"Passei a fabricar bonecos negros para que meu filho se identificasse"

Vanessa Fajardo
Colaboração para Universa

  • Divulgação

    Jaciana com suas bonecas

    Jaciana com suas bonecas

Na casa da historiadora Jaciana Melquiades, de 34 anos, no Rio de Janeiro, menino brinca de boneca sim. E bonecas negras, da cor da pele da família. Mas nem sempre foi assim. Quando Jaciana engravidou, não encontrou itens relacionados a crianças negras para montar o quarto do filho Matias. Transformou a demanda em negócio e criou uma fábrica de bonecos e bonecas negras.

Batizada de "Era uma Vez o Mundo" a empresa transforma em brinquedos celebridades negras que buscam combater o racismo e já chamou a atenção até de um ator britânico da saga Star Wars. Agora, Jaciana prepara o estoque para o Dia das Crianças e Natal paralelamente ao trabalho voluntário de combate ao racismo nas escolas. Abaixo, ela conta detalhes da expansão do negócio e como faz sua parte para tornar o mundo menos racista.

Veja também

"Meu filho Matias tem 7 anos, mas mesmo antes de engravidar a gente já se preocupava como seria a educação dele em relação às questões de gênero. Na hora de montar o quarto preferi cores que não eram marcadamente de menino ou menina, ele sempre teve brinquedos que eram só brinquedos. As pessoas é que acabam fazendo essa divisão entre menino e menina.

Com a gravidez a gente começou a se preocupar porque não havia itens e brinquedos que tinham a ver com uma criança negra. Eu já fazia algumas bonecas, mas sem nenhum recorte racial, mas desde então foquei nos bonecos negros. A 'Era uma Vez o Mundo' chegou nesse movimento. Entendemos que a representatividade era importante e precisávamos dar conta disso para ter um filho mais saudável.

Nossas bonecas são referenciadas em pessoas que já existem, como a Liniker que é cantora mulher trans. Temos o Lázaro Ramos, que é um homem cis. Temos a Preta Rara, que é um rapper de São Paulo, mulher, negra, cis e gorda e que tem isso como referencial da vida dela. A gente conversa sobre todos esses assuntos usando esses brinquedos. É uma forma da criança entender e se habituar que são só características, e não precisam ser um fator marcador de diferença das pessoas.

Divulgação

Star Wars

Tem um episódio que fez com que nosso trabalho com os bonecos ganhasse destaque. Foi uma história com o boneco Finn, do Star Wars. O Matias queria porque queria esse boneco, um dia a gente foi ao shopping, achamos o boneco ele começou a pedir: 'por favor, por favor, compra, você nunca compra porque os bonecos não são parecidos comigo, ele parece, ele é pretinho igual a mim.' Aí ele botou no rosto, tirei uma foto e postei, a legenda era simples: 'ele é pretinho igual a mim'. Essa foto viralizou de uma forma absurda e chegou no John Boyega [ator negro que interpreta o personagem Finn, em Star Wars]. Esse exemplo de 2015 me fez perceber o quanto há uma defasagem nesse tipo de produção de brinquedos. Foi aí que comecei a insistir muito mais na fabricação desses bonecos e bonecas.

Arquivo Pessoal

O negócio

Começamos o negócio com nenhum dinheiro, fazendo os bonecos por encomenda. A pessoa pagava, a gente comprava o material, fazia e entregava. No ano passado, em junho, fizemos um financiamento coletivo e conseguimos arrecadar 22 mil reais. Usamos o dinheiro para entregar as 300 recompensas e legalizar a empresa que ainda era MEI [microempreendedor individual].
A empresa ficou parada na segunda metade do ano passado e faz uns três meses que voltamos a fornecer bonecos em uma edição especial para a peça de teatro 'O Pequeno Príncipe Preto.'
Fazemos 15 tipos de bonecos diferentes. Transformamos pessoas que são referência na luta anti-racismo, quem compra os bonecos têm a possibilidade e conhecer a história dessas pessoas porque os brinquedos vêm acompanhados por uma pequena biografia. Em 2017, vendemos 2.400 bonecos.
As bonecas custam, em média, 90 reais cada. Mas o que mais vende é a boneca personalizada, apesar de ser o item mais caro, custa 250 reais, e quem compra é o público de classe B e C. Para uma boneca de tecido, o valor não é baixo, mas as pessoas buscam porque querem a possibilidade de a criança se ver no brinquedo. Temos opções que podem ser montadas com quatro tipos de corpos com cores diferentes [todos negros, variam só os tons de pele], 11 tipos de cabelos e 12 possibilidades de roupa.

Aceleração e mentoria

Buscamos mentorias e estamos participando da Shell Iniciativa Jovem [um programa de aceleração]. Acabei de finalizar um MBA em gestão de negócios, que foi um norte bem importante para entender como fazer um negócio que começou do zero crescer.
Fechamos parceria com o HUB RJ, que é um espaço que reúne várias empresas num ecossistema empreendedor na Zona Portuária do Rio. O local funciona como um polo de inovações, é muito positivo para quem busca investimento. A ideia é usar a expertise dos gestores para trazer investimento aumentar nossa capacidade produtiva. Eles atuam trazendo mentoria e investidores.
Teremos um espaço de 60 metros para colocar todo o maquinário, que até agora funcionou num ateliê, em um espaço menor. Já temos 15 máquinas de costura e com o espaço pequeno não conseguíamos nem contratar outra pessoa, agora vamos ampliar a capacidade de produção.
Entre os meses de outubro e dezembro pretendemos vender 300 itens por mês, por conta de Dia das Crianças e Natal. A estimativa é de faturar 20 mil por mês.

Educação e voluntariado

Sou historiadora e sempre trabalhei com educação, nos últimos quatro anos atuei na Uerj [Universidade do Estado do Rio de Janeiro] como professora convidada trabalhando em um projeto de educação para combater o racismo. Mas com a crise econômica no Rio, os projetos finalizaram.
Uma parte das vendas da 'Era uma vez o mundo' é revertida para um trabalho que fazemos nas escolas públicas. São oficinas para as crianças, para os pais e para os professores. No ano passado passamos por 60 escolas.
Uma das oficinas se chama 'Boneca preta é identidade', levamos bonecas, todas mulheres que são militantes do universo anti-racista. Também levamos suas biografias e contamos suas histórias.
Outra atividade é a 'Mulheres do Samba', levamos bonecas referenciadas em cantoras e mulheres que escrevem samba para as crianças conhecerem e entenderem a importância delas na história. Vai desde a Tia Ciata até Mariene de Castro, são dez mulheres passando por Leci Brandão, Alcione e Clementina de Jesus. As crianças ficam muito felizes de conhecer essas histórias, depois fazemos jogos para saber qual boneca corresponde a qual história.
A função do nosso negócio extrapola a comunidade negra, ela educa as pessoas de um modo geral para um olhar mais diverso para o mundo. Quando você lida com uma criança e percebe que ela só consegue identificar pessoas negras em posições de servir o outro, percebe que falta ampliar a visão sobre as posições que a pessoa negra pode ocupar.  O que eu vendo é diversão, é oportunidade de brincar, mas quando a criança se vê no brinquedo, você cria também o respeito da criança não negra."

Últimas notícias Ver mais notícias