Fãs de "Transformers" ignoram Paolla Oliveira e celebram voz de Optimus Prime

Paulo Pacheco
Do UOL, em São Paulo

  • Iwi Onodera/UOL

    Guilherme Briggs e Paolla Oliveira durante painel da CCXP

    Guilherme Briggs e Paolla Oliveira durante painel da CCXP

Paolla Oliveira é uma das celebridades mais conhecidas do Brasil. Ela é ovacionada em qualquer evento... menos na CCXP 2018. A atriz global, que dubla o filme "Bumblebee", do universo "Transformers", foi menos idolatrada do que Guilherme Briggs, voz de Optimus Prime na franquia.

Durante o painel da Paramount Pictures, o apresentador anunciou Paolla Oliveira, que recebeu aplausos tímidos. Quando Briggs entrou no auditório, no entanto, foi ovacionada pelos fãs. A atriz do primeiro time da Globo reconheceu a importância do dublador para a franquia "Transformers" e se sentiu honrada por trabalhar ao lado dele em "Bumblebee".


O QUE ROLOU NA CCXP

"É difícil demais só para colocar a voz. É bonito participar de um trabalho desse ao lado desse cara incrível, que há anos dá voz a esse personagem tão importante, e fazer parte dessa cultura", elogiou Paolla.

"Ela já foi conquistada por 'Transformers'", retribuiu o dublador. Lorenzo Di Bonaventura, produtor da franquia, brincou: "Me too" ["Eu também", em inglês].

Em "Bumblebee", Paolla Oliveira empresta sua voz Shatter, vilã da história, que no original é interpretada por Angela Bassett.

A atriz revelou ser fã da saga dos carros robóticos e elogiou o protagonismo feminino. "Sou suspeitíssima, já fiquei ainda mais fã. Shatter nem se exalta. Manda fazer no mesmo tom. É maleficamente incrível. Eu me apaixonei por ela. É potente, brava e má. Muita gente me pergunta sobre essa condução feminina, acho muito legal".

A trama, ambientada na década de 1980, traz uma mulher como protagonista, Charlie Watson (Hailee Steinfeld), contrapondo a cultura de que carro é "coisa de homem". Ao completar 18 anos ela compra um Fusca, que se transforma em robô, chamado pela garota de "Bumblebee".

O produtor Lorenzo Di Bonaventura explicou por que escolheu uma mulher para protagonizar o filme: "Ouvimos os fãs, achamos que era a oportunidade de ir para a primeira geração, em 1987, época bem melhor do que hoje. Nosso diretor trouxe a inocência ao filme. Criamos uma história íntima e com uma líder mulher. Foi uma escolha nossa. Ela vai ter que tomar as mesmas decisões que um homem. A atriz é sensível e maravilhosa, traz mistério e experiência".

Briggs gostou de ver o filme ambientado nos anos 80, quando ele assistia ao desenho animado: "Quando vi 'Bumblebee', me lembrei do meu falecido pai, que tinha um Fusquinha azul. Talvez por eu ser mais velho, precisava de um filme mais nostálgico, sem tanta adrenalina".

Últimas notícias Ver mais notícias