Pressão do Nacional derruba a estratégia de Tite e surpreende Corinthians

Dassler Marques
Do UOL, em São Paulo

  • PAULO WHITAKER/REUTERS

Reconhecidamente um fator decisivo no mata-mata, os gols fora de casa levaram o Nacional-URU às oitavas de final da Copa Libertadores em Itaquera. No empate por 2 a 2, o Corinthians foi surpreendido por uma decisão arrojada dos visitantes.

A estratégia do técnico Gustavo Munúa na Arena Corinthians foi pressionar de início, exatamente o contrário do que Tite considerava o mais provável. Com uma marcação sufocante entre as duas intermediárias, o time uruguaio impediu o time da casa de jogar no início.

Do contrário das equipes adversárias da fase de grupos, atacou e foi premiado já aos 4min com gol do jovem atacante Nico López. Estava estabelecida a vantagem do gol fora de casa que costuma indicar a sorte nos mata-matas. 

Na véspera do jogo, Tite esperava exatamente pelo oposto. Boa parte da atividade preparatória para encarar o Nacional foi feita no campo de ataque, com oito reservas que formavam duas linhas de quatro posicionadas entre a intermediária defensiva e a linha de fundo.

Na prática, o Corinthians se preparou para encarar uma retranca. Mas o plano de Munúa foi exatamente outro, como já havia colocado em prática ao vencer o Palmeiras por 2 a 1 em São Paulo ou ao empatar na casa do Rosario Central por 1 a 1, com gol sofrido nos acréscimos.   

"Nós planejamos essa estratégia", disse o meia Gonzalo Porras. "Creio que eles não esperavam que a gente viesse aqui e fizesse um jogo assim. Fizemos essa pressão, tivemos algum controle da bola e pudemos jogar", acrescentou.

O lateral Jorge Fucile, ex-Santos, explicou a decisão. "Sabíamos que não podíamos ficar atrás porque o Corinthians tem grandes individualidades, jogadores que podem definir. Mas o emblema que temos (na camisa) nos obriga a ganhar em todos os campos. Estar no Nacional é assim", declarou. 

O plano de jogo uruguaio se refletiu sobre os números do confronto. Se em Montevidéu o Corinthians foi incapaz de finalizar uma só vez a gol, em São Paulo o Nacional não apenas anotou duas vezes, mas acertou cinco conclusões no alvo. 
 
Um prêmio para a estratégia de um treinador calouro no que diz respeito à Copa Libertadores: Munúa, ex-goleiro, pendurou as luvas há cerca de um ano e iniciou a carreira no banco de reservas em julho, já pelo Nacional.
 
No intervalo, em Itaquera, impressionou até jogadores experientes como Fucile. "Nos disse, com vocês vou à lua". 
 
Confira as finalizações nos confrontos entre Corinthians x Nacional, segundo o Footstats:
 
27 de abril - Nacional 0 x 0 Corinthians
Finalizações do Nacional: 3 no alvo e 7 erradas
Finalizações do Corinthians: 0 no alvo e 5 erradas

04 de maio - Corinthians 2 x 2 Nacional
Finalizações do Corinthians: 7 no alvo e 11 erradas
Finalizações do Nacional: 5 no alvo e 2 erradas
Últimas notícias Ver mais notícias