 55 milhões de adultos LGBT, cuja renda nominal é de cerca de 113 milhões de dólares por ano, de acordo com dados da agência de marketing Out Now Consulting, que ajuda empresas a atingir consumidores gays.

"O valor da economia arco-íris, assim como os aspectos sociais da comunidade LGBT, agora são importantes demais para serem ignorados", acrescentou Keshav Suri.

Em média, casais gays têm maior poder aquisitivo que os heterossexuais.

O mercado indiano "representa um dos maiores mercados LGBT do mundo", disse à AFP Ian Johnson, fundador da Out Now Consulting.

As marcas de bebidas e as agências de turismo serão as primeiras a se dirigirem a essa comunidade, acrescentou.

Bares, discotecas e cafés pró-LGTB também devem começar a ser abertos sem risco de perseguição judicial.

Legalidade, liberdade e oportunidades

Nakshatra Bagwe é empresário em Bombai e em outubro de 2016 fundou a The BackPack Travels, uma agência de viagens para turistas gays. Embora a agência seja atualmente lucrativa, após a recente descriminalização, Bagwe antecipa que seu negócio crescerá ainda mais.

"Com a legalidade e a liberdade do nosso lado, as empresas investirão na comunidade e haverá um aumento de oportunidades nos próximos anos", disse ele à AFP.

Inder Vhatwar, outro empresário da capital econômica da Índia, também aproveitará a decisão da Suprema Corte para reabrir seu negócio.

Quando as relações homossexuais foram brevemente descriminalizadas em 2009 pelo Supremo Tribunal de Délhi, Vhatwar abriu uma loja de roupas chamativas e brilhantes no bairro de Bandra, muito na moda e popular entre as estrelas de Bollywood.

Mas em 2013, a Suprema Corte restabeleceu a proibição, e Vhatwar foi expulso pelo proprietário do imóvel.

"A proibição me causou muitos problemas e tive que fechá-la, mas depois dessa nova decisão eu pretendo abrir minha loja novamente", disse ele à AFP.

Atitudes homofóbicas e discriminação no trabalho custariam à economia indiana entre 0,1 e 1,7% do seu PIB, segundo uma pesquisa do Banco Mundial de 2014.

De acordo com Parmesh Shahani, responsável pelo setor cultural do conglomerado indiano Godrej, "a comunidade LGTB é claramente um mercado inexplorado, e o potencial de negócios é enorme e tenderá a crescer".

Últimas notícias Ver mais notícias