Como a compra de Paulinho faz Barça aumentar pressão sobre Kia e Coutinho

Dassler Marques
Do UOL, em São Paulo

  • Natacha Pisarenko/AP

    Barcelona já conseguiu Paulinho. Mas Coutinho não tem sido nada fácil

    Barcelona já conseguiu Paulinho. Mas Coutinho não tem sido nada fácil

A decisão do Barcelona em exercer o pagamento da cláusula de saída para contratar Paulinho tem impacto direto em outra transferência importante que envolve um brasileiro: Philippe Coutinho. O ponto em comum entre os dois nomes da seleção de Tite é o agente iraniano Kia Joorabchian e seu parceiro Giuliano Bertolucci, representantes de ambos os jogadores cobiçados pela direção do clube azul-grená.  

Inicialmente, o Barcelona se mostrava pouco convencido em pagar os 40 milhões de euros (R$ 151 milhões na atual cotação) necessários para tirar Paulinho do Guangzhou-CHN. Destaque da equipe dirigida por Luiz Felipe Scolari, o volante desejava a transferência desde o início das conversas, mas esbarrava na posição irredutível dos proprietários de seu clube, que disseram não a uma oferta de 27 milhões de euros apresentadas ao Barça no mês passado.

Sem êxito nas negociações pela liberação do volante em meio à temporada na China, só restou ao Barcelona uma alternativa: topar o pagamento de multa para realizar a transferência de maneira unilateral. Na avaliação de pessoas envolvidas nas negociações, o Barça só aumentou esse investimento para satisfazer a vontade de Paulinho e seus dois empresários. Por 13 milhões de euros a menos, acreditam envolvidos, o brasileiro poderia ser adquirido em janeiro. Seriam menos de cinco meses de diferença. 

Sobre Coutinho, o Liverpool ainda resiste e diz que não irá vender o brasileiro

A compra imediata de Paulinho, além de naturalmente aportar um desejado reforço ao meio-campo do Barcelona, também é espécie de agrado para Kia Joorabchian. A contrapartida esperada pelos dirigentes azuis-grenás, porém, já é bastante conhecida de todos: Philippe Coutinho para ser a próxima estrela brasileira da galeria que já teve Romário, Ronaldo, Rivaldo, Ronaldinho e Neymar. 

Os empresários têm feito esforços para convencer o Liverpool que deixe Coutinho se mudar, mesmo poucos meses depois de renovar seu contrato por salários impressionantes de R$ 3,3 milhões. Na última sexta-feira, essa pressão se intensificou em dois atos: os ingleses emitiram uma nota oficial em que afirmaram que nenhuma proposta seria aceita pelo camisa 10 - e ele respondeu com um 'transfer request', pedido para que seja negociado. 

Isso, porém, não será fácil de acontecer. Apesar de declarações de Jürgen Klopp que causaram a impressão de que Coutinho poderá sair, a posição dos proprietários do Liverpool ainda não se alterou. O clube inglês ainda afirma que nenhum valor levará seu jogador. E, diferente de Paulinho, pagar a multa rescisória não é uma opção, já que esse dispositivo não existe no contrato do meia. 

Ao adquirir Paulinho, porém, o Barcelona enviou uma mensagem aos empresários que conduzem toda a situação. Cada vez mais pressionados por não conseguirem adquirir Verratti do PSG, por perderem Neymar e até mesmo Vinícius Júnior, vendido ao rival Real Madrid, os azuis-grenás apostam em Coutinho para reconstruir a reputação na Catalunha. É certo que isso só ocorrerá se os donos do Liverpool - John Henry, Tom Werner e Mike Gordon, todos americanos - mudarem de ideia.   

Últimas notícias Ver mais notícias