Ministro da Cultura acusa Waters de fazer "campanha disfarçada de show"

Gisele Alquas
Do UOL, em São Paulo

  • Dario Oliveira/Folhapress

    Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão

    Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, voltou a criticar o músico Roger Waters por suas manifestações políticas contra Jair Bolsonaro e afirmou no Twitter, neste domingo (21), que o ex-líder do Pink Floyd recebeu R$ 90 milhões para fazer "campanha eleitoral disfarçada de show" durante sua turnê no Brasil. 

"Roger Waters recebeu cerca de R$ 90 milhões para fazer campanha eleitoral disfarçada de show ao longo do 2º turno. Na Folha, chamou Bolsonaro de 'insano' e 'corrupto'. Sem provas, claro. Disse aos fãs que não voltará ao Brasil caso ele ganhe. Isso sim é caixa 2 e campanha ilegal", disparou Sá Leitão.

Diante da repercussão de suas acusações, o ministro retornou à rede social  e garantiu que sua declaração anterior não era "fake news".

"Obrigado a você que chamou de fake news meu post sobre Roger Waters. Prova de incoerência. Por muito menos, acusou Bolsonaro de caixa 2 e campanha ilegal. Sem provas. E o que eu disse é verdade: ele recebeu R$ 90 milhões por shows/entrevistas; e está em campanha contra Bolsonaro".

Leia mais

Sá Leitão já havia se manifestado contra as atitudes de Waters em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo" nesta semana. Ele contou que conversou com o empresário do cantor antes das manifestações políticas que o músico fez durante show em São Paulo e que, como fã, fica "de saco cheio" desse tipo de ação.

"Eu estive lá, conversei com o empresário dele antes. Confesso que, pensando como público, como fã, eu estou de saco cheio. A gente não consegue mais ir a um show ou ver um filme sem que haja algum tipo de manifestação política. Muitas pessoas estão com essa sensação", afirmou.

Sá Leitão ressaltou que tem tentado manter os trabalhos da pasta sem contar com a interferência das eleições, lamentou que mais uma vez o tema ficou muitas vezes esquecido em propostas e debates e falou sobre o que espera caso Bolsonaro seja eleito. Sá Leitão citou a aproximação de Flávio Bolsonaro, eleito senador pelo Rio de Janeiro, para falar sobre a Cultura.

"Eu não tenho essa visão apocalíptica. Aos 51 anos, já vi muita coisa acontecer desde o final do regime militar. Acho que a democracia é muito sólida, temos instituições consolidadas e um bom sistema de pesos e contrapesos. Estou mais otimista, mas entendo o que você disse no que diz respeito a Jair Bolsonaro não fazer menção à cultura. As falas dele até agora foram muito poucas", disse o ministro.

Reprodução/Twitter
Roger Waters exibe protesto contra Bolsonrao durante show em São Paulo

Últimas notícias Ver mais notícias