O campeonato em que Datena quase se afogou bêbado e Do Valle se lesionou

José Ricardo Leite e Luiza Oliveira
Do UOL, em São Paulo

Um jogador sair lesionado de um treinamento é uma das situações mais corriqueiras do futebol. Agora, o treinador sentir uma lesão, já ouviu algum caso como esse? Pois isso ocorreu e envolveu um nome bem estranho. Nada de Joel Santana, Felipão ou Luxemburgo, mas sim um dos narradores mais famosos da história do país: Luciano do Valle.

Essa experiência como técnico ocorreu em 1993, em uma das edições do torneio de jogadores veteranos organizado pela TV Bandeirantes que aconteceu na Itália e na Áustria. E houve ainda outro fato inusitado. José Luiz Datena, que fazia sua primeira participação como narrador, tomou alguns vinhos a mais depois de um jantar e quase se afogou.

O campeonato era a Copa Pelé de Masters e Luciano foi nomeado técnico do time que tinha vários ex-craques do passado como Rivellino, Luís Pereira, Edu e Serginho Chulapa.

Ex-companheiros da TV lembram que em um dos treinamentos na cidade italiana de Trieste, Luciano conversava com Rivellino enquanto este ensaiava cobrança de faltas. A troca de palavras com o campeão mundial de 1970 parece ter encorajado o narrador a passar dos pitacos até uma tentativa de arriscar o chute. Quem via de longe, estranhava.

"Eu e o Juarez Soares (comentarista) ficamos só observando ele de longe...eu ainda falei, será que ele vai querer ensinar o Riva a bater falta?", lembrou Datena.

Poucos segundos foram necessários para o pior: Luciano sentiu uma lesão na perna ao realizar o movimento de arremate e caiu no gramado. Sofreu uma forte distensão e teve que sair carregado pelos seus comandados. "Não é que ele foi tentar ensinar o Rivellino a bater falta, mas ele foi chutar a bola e teve essa distensão. Ele não era atleta. Ainda bem que tinha médico lá com o time e mais o Sócrates, que jogava e também era médico", recordou Juarez Soares.

Datena relembra que todos procuraram um médico na cidade e o único disponível era Sócrates. Mas Luciano ficou com medo de ser atendido por Magrão porque ele não exercia a profissão havia muito tempo.

Foi aí que Juarez teve a ideia de ligar para um médico amigo e fazer uma conferência telefônica. O médico passou as instruções para Sócrates de como medir a temperatura e aplicar um antibiótico. Mas, apavorado, Luciano não aceitou as ordens de Sócrates e adotou outro método para se curar. Ficar bêbado tomando vinho.

"O Sócrates era um cara brilhante, um gênio da medicina, mas não exercia a medicina havia muito tempo. O Luciano ficou assustado. Quando o médico mandou o Magrão aplicar o antibiótico, ele falou: 'Não vou tomar nada. Vou tomar vinho.' E encheu  cara de vinho, o vinho é um santo remédio. Logo depois ele estava curado", brinca Datena.

A contusão fez Luciano ficar por três dias de molho, apenas deitado na cama. Para sua sorte, não teve nenhum jogo nesse período, se não a equipe ficaria sem técnico. Depois se recuperou e voltou a comandar o elenco, que parou nas semifinais do torneio, ao perder da Áustria. Mas não escapou das piadas.

"O que chamou a atenção foi que os jogadores falavam ´olha isso, nosso treinador foi chutar a bola e se machuca´. Mas tudo isso era em tom de brincadeira, eles sabiam que o Luciano não era um atleta ou ex-atleta como eles, né?", falou Juarez.

Além da lesão de Luciano, outro episódio inusitado marcou a viagem para Trieste. Datena conta que a cidade italiana é bonita e conhecida por ser muito rica culturalmente. Mas, por outro lado, é vazia e habitada por pessoas mais velhas, o que causa uma certa melancolia.

Depois de alguns dias no local, Datena e Juarez decidiram exagerar no vinho após o jantar para curar a tristeza. E o resultado não foi muito animador.

"Trieste é uma cidade triste, só mora gente de idade, criança lá não existe. A gente bebia até de madrugada e em uma dessas a gente encheu a cara de vinho. Estávamos na beira do Mar Mediterrâneo e o Juarez começou a recitar poesias. Eu caí de uma altura de 6 metros, não sei como sobrevivi. Fui parar nas pedras porque lá não tem areia. Tiveram que chamar o bombeiro, até hoje tenho um sapato cheio de algas", brincou.

Juarez recorde que foi o responsável por salvar Datena e que o ex-companheiro lhe deve até hoje por ter conseguido tirá-lo da situação de apuros. "Datena escorregou e caiu lá. E não tinha ninguém na rua pra ajudar. Agarrei na mão dele e fiquei tentando tirar, mas não conseguia. E o mar vinha chegando. A gente escorregava e não conseguir sair. Pensei que iríamos morrer ali. Comecei a rezar pra todo mundo", recordou o ex-comentarista da Band.

"O Datena dormiu daquele jeito mesmo e amanheceu no outro dia todo sujo de verde. Falei pra ele ´Datena, acho que é bom a gente rezar um pouco mais, cara, se não fosse a reza pro Papa estaríamos mortos´", prosseguiu.

Últimas notícias Ver mais notícias