Ex-campeão do UFC diz que legado de Jones tem asterisco após caso de doping

Do UOL, em São Paulo

  • Getty Images

    Rashad Evans e Jon Jones já se enfrentaram no UFC

    Rashad Evans e Jon Jones já se enfrentaram no UFC

O lutador Jon Jones vive mais uma fase de problemas em sua carreira. Após superar problemas com a justiça norte-americana, o atleta foi flagrado em um exame antidoping antes da luta contra Daniel Cormier, no UFC 200, e deverá ficar afastado do octógono por um longo período.

O caso gerou reação de diversos lutadores, que analisaram a nova polêmica envolvendo o campeão interino da categoria meio-pesado. E uma das opiniões mais contundentes sobre o caso é de um ex-companheiro de treinos do lutador: Rashad "Suga" Evans.

De acordo com o ex-campeão meio-pesado, que já enfrentou Jon Jones e acabou superado por decisão unânime, o caso de doping que envolveu o lutador irá deixar uma mancha em seu currículo, já que as lutas que foram vencidas por Jones no passado sempre serão questionadas.

"Eu senti uma grande decepção. Primeiro como fã, e depois como alguém próximo a ele. Eu odeio ver alguém que tem tanto potencial para fazer coisas grandes se envolver neste tipo de situação. Na minha opinião, ele é provavelmente um dos maiores lutadores a colocar uma luva, mas agora seu legado ficará manchado com um asterisco de "ele estava limpo?", além de todas as outras coisas que ele é conhecido por fazer fora do octógono", avaliou Evans.

Ainda segundo o Evans, o que aconteceu com Jones foi uma infelicidade, pois o atleta sempre demonstrou ter potencial físico e mental para ser um dos principais nomes do esporte sem precisar de substâncias de melhoria de performance. Contudo, o ex-campeão não descartou a possibilidade de Jones ter tomado algo.

"Este é um jogo onde você apenas tenta se recuperar e garantir que você tem o que precisa para estar em ordem e treinar novamente. Talvez ele possa ter sido pego tentando fazer algo que o ajudasse a se recuperar", analisou Evans.

As substâncias que foram identificadas nas amostras colhidas de Jon Jones não foram reveladas pelo UFC e nem pela USADA, agência antidoping que realiza os testes da organização. Contudo, ex-lutadores que trabalham como comentaristas do UFC, como Chael Sonnen e Brendan Schaub, revelaram que dois tipos diferentes de estrógenos foram identificados no organismo de Jones. O hormônio feminino é utilizado por atletas para mascarar o uso de testosterona.

"Não faço ideia do que ele tomou. Ainda falta a confirmação, mas parece que ele estava tentando esconder algo ou então balancear alguma coisa, se for por isso mesmo que ele foi pego", salientou o ex-campeão, que amenizou a crítica.

"Eu acho que ele pode ter tomado sem saber exatamente o que estava tomando. Eu realmente não consigo ver, pelo menos na minha cabeça, alguém que será seriamente testado que nem o Jones aceitando tomar algo deste tipo com conhecimento de causa. Jones tem sido um dos atletas mais testados e tem um grande holofote sobre si, então não acho que ele seria estupido o suficiente para tomar algo que ele sabe que é banido."

Segundo dados obtidos no site da USADA, Jones foi testado oito vezes nos últimos dois anos, o que faz dele o terceiro atleta meio-pesado mais testado pela entidade. Apenas Daniel Cormier, campeão linear da categoria, e Anthony Johnson, um dos principais nomes da divisão, foram testados mais vezes que o campeão interino.

Segundo informações da imprensa norte-americana, o staff de Jones alegará que ele consumiu suplementos contaminados, estratégia que já foi adotada recentemente por outros atletas flagrados em exames.  Nos casos de Tim Means e Yoel Romero, a suspensão de dois anos imposta pela organização caiu para apenas seis meses após ficar comprovado que os suplementos consumidos pelos atletas realmente estavam contaminados. 

Últimas notícias Ver mais notícias